Às 17h o supervisor de efeitos visuais da Industrial Light & Magic subiu ao palco para falar sobre sua contribuição em Star Wars: O Despertar da Força. Ainda que a chamada do painel colocasse um foco na icônica nave coreliana de Han Solo, a palestra acabou estendendo-se para uma olhada geral nos efeitos do filme de J.J. Abramos.

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

A ILM trouxe alguns brekadowns inéditos de cenas do filme, começando pelo design conceitual e a modelagem das criaturas conhecidas como Rathtars; vimos o antes e depois de um determinado take do filme, quando Rey e Finn tentam escapar dos monstros no cargueiro de Solo. Então, a platéia se entusiasmou quando Fogler mostrou os primeiros designs de BB-8 (curioso como a paixão pelo personagem é presente até mesmo em uma discussão técnica), que revelavam um visual mais mecânico e menos prático do que a versão final do filme.

Fogler então brinca que um filme de Star Wars sempre traz galpões de decolagem, mostrando então alguns trechos da cena onde Finn e Poe Dameron escapam do cruzador da Primeira Ordem, destacando a mistura de green screen e objetos reais de referência fotográfica – algo que ajuda seu trabalho em parcela considerável, como podemos observar pelo TIE Fighter parcialmente construído no set, sendo então preenchido por CGI na pós produção. Fogler também comenta com esse processo permite uma cinematografia mais fluida do que a prática do matte painting (o processo de se pintar o cenário em um vidro gigantesco), usado em peso na trilogia original. De maneira similar, vemos como as cenas introdutórias de Rey em Jakku ganham um tratamento de CGI quase invisível, com efeitos para criar o destróier imperial destruído ao fundo ou como são removidas as “rodas” de seu speeder.

Fogler então detalha o processo da seqüência da Starkiller Base, desde a concepção gráfica dos túneis da base espacial até os diversos templates que criam neve, rochas e uma superfície fotorrealista. A presença dos X-Wings também gera uma discussão interessante, com Fogler elaborando sobre a fluidez dos movimentos e o visual individual de cada um (como o caça preto de Poe). Então, o supervisor gera algumas risadas ao dizer que a parte mais divertida do trabalho de efeitos visuais é destruir as coisas, e então explica o processo de implosão da Starkiller.

O painel então exibiu mais uma vinheta de brekadowns de efeitos visuais, servindo como a finalização do mesmo. O empolgado Dan Fogler agradeceu à presença de todos e provocou os fãs ao prometer que estes poderiam ver mais de seu trabalho em algumas semanas, com a estreia de Rogue One: Uma História Star Wars.

Comente!