» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Dragon Ball XENOVERSE 2 é o mais novo jogo da franquia Dragon Ball, que já conta com dezenas e dezenas de títulos que são lançados constantemente. A premissa, para aqueles que não jogaram o primeiro XENOVERSE, é bem simples. Certas pessoas estão mexendo com a linha temporal da saga DBZ, e como mexer no espaço tempo é perigoso, cabe ao jogador criar um personagem único, para assim impedir essa ameaça. A criação de personagens e os elementos de MMORPG são o que tornou o primeiro jogo tão bom e divertido, e é claro que essas características estão de volta para a sequência.

É o Mesmo Kamehameha, Só Que Diferente

A história por trás do primeiro jogo era extremamente interessante e prendia a atenção, pois se tratava de algo novo. Vilões desconhecidos estavam mexendo em acontecimentos na linha temporal do universo de Dragon Ball Z e, com isso, tínhamos um novo ângulo para toda história que já havia sido contada em diversos outros jogos, o que foi um ponto extremamente positivo.

Agora, em XENOVERSE 2, temos exatamente o mesmo plot com algumas leves mudanças. Towa e Mira, dois vilões do primeiro jogo, estão de volta e mexendo com a linha temporal novamente, só que dessa vez com a ajuda de Bardock, pai de Goku, que está sendo controlado por eles. É basicamente isso e não vai muito além. No primeiro jogo tínhamos vários momentos icônicos do anime Dragon Ball Z, e XENOVERSE 2 revisita parte deles, o que deixa a história com menos impacto, pois já vimos isso de uma forma mais completa, anteriormente. Porém novos vilões e histórias são adicionadas nesse jogo, como a luta contra Jamemba e a história do Gohan do futuro lutando contra os androides 17 e 18, mas isso não é o bastante para cativar.

O enredo de XENOVERSE 2 é um “copia e cola” de seu antecessor tirando algumas histórias e adicionando outras, o que é uma pena. Visto as modificações feitas anteriormente os desenvolvedores poderiam ter se arriscado mais e feito algo completamente original, mas não foi o caso, passando uma sensação de que esse enredo poderia ser uma expansão para o primeiro jogo.

dragon ball xenoverse 2

Tá Charmoso

Os gráficos são muito bonitos e tiveram uma leve melhoria, principalmente pelo fato do jogo ser exclusivo para a oitava geração, diferente de seu antecessor. Porém nada tão grandioso.

Mas algo está muito errado com o rosto de alguns personagens quando vistos de perto, que parecem que estão chapados, sem muito relevo, mas essa é uma reclamação estética de minha parte, não compromete nada.

Luta Para Quem Te Quero

Vamos começar com os básicos. As lutas são como antes, temos a barra de vida, a barra de ki (que serve para usar ataques especiais) e a barra de estamina (usada para se defender, voar e desviar de ataques). Os combos e a fluidez melhoraram muito, em relação ao anterior, e novos golpes foram adicionados.

O jogo, assim como o primeiro, tem muitos elementos de um MMORPG, ou seja, você pode fazer quests, side quests e missões de treinamento. E, assim como todo MMORPG, você pode fazer as missões (fora as principais) com seus amigos, o que deixa o jogo extremamente divertido.

Em cada time pode-se ter até três personagens. No caso do jogador, um controlado por ele e dois pelo computador. No modo online pode-se ter até seis jogadores no mesmo time.

A câmera funciona com um sistema de “Lock On”, ou seja, você trava a sua mira em um personagem inimigo especifico e parte para o ataque. O único problema é que, em alguns combos, ela se atrapalha, confundindo o jogador.

Como resultado, temos um excelente gameplay bastante intuitivo e desafiador para um amante de jogos de luta não 2D.

dragon ball xenoverse 2

Tem Quase Todo Mundo

Dessa vez, temos bem mais personagens que anteriormente. São mais de 80 dessa vez (com DLCs), englobando: os animes Dragon Ball Z e alguns filmes; Dragon Ball GT e Dragon Ball Super.

Porém ainda tem personagens que não entraram para o jogo, como Tapion, Bojack, Baby, entre outros que realmente poderiam estar presentes, mas pelo visto não atraíram a atenção dos desenvolvedores. O que é algo bem chato, pois se na época do PS2 tínhamos Dragon Ball Z Budokai Tenkachi 3, com mais de 100 personagens, hoje em dia, com o desenvolvimento da tecnologia, deveríamos poder ver isso novamente.

O caso de Baby é ainda mais revoltante, pois ele está no jogo como uma Boss Fight, mas o jogador não pode usá-lo, assim como a ultima transformação de Mira. A saída para utilizar esses personagens são os MODs, que são conteúdos criados pela própria comunidade para o jogo.

dragon ball xenoverse 2

Você em Dragon Ball

Agora vamos para a principal característica dessa franquia, a criação de personagens. Ela está mais completa do que o jogo anterior, oferecendo uma gama maior de opções, o que já era de se esperar e funciona da seguinte maneira: primeiro se escolhe a raça do personagem, que pode ser Terráqueo, Sayajin, Namekian, Majin e a raça de Frieza, cada uma tem diferentes status e diferentes transformações, que agora estão presentes para todas elas, diferente do primeiro jogo; logo depois disso você customiza a aparência, podendo mudar cor de pele, cabelo, olhos, entre outros. Posteriormente no jogo pode-se adicionar novos golpes, roupas, e acessórios e também ir subindo de nível para deixar seu personagem cada vez mais forte, assim como qualquer outro RPG.

Em XENOVERSE 2, as transformações estão balanceadas, diferentes do anterior, onde o Super Sayajin era completamente desbalanceado. Elas estão muito variadas e bem divertidas, cada uma com um estilo de gameplay diferente. O Namekian fica gigante, o Sayajin pode atingir o nível 3 (antes só era possível ir até o 2), entre outras variações, o Majin se transforma em um Kid Buu, o Terráqueo utiliza a nuvem voadora e também o Kaioken, e a Raça de Frieza entra na forma de ouro, apresentada no ultimo filme do Dragon Ball e no novo anime, Dragon Ball Super.

Mas algo que foi mantido não me agrada, e aqui entra minha opinião pessoal. O Super Sayajin altera o penteado do personagem no Anime e isso é mantido para a versão dos personagens no jogo, menos para o customizado, apenas o nível 3 muda, mas é igual para todos os cabelos disponíveis, o que, para mim, é falta de imaginação dos desenvolvedores e de vontade, principalmente depois de ver muitas pessoas que conseguiram fazer isso através de MODs. A maravilha de das lutas de Dragon Ball Z são a transformações e como o personagem muda em cada uma delas, mas isso não foi passado para o jogo. Essa é apenas a opinião de um fã chato, já que isso não afeta em nada o gameplay.

dragon ball xenoverse 2

O Mundo Cresceu

Dessa vez a local principal que o jogo se passa, “Conton City”, é sete vezes maior do que a versão do primeiro XENOVERSE. Agora pode-se andar, usar veículos e voar pela cidade, o que é bem interessante, apesar de que quando o jogo te der a permissão para voar, que demora um pouco, os outros modos de locomoção se tornam obsoletos, já que voar é mais rápido e simples de controlar. A cidade está divida em vários setores referentes a locais apresentados no Anime. A experiência de voar até a caso do avô de Goku é bastante gratificante. Alguns desses lugares oferecem “quests” únicas e desafios diferentes, dependo da raça encolhida para o personagem.

Os eventos onlines do jogo receberam uma atenção especial dessa vez, principalmente por agora cada servidor aguentar 300 jogadores conectados ao mesmo tempo. Temos o Torneio de artes marciais como antes, mas também a invasão de Frieza, que teve inicio junto com a primeira DLC, e agora temos os voids temporais, que nada mais são do que lutas contra grandes e poderosos chefões, onde são adicionadas mecânicas novas e exclusivas para derrota-los. Está tudo mais aprimorado em relação ao primeiro XENOVERSE, percebe-se claramente a onde a equipe por trás do jogo estava mais focada.

dragon ball xenoverse 2

Conclusão

Dragon Ball XENOVERSE 2 tem um enredo fraco e muito parecido com seu antecessor. Seu gameplay é também o mesmo de antes, mas evolui nos pontos certos, exceto pela câmera e suas confusões. Mas o jogo brilha aonde tem que brilhar, seu modo online. Ele funciona lindamente e com mais opções. Um belo jogo de luta que consegue entreter por mais de 40 horas fácil, mas que ao mesmo tempo passa a sensação de ser o primeiro jogo com um pacote de expansão.

Comente!