Dia vs Noite, TWD vs GOT, DC vs Marvel, BvS vs Guerra Civil, Xbox vs Playstation, Flamengo vs Fluminense, Android vs iOS, McDonalds vs Burger King, Nerd vs Nerd, Fanboy vs Fanboy.

O multiverso nerd é pautado por discussões intermináveis e, geralmente, extremamente redundantes. Mas com toda a certeza a gente adora aquela treta cósmica para provar que um lado é melhor que o outro – mesmo que o único convencido na discussão seja você mesmo. Analisando essa treta tão peculiar, decidimos trazer um pouco desse espírito “saudável” de discussão para o nosso site.

Sejam bem-vindos ao Cine Vinil! Calma, antes de soltar os cães nos comentários, entenda nossa proposta. Os discos de vinil foram um dos itens mais amados para reprodução de arquivos sonoros. Sua grande peculiaridade eram os lados A e B. O lado A era utilizado para gravar os hits comerciais das bandas, músicas mais populares. Enquanto o Lado B era mais voltado para canções experimentais ou mais autorais.

No caso, nos inspiramos pelos lados opostos do mesmo “disco” – de uma mesma obra. Serão dois artigos: o Lado A, que contém a opinião positiva, e o Lado B, com a versão negativa. Os autores, obviamente, serão distintos, e escolherão 5 pontos específicos da obra para justificar seus argumentos.

PORÉM. 

Está é uma edição especial do Cine Vinil. A primeira da recém-inagurada Limited Edition, onde proporcionaremos alguns debates diferentes. Nesta primeira seção, uma das maiores discussões do mundo nerd será colocada em pauta: quem é o melhor Homem-Aranha dos cinemas? Tobey Maguire ou Andrew Garfield?

Explicado o conceito, nós lhes desejamos aquela ótima discussão para defender o seu lado favorito! Quem ganhou? Lado A ou Lado B? Que a treta perfeita comece!

Atenção aos spoilers.

Lado A

Por Raphael Klopper

Nerd de verdade

Sendo a primeira adaptação do personagem, Sam Raimi voltou seu olhar para o perfil clássico de Peter Parker: o nerd dos anos 60. Inteligente, de óculos grandes e com um comportamento bobalhão, Tobey Maguire encarna com perfeição o estereótipo do nerd old school, socialmente esquisito e solitário, apaixonado pela garota bonita e popular da Mary Jane Watson de Kirsten Dunst. Mas sem nunca cruzar a linha do clichê ou cartunesco que essa sua personalidade poderia ter, e nos faz crer que seu Peter Parker é um ser humano real como qualquer outro, e seus sentimentos dos mais puros possíveis.

Torcemos por ele

Maguire foi o intérprete do Aranha que mais acertou em um aspecto crucial: simpatia do público. Seu Parker é tão loser e bonzinho que o espectador está todo o tempo torcendo por ele, vide sua bússola moral correta e carismática; mesmo quando ele está errado, como quando desafia Tio Ben e acaba ofendendo-o, o público entende seu ponto de vista. Quando ele finalmente aprende a usar seus poderes pela primeira vez e aos poucos se tornar um herói, o expectador vibra em emoção e orgulho por ele. E quando Peter enfim é capaz de vencer, de derrotar o vilão ou enfim beijar sua amada Mary Jane, o espectador se sente vingado, e feliz pelo personagem. Alguém sente qualquer simpatia pelo Peter Mala do Garfield que tira sarro de tudo e todos? Eu, hein.

Drama melhor estabelecido

Impressiona como no decurso de 6 anos que durou sua excelente trilogia, Sam Raimi e o roteirista Alvin Sargent souberam tão habilmente costurar a perfeita jornada do herói para o Peter Parker e Homem Aranha de Maguirre, passando por todas diferentes e complexas fases. O brilho e encanto, junto do reconhecimento de suas responsabilidades do primeiro filme; a auto-aceitação de seu papel como herói do segundo; e o confronto com as consequências de seus atos, desejos e decisões de seu imperfeito mas bom terceiro filme. Tantas camadas inseridas dentro de uma história verdadeiramente dramática, tão íntima e pessoal sobre o amadurecimento de seu Peter Parker de um garoto rumo a se tornar um homem, O Homem Aranha!

Melhor uniforme

Aqui não tinha serviço de entrega Tony Stark encomenda não, e nem Internet pra ajudar no design como um bom nerd moderno de Garfield fez. Aqui era no tato, costura e emenda raiz, Maguirre criando sua armadura de tecido heróico usando sua mente e próprias mãos para se tornar o verdadeiro Aranha Humana, digo Homem Aranha! Sem deixar de mencionar o quanto os traços do traje de Maguirre tem um toque moderno encorpado na fisionomia e visual que parece ser um bom coágulo de mistura de cores de vários anos de diferentes encarnações do herói nas HQs. Enquanto as origens do uniforme partem das origens mais antigas das HQs originais de Stan Lee. É apenas um uniforme perfeito que cumpre seu papel de nos dar um visual antológico para o herói!

Um Verdadeiro Herói

Alguém que desiste de ficar com a mulher que ama para ser o Aranha; alguém que quase quebra todos os ossos do corpo para parar um trem e salvar pessoas inocentes; alguém capaz, apesar de tanta dor e sofrimento, de perdoar aquele que tirou a vida seu ente querido. Esse é o Homem Aranha de Maguirre! O herói que não foi destinado através de seus genes para se torna-lo como Garfield, ou Holland que foi escolhido a dedo e luta para se provar um digno Vingador ao mesmo tempo que ajuda pessoas no seu bairro. Maguirre foi o Peter Parker que assumiu as forças que lhe foram recaídas e a usou apenas como seu tio lhe ensinou com a frase de grandes poderes e grandes responsabilidades já tão bem conhecidas. E assim se tornou o Homem Aranha mais puro, fiel, corajoso e fiel a sua essência humana “quadrinhesca”, que o cinema teve até hoje!

Clique aqui para ler o LADO B.

Comente!