O Anime Friends 2018, evento de quatro dias em São Paulo, completou uma semana. Cosplayers, fotógrafos, jornalistas e artistas vêm de vários lugares do mundo para participar e prestigiar essa Comic Con dos desenhos japoneses.

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Assim como ano passado, o evento contou com três palcos, um exclusivo para shows, um para cosplays e outro de K-Pop, além disso, o evento contou com arenas fechadas onde ocorreram, por exemplo, os shows da Vocaloid Hatsune Miku.

Para os fãs de Anime e HQ o local fica recheado de cosplayers de todos os lugares do país, mas então, você já pensou como é ser cosplayer em um evento como esse? Nós do Bastidores decidimos fazer o teste e fomos no domingo, dia mais cheio, comigo – Julia – vestida de Fênix Negra.

Decidi me vestir no local, então levei uma mala grande com tudo que iria precisar. Chegando no metrô um daqueles ônibus de viagem levaria até o local de graça, também era possível ir de carro, porém o estacionamento custava R$ 40,00. Após entrar, fui direto até o estande exclusivo dos cosplayers, onde as pessoas poderiam se trocar, utilizar espelhos e guardar seus pertences, todo o espaço contava com uma equipe orientadora.

Coloquei a roupa, lentes e peruca, guardei minha mala e saí para conhecer o espaço. Dentre os muitos estandes, existiam dois para os cosplayers tirarem fotos em um “estúdio” sem qualquer tipo de custo, a Cosplay Brasil e a Cos+, os fotógrafos são super atenciosos e quase sempre tem uma fila de espera.

Segui minha jornada com as lentes que assustavam tanto crianças quanto adultos, muitos me perguntavam como eu enxergava ou mesmo se era possível ver. Devo dizer que sim, é possível enxergar com elas, a única diferença é a neblina que parece ser constante. A melhor parte é tirá-la, parece que tudo fica em HD.

Seguindo minha andança, fui parada diversas vezes para tirar fotos e muitas pessoas foram simpáticas comentando sobre a roupa que eu usava. Até mesmo quando entrei na sala de imprensa e sentei – convenhamos andar de salto cansa demais – um homem cruzou o pequeno espaço para chegar ao meu lado e disse “você está de Fênix Negra? Ficou muito legal”. Ouvi até “Desculpa moça, mas nunca sei para onde você está olhando”.

Ainda pensando sobre os comentários, as crianças são sempre as mais sinceras e diversas vezes ouvi “olha pai, o olho da moça”, porém de todas elas um menino, talvez entre sete ou oito anos, cabelos encaracolados, todo alegre, tenha sido a melhor delas. Ele veio correndo, gritando “moça, moça, você é…” ao passar do meu lado e olhar diretamente em meu rosto o pequeno entrou em total choque dizendo “nada não”, o pobrezinho não conseguia falar direito e fazia uma careta de medo e choque até conseguir formular “moça, o que aconteceu com seu olho?”. Não convencido com minha explicação sobre lentes ele repetiu a pergunta, tive a impressão que de primeira ele não entendeu a resposta porque estava vidrado me encarando, mas após a segunda explicação abriu um sorriso e disse “tira pra eu ver?”.

Dentre as várias pérolas do evento, encontrei diversas pessoas que me chamaram de Miss Marvel, sim, ela mesma, a LOIRA Miss Marvel. Não ouvi apenas de fãs no evento, ouvi de jornalistas também, obviamente fiz questão de corrigir meus colegas, afinal, não ia ficar legal na matéria deles o nome errado da personagem.

Se você está na dúvida sobre fazer cosplay ou não eu super recomendo fazer, é uma experiência muito gratificante, as pessoas pedem foto, você se diverte sendo o personagem que tanto gosta, além de encontrar fãs do mesmo anime ou série. Não é como se os perrengues não existissem, sim tem gente sem noção, mas não podemos deixar esse tipo de pessoa estragar nosso evento.