» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Quando a Segunda Guerra terminou, foi criada a ONU, um acesso à comunidade global para resolver seus problemas sem uma outra pancadaria generalizada. Dentro da ONU, diversos órgãos foram criados para cuidar de temas específicos, aí incluso o famigerado Conselho de Segurança, com a presença dos cinco países mais militarmente relevantes ao término do conflito. A ideia era haver um grupo que debatesse quando era necessário, decidindo os procedimentos de qualquer tipo de intervenção militar em qualquer parte do globo. Basicamente, determinando quando eles fariam o que fosse necessário para garantir os “direitos” das pessoas envolvidas em um conflito. O que quer que se possa dizer sobre o sucesso ou o fracasso desse órgão, trata-se, objetivamente, de um grupo de pessoas que você não conhece, nem nunca viu, com o poder de decidir se é necessário ou não mandar sua cidade pelos ares. Tudo para garantir os seus “direitos”.

Authority

Desde a criação do Superman como o “herói do povo” em 1938, os super-heróis sempre foram uma forma de catarse e/ou extrapolação da realidade. Uma hora ou outra, alguém ia trazer ao mundo das máscaras e capas a ideia de como seria um grupo de poder quase ilimitado, agindo arbitrariamente para nos salvar de ameaças externas ou internas, mesmo que isso custe a destruição de algumas cidades inteiras e alguns milhares de vidas. Pois bem, depois de tentativas mal sucedidas de outra editoras (uma delas extinta, felizmente), a Panini relançou agora no Brasil o encadernado do grupo criado pelos geniais Warren Ellis e Bryan Hitch, explorando essa assustadora ideia: The Authority.

Authority

Warren Ellis

O grupo foi criado a partir dos restos de outro grupo, o Stormwatch, um produto típico e característico do selo Wildstorm. O título seguia a linha de sucesso (ao menos de início) proposta pela Image de Todd McFarlane e Jim Lee no início dos anos 90: descerebrado, com ação e violência exageradas, mulheres hipersexualizadas e cores chapadas, esse modelo se desgastou rapidamente, capengando já no final da década, junto com as próprias editoras, e sustentando-se apenas nos títulos de maior sucesso, como Spawn. Assim, era hora de novas reformulações, ou enfrentar a degola. Para a felicidade dos fãs da série, o gênio em ascensão Ellis, no seu período mais prolífico, assume o título a partir do #37, então uma pequena revolução aconteceu. Não que o Stormwatch ainda tenha ido muito longe, mas os sobreviventes do grupo migraram para a visão mais radical do roteirista.

Authority

O mais interessante sobre a proposta política explorada por Ellis em The Authority, nos dois primeiros arcos apresentados neste primeiro volume, Sob o Círculo e Transnaves, é que eles foram lançados em 1999, ou seja, antes dos ataques de 11/9 em Nova York. Então, quando vemos o grupo comandado por Jenny Sparks, cuidadosamente batizada de “o espírito do século XX”, invadindo deliberadamente nações estrangeiras ou simplesmente apagando-as do mapa, sob a desculpa de “defender a humanidade”, é inevitável celebrar a genialidade e a capacidade de observação política do autor. De certa forma, Ellis capturou o zeitgeist perfeito do mundo real, onde um planeta política e culturalmente polivalente já havia dado a entender que o neorrealismo estava correto, e no final das contas um governo mundial era praticamente impossível. Inclusive no mundo dos super-heróis, onde o posicionamento passivo e reativo de super-grupos – como a Liga da Justiça – não se sustentava em um mundo onde calamidades surgiam na mídia moderna todos os dias a granel.

Authority

A comparação com a Liga da Justiça não é feita levianamente. O Authority de Ellis é, na verdade, uma metáfora sócio-política da Liga, mas sob a forma de uma faculdade crítica ostensiva, nem um pouco sutil. O escritor proporciona um excesso de liberdade de ação ao seu super grupo que acaba se tornando muito mais natural e fluido, diante do prisma da realidade representado por órgãos como o Conselho de Segurança da ONU e da Guerra do Iraque perpetrada por Bush. Pois dentro do contexto dos super-heróis, exige muito mais imaginação e esforço de crença para acreditar que um homem capaz de devastar cidades inteiras de criminosos sozinho, como o Superman, vai se limitar a sorrir e mandá-los para a cadeia, do que acreditar que ele vai de fato devastar essa cidade sozinho, garantindo a “segurança” dos “inocentes”, como o autor nos mostra nos dois arcos do encadernado. É a revolução dos super-heróis de Moore e Miller nos anos 80 levada ao extremo por Ellis no final dos anos 90. Se os Watchmen de Moore estavam a sombra da sua máxima opus Quis custodiet ipsos custodes?o Authority de Ellis diz simplesmente “Foda-se essa porra toda.”

Authority

Isso fica muito bem representado na subversão sutil representada pelos componentes do grupo. Jenny Sparks, a líder, é uma pessoa profundamente dedicada a defesa e salvação do mundo. Mas sua posição, que deveria pressupor um humanismo acentuado, acaba revelando na personagem um utilitarismo que beira a frieza. Matar alguns milhares para salvar milhões? Sem problema. Interferir diretamente na soberania dos países para garantir a “segurança” do planeta? É com ela mesma. Sparks é uma espécie de mistura de Kenneth Waltz, teórico do neorrealismo, com Peter Singer, filósofo utilitarista: fazer o que é necessário para “garantir o bem maior”, e a única maneira é possuindo um poder de fogo superior a todos os outros.

Falando nesse poder de fogo, ele cobre todas as bases: tem magia (o Doutor), tem tecnologia (a Engenheira), tem agentes sutis (o Meia-Noite e Swift) e tem força bruta (Apolo e Jack Hawksmoor). Além dos protagonistas, há também o veículo/quartel-general deles, a Balsa. Um recurso criativo e divertido criado por Ellis para facilitar o deslocamento do grupo que age em escala global, a Balsa flutua pelo chamado “plano devachânico”, estando ao mesmo tempo em todos os lugares e nenhum. Todos os adidos são usados com eficiência por Sparks na defesa do mundo, mas claro que, se o poder de fogo é imenso, os danos colaterais também são. Apolo, um análogo do Superman, é usado como uma bomba nuclear; onde ele luta, nada fica em pé. Isso importa para o Authority? Desde que o resultado pretendido seja alcançado, nem um pouco. Se nós aplicássemos a escala F, criada por Adorno para medir níveis de fascismo, individualmente em cada personagem, talvez os resultados não fossem grande coisa. Mas como grupo, eles estourariam a medida.

Authority

Apolo, aliás, que também apresenta outra das deliciosas subversões colocadas por Ellis nos seus personagens. Embora isso só tenha se tornado explícito posteriormente, na fase do Authority comandada por Mark Millar e Frank Quitely, Apolo e Meia-Noite, um óbvio análogo do Batman, já dão indícios nesse primeiro volume do seu relacionamento homossexual, o que se pretende ser uma singela afronta a esses ícones da virilidade americana. Como colocar John Wayne e Clint Eastwood para dar uns amassos. Mas como o foco desses primeiros arcos é mais político e militar, esse é apenas um detalhe implícito.

Outros não são. Junto com a pintura étnica deliberadamente preconceituosa e maniqueísta de Kaizen Gamorra, terrorista enfrentado pelo grupo no primeiro arco, e a “nobre” cultura europeia imperialista de estrupro do déspota de uma Terra alternativa, nos tornam muito clara a mensagem de Ellis: a visão que a cultura ianque-europeia sustenta de outras culturas ao redor do mundo, e a política ultraconservadora escolhida por americanos e europeus para lidar com elas – mantê-las submissas a sua própria visão de mundo ou destruí-las. Um cara como Fukuyama, teórico ultraconservador moderno, ou apenas um racista imbecilizado como Bolsonaro, devem ler Authority aplaudindo as escolhas do grupo e a visão propositalmente dualista da HQ de pé, enquanto Ellis ri em algum lugar.

Authority

Bryan Hitch

Toda essa profusão de detalhes não seria possível sem a caneta precisa de Brian Hitch. O desenhista, conhecido pelos seus atrasos e a demora na conclusão das páginas, aqui já nos demonstrava porque vale a pena espera-lo. Cada página é um quadro, onde as minúcias e detalhes pontuais estão espalhados as pencas, o que dá a proposta narrativa ousada de Ellis toda a dimensão e profundidade visual que ela merece. Seja nas ilustrações de combates apoteóticos em larga escala, seja nos combates individuais regados a tripas e sangue, ou tão somente das expressões e emoções dos personagens, seu desenho – naquela época, com uma influência maior de Alan Davis – é sempre sóbrio e claro e, quando necessário, épico e ostensivo na mesma medida. Desde quando Authority foi lançado, Hitch mantém o mesmo padrão cinematográfico e evoluiu no detalhismo realista, observado também no seu maior sucesso Os Supremos. Não é exagero dizer que ele talvez seja um dos melhores desenhistas da atualidade, fazendo do relançamento de Authority uma boa oportunidade de conferir o seu talento*.

*(Também publicamos um vídeo onde Bryan Hitch comenta seu processo de criação da narrativa!)

Authority

Sobre o encadernado em si, alguns elogios e uma consideração. A Panini nos entrega um volume com capa cartonada e papel de alta qualidade, o que é uma decisão compreensível e acertada, porque mantém a qualidade da visualização dos quadros e, ao mesmo tempo, mantém um preço acessível. Embora a edição da Devir fique um pouco mais bonita na estante, o fato de a edição da Panini ser mais barata sem perder a qualidade de impressão é bastante piedosa com o bolso do amigo leitor. A única ressalva é que, como se trata de uma edição longe das bancas a um tempo, seria interessante se ela viesse com mais extras. O encadernado conta apenas com um board de Hitch. Mesmo assim, nada de grave e vale o preço pedido.

Authority, quando foi lançado, causou um breve abalo no mundo dos quadrinhos. Nunca antes havia sido mostrado, de maneira tão bem feita, como a existência um grupo de heróis extremamente poderosos afetaria a geopolítica do planeta. Isso nos faz – objetivamente – refletir sobre a concentração de poder nas mãos de certos grupos ou certas pessoas que existem no mundo real. Assim como muitos políticos e órgãos globais, o Authority deseja ser a mudança que torna o mundo melhor e mais seguro.

E sua mensagem é clara: nós somos a autoridade superior. Mude ou morra!

Via: Formiga Elétrica

Comente!