A Bruxa de Blair é um daqueles filmes que, apesar de ter envelhecido de um jeito ruim, sempre será lembrado por representar uma revolução no modo de contar histórias. Mesmo que não tenha sido o pioneiro, o longa-metragem de Daniel MyrickEduardo Sánchez popularizou o subgênero found footage e tornou-se um sucesso quando foi lançado em 1999, por ter sido feito com apenas 60 mil dólares e ter arrecadado mais de 250 milhões, e chamar a atenção do público e da crítica durante a exibição no Festival de Cannes.

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

O filme não apenas assustou inúmeras pessoas por se passar por um documentário – diversas autoridades ligaram para a produção para ter certeza de que o elenco estava vivo -, mas firmou o gênero como uma crescente indústria, além de ter dado início a uma franquia quase memorável; apesar de sua grandiosidade, o segundo filme, A Bruxa de Blair: O Livro das Sombras tornou-se um fracasso e não fez jus à icônica personagem de seu predecessor. A última sequência, intitulada Bruxa de Blair e dirigida por Adam Wingard, até reviveu a mitologia e se aprofundou um pouco mais, mas não fez o mesmo barulho que o original.

Mesmo assim, inúmeras companhias perceberam o valor dessa marca e resolveram lutar para investir um pouco mais na franquia. Logo, A Bruxa de Blair está ganhando mais uma iteração – mas dessa vez para as telinhas.

Em entrevista para o site The Playlist, Sánchez revelou os detalhes de um plano ainda em estágios iniciais. “Para nós, é uma coisa natural sentar e dizer ‘ei, vamos fazer um show sobre a Bruxa de Blair e você pode dizer que é dos criadores originais, e podemos trazer vários diretores interessantes para os episódios'”, ele declarou. O comentário sugeriu que os filmes poderiam migrar para a televisão, seguindo o mesmo padrão antológico de American Horror Story ou Channel Zero.

“Não posso realmente falar sobre isso. Acho que a ideia de uma antologia sempre foi algo interessante”, ele acrescentou, tentando desviar do assunto.

Além disso, é válido relembrar que a Lionsgate não detém mais os direitos da franquia original, deixando portas abertas para que outras produtoras e empresas abracem o projeto e comecem a produzir um revival de uma mitologia tão assustadora quanto essa.

Comente!