Pode parecer estranho, mas sempre tive uma conexão muito forte com Doutor Estranho, algo bastante pessoal. Em uma época da qual já tinha me aventurado por diversas histórias dos X-Men, Homem Aranha, Demolidor, Vingadores, Capitão América, Homem de Ferro, Thor, Hulk, etc, mergulhei a fundo no mundo dos personagens mais desconhecidos da Marvel, dentre eles o Pantera Negra, Homem-Formiga, Luke Cage, Punho de Ferro, Capitã Marvel e este do qual vos falo. Talvez o choque de ler histórias sobre um personagem peculiar diferente de todos os outros que não usava força e sim inteligência e fazia parte do movimento de contracultura dos quadrinhos, explorando o lado místico e filosófico deste, tenha me feito adotá-lo como meu preferido de toda a galeria Marvel. 

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter e fique por dentro de todas as notícias! «

Contribuiu também o fato de que a maioria das HQs que lia do personagem, na verdade, a totalidade, viessem de fora, dos Estados Unidos, devido a não publicação no Brasil ou serem raríssimas de achar por aqui. Por ser pequeno e estar aprendendo inglês desde cedo, as histórias de Estranho me acompanharam durante esse período de aprendizado, intensificando a conexão. 

Logo, resolvi elaborar uma lista pessoal das 5 melhores histórias que li deste fantástico e subestimado personagem, porém, levando em conta apenas as HQs mais acessíveis de serem achadas em terreno tupiniquim. Muitas das HQs que eu gostaria de incluir na lista ainda são inéditas aqui, o que dificulta a busca do leitor. Mas não se preocupe. Todas elas, se lidas, garantirão de forma abrangente e profunda bastante conhecimento do cerne do personagem. 

Então, vamos a lista.

1°: DOUTOR ESTRANHO E DOUTOR DESTINO: TRIUNFO E TORMENTO (1989)

strange-and-doom

Doutor Estranho e Doutor Destino juntos. Do que mais você precisa? Estranho acaba tendo que ajudar Destino a salvar a alma de sua mãe, condenada no Hades e batalham contra Mefisto nessa história muitíssimo bem desenvolvida. As artes são imediatamente reconhecíveis, Mike Mignola, ainda jovem, junto com Mark Badger, dão substância ao roteiro do mestre Roger Stern. Logo no início, temos o gosto de como será o jogo da antítese da história ao juntar dois personagens ligados ao mundo da magia e mostrar o caminho contrário que cada um tomou em suas trajetórias de vida. Ainda vemos como Strange conquistou o título de Mago Supremo. Excepcional.

2°: REFLEXÕES (1973)

sise_neg

Obrigatória! Pela primeira vez assumindo o manto do Mago Supremo após a morte do Ancião, Estranho vai à procura de Mordo e se depara com o livro Cagliostro onde retorna ao tempo e se depara com um mago que não é bem quem diz ser. Sise-neg não será esquecido e a Gênese jamais será olhada da mesma forma. Cheio de reviravoltas e com um final de cair o queixo, “Reflexões” merece o segundo lugar da lista. É grandiloquente, completamente viajada e leva o leitor aos confins do universo num jogo de perseguição que nunca cansa. Uma aula de ritmo. 

3°: SHAMBALLA (1986)

shamballa

Poesia visual. Se “Reflexões” era um mergulho na mitologia megalomaníaca do mundo do Doutor Estranho e tudo que o envolvia, através da ação, “Shamballa” é isso, só que, através da contemplação. Não espere lutas grandiosas e sim questionamentos profundos. Essa jornada de autodescoberta do personagem é essencial para qualquer fã. Mas de nada adiantaria se a proposta não fosse executada de forma competente. O roteiro de J.M. DeMatteis e a arte fenomenal de Dan Green complementam um ao outro com um equilíbrio de sintonia que poucas vezes presenciei lendo graphic novels. Abra sua mente para esta aqui.

4°: O JURAMENTO (2006)

doutor-estranho-1

Relativamente recente, a história, escrita por Brian K. Vaughn e desenhada por Marcos Martin com arte final de Álvaro Lopez, reafirma o forte vínculo entre Strange e seu fiel parceiro e mentor de artes marciais, Wong, onde ambos se unem a Enfermeira Noturna após o cirurgião ser baleado por um ladrão que buscava o poderoso Elixir, um líquido capaz de curar todas as doenças da humanidade, retirado de outra dimensão. O desenvolvimento é divertido ao mesmo tempo que brinca com o passado de Strange e a conclusão é extremamente satisfatória. A série também serviu para ajustar a inclusão de Estranho nos Novos Vingadores de Brian Michael Bendis. Ocupa o quarto lugar por contar uma história regada a escapismo enquanto toca de forma bem humana em Strange ao ponto que este confronta um erro do passado que vem abocanhá-lo no presente sem deixar de incluir todo o cerne do Mago Supremo.

5°: UMA TERRA SEM NOME, UM TEMPO SEM FIM (1965/6)

eternity-saga

Clássica. Steve Ditko inovando ao utilizar novas técnicas visuais para representar o místico de forma grandiloquente e trabalhando com Stan Lee e Denny O’Neil. Doutor Estranho busca a Eternidade enquanto é caçado por Dormammu e Barão Mordo ao tempo que vemos várias participações de personagens consagrados. Ah, e Dormammu enfrenta a Eternidade. Consegue imaginar? Pois é. Essa graphic novel é considerada, por muitos, a primeira e verdadeira americana já lançada com arco em edições. Olha a responsabilidade! 

dormammu

OBS – Caso queira ir mais a fundo para entender determinados eventos ou situações das histórias das HQs listadas acima ou simplesmente saber mais do cânone, recomendo as seguintes leituras: “A Origem do Doutor Estranho/Strange Tales #115”, “The Domain of the Dread Dormammu/Strange Tales #126-127”, “The Crypts of Kaa-U and Time Doom/Marvel Premiere #4-14”, “The Montesi Formula/Doctor Strange #60-62, “O Enigma da Bola de Cristal/Doctor Strange, Master of the Mystic Arts #1-2, 4-5”, “Final Curtain/Doctor Strange, Master of Mystic Arts #10-13”, “Doutor Estranho: O que é que está te perturbando, Stephen?” e “Paixão… e Perda/Doctor Strange #55”.

Comente!