A franquia Harry Potter sem sombra de dúvida impactou uma geração inteira de fãs e perdura agora por mais duas décadas. Por muitos anos e mesmo até hoje, a mitologia que criou e reinventou é utilizada como fonte de inspiração para diversas produções artísticas, seja no âmbito da literatura ou no do audiovisual. E agora, com a continuação desse legado criado por J.K. Rowling através da nova série de filmes Animais Fantásticos, parece que uma nova tradição foi começada com a introdução de inúmeros termos para caracterizar um trouxa, ou seja, aqueles que não pertencem ao mundo mágico.

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Conforme vimos na primeira iteração da nova franquia, os bruxos norte-americanos se referem aos trouxas como no-maj, ou seja, sem magia. Seu equivalente francês foi revelado pelo diretor David Yates em uma entrevista exclusiva ao site Entertainment Weekly – e o vocábulo universal é o simples e doce non-magique.

“O mundo mágico em Paris é bastante glamoroso, muito lindo. Há uma comunidade que vive ao lado do mundo trouxa e tem muito mais liberdade que em Nova York, onde a segregação é bem clara. Paris é como Londres, na verdade, então não podemos traçar muitas diferenças entre as duas cidades. Pessoas bruxas podem andar livremente pelas comunidades não-mágica, desde que permaneçam discretas quanto a seus talentos”, ele declarou.

Como dito, essa terminologia para trouxa será uma tradição constante dentro de Animais Fantásticos. Conforme revelado recentemente, cada um dos cinco filmes da franquia será ambientado em uma cidade diferente – e logo, espere mais três sinônimos para o termo.

Os Crimes de Grindelwald chega aos cinemas no dia 16 de novembro.

Comente!