JOHN WICK: UM NOVO DIA PARA MATAR (2017)

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Dirigido por Chad Stahelski

Esse filme é um presente. Um presente para aqueles que não acreditaram que poderíamos sequer ver uma continuação, ainda mais uma continuação decente, do surpreendente thriller de ação que trouxe Keanu Reeves de volta ao estrelato em outro de seus já icônicos personagens. E um presente também para aqueles que se surpreenderam e tiveram um encharque de diversão e emoções com seu bobo e divertidíssimo filme original, que aqui entrega uma continuação nada menos que perfeita!
 

Primeiro por conseguir cumprir o trabalho obrigatório de uma (boa) continuação que é ampliar o seu (rico) universo já estabelecido e aumentar os desafios de seu protagonista, mas sem nunca esquecer de desenvolve-lo. Onde mesmo não tendo a simples, e muito eficiente, premissa de seu primeiro filme, que facilmente conquistava a empatia de seu público, consegue criar em sua deveras pretensiosa e ambicisa (mas também eficiente) premissa dos pecados do passado voltando para assombrar seu protagonista, cria um laço de busca pela sobrevivência e pela vida. 
Algo que se conecta fortemente com o final ultra piegas e emocionante de seu primeiro filme, onde John Wick fora buscar a felicidade que pensou ter perdido e aqui luta pela vida que aprendeu a valorizar (nossa, um filme de ação testosterônico que consegue criar outra trama piegas mas com um subtexto envolvente em seu complexo personagem, esses caras são gênios).Pois enquanto no primeiro tínhamos seu protagonista voltando ao seu antigo universo de assassinos em nome da vingança, aqui ele é forçado a retornar e ser completamente engulido por ele, sem uma escapatória possível. 
O que leva a exatamente seus criadores elevarem o escopo do universo de seu personagem em talvez níveis grandiloquentes, mas sempre coesos quanto à narrativa em que se propõe à sua jornada aqui. Onde o roteiro de Derek Kolstad (estou sim elogiando um roteiro de filme de ação aqui!) mais uma vez surpreende em criar regras e características únicas nos moldes de seu vasto universo estabelecido no seu primeiro filme, mas segue aqui por um caminho deveras mais focado e dramático na sua história (copiando a fórmula de Operação Invasão 2 não é mesmo seus danados).

E isso fica ainda mais claro com a direção de Chad Stahelski que mesmo sem seu parceiro David Leitch do primeiro filme, mantém (e eleva) a energia e aura, e cria aqui um verdadeiro filme de ação dramático(?) com ares artísticos graças ao deslumbrante e cheio de estilo visual da fotografia de Dan Laustsen com um uso luxuoso e abundante de cores. Ainda dando contendo uma elegância digna de um filme do 007 ao colocar a trama num nível internacional, e conter um cinismo negro digno de um Western-Spaghetti presente confrontos e impasses que John Wick enfrenta com alguns de seus rivais aqui, principalmente uma ótima participação de Common (a breve e ilustre presença de Franco Nero no elenco aqui não é uma mera referência).

E a ação é só um puro deleite de qualidade, onde cada soco, tiro e golpe é sentido e os jorrões de sangue chegam a assustar ao mesmo tempo que inevitavelmente divertem com tanta brutalidade escapista quase nunca gratuita, e nenhum momento se perde ou parece confuso com uma direção mais do que eficiente fazendo ação com um verdadeiro esmero. E Keanu Reeves apenas comprova mais uma vez o quão perfeito ele é para esse papel, com seus mínimos diálogos lembrando o Homem sem nome de um filme de Sergio Leone (rima não intencional), e matando levas e mais levas de comparsas usando suas armas de fogo como letais espadas de samurai. Talvez Riccardo Scamarcio não seja um vilão tão carismático ou intimidador, mas o ator possui um charme e um ar de nojeira capaz de fazer o público sentir repulsa e torcer por sua morte. Mas de bônus temos um breve mas (sempre) soberbo Laurence Fishburne se divertindo demais no papel, que lembra um perfeito mafioso de um filme blackxploitation.

No final, John Wick comprova mais uma vez como personagem e como filme (e possível franquia) o quanto de originalidade e alta qualidade podemos ainda encontrar e ter no gênero de ação, com elementos que podem com certeza soar piegas e ridículos, mas que são feitos com tanto esmero e garantem diversão e emoção sempre verdadeiras, e nos deixam desejosos para muito mais do que (vai) pode vir.

Comente!