» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Não há mais necessidade de se delongar nos atributos técnicos de Better Call Saul, afinal, chegamos na metade da temporada e desde a direção de arte favorecida nos planos abertos que serve a um simbolismo narrativo até a engenhosa fotografia que já estamos acostumados a parabenizar. A série que mesmo sobre o total silêncio acrescenta alguma qualidade narrativa, em Chicanery utiliza o inverso, abusa do roteiro e das atuações e mesmo em um esquema quase teatral entrega o que propõe desde o começo da temporada.

Better Call Saul é, sem dúvida nenhuma, uma série que cumpre suas expectativas e, para o público, isso é ótimo.

O episódio começa com um flashback, uma cena antiga, ainda com a relação amigável entre os irmãos, planejando o encontro entre Chuck (Michael McKean)  e Rebecca (Ann Cusack). Ele, beirado pela vergonha de sua situação de saúde, esconde, com o auxílio do irmão, tudo que pudesse fazer que Rebecca o julgasse. Jimmy (Bob Odenkirk) logo avisa que uma mentira grande assim seria difícil acobertar, uma frase que teria um sentido mais amplo ao fim do episódio. O jantar não termina bem, o telefone de Rebecca, ignorante ao conhecimento da saúde de Chuck, toca e ela atende. Há um balançar da câmera que aproximava e afastava de Chuck ao modo que a própria Rebecca aproximava e afastava com o telefone do personagem, além de um efeito interessante demonstrando os sentidos de Chuck com a eletricidade.

O episódio por completo é uma longa sequência de tribunal e por isso se utiliza bastante do elenco para manter o ritmo; da montagem que faz a câmera passear entre os personagens e atribuir uma tensão e suspense; do roteiro que emprega diálogos ágeis e inteligentes sem recorrer a explicações absurdas. Se a primeira parte, que envolve o confronto entre Kim Wexler (Rhea Seehorn) e Howard Hamlin (Patrick Fabian), não é tão empolgante, o rito final do episódio reverbera o entusiasmo que temos dentro da série.

E é a condução que leva o episódio até aquele rito final. Brinca com a dúvida que tínhamos a cerca de um personagem. Brinca com a ideia de até onde Jimmy iria, talvez movido por uma vingança? Ou apenas pela garra de se manter como advogado e se não submeter às malezas do irmão.

É interessante que, ao mesmo tempo que a série vai construindo pistas, não entrega tão facilmente o plano. Se temos a sequência inicial que não possui até naquele momento encaixe com a série e uma cena futura que vemos um conhecido personagem de Breaking Bad se encontrando com Chuck, observamos que ambas se encaixam perfeitamente na sequência final. Se parece que Jimmy está perdido em suas perguntas contra Chuck e demonstra fragilidade perante a solidez que a testemunha demonstra (e é notável como ambos os atores caracterizam muito bem isso), logo percebemos que não passa de uma bela prática advinda da arte da guerra, se fazer pequeno quando possui uma arma forte.

No momento da conclusão do plano, a descoberta que Chuck talvez não tenha a alergia a eletricidade, mas apenas uma reação de pânico, uma questão de saúde mental. Quando vemos o velho irmão caindo na armadilha de Jimmy, na frente da mulher que ama, o movimento da câmara é levá-la próximo do ator, não para aproximar o público do personagem, mas para cegá-lo, para afogá-lo em seu próprio pânico. Vemos Chuck se descontrolar, o vemos deixar a racionalidade e a frieza que sempre o opôs e se desmoronar. Da mesma forma, a câmera se afasta quando Chuck percebe o que aconteceu e se restitui em sua postura.

Em um episódio simples, dentro de um cenário de tribunal, com o foco maior nos diálogos e nas atuações, Better Call Saul tem seu melhor momento na temporada. E desse momento que a série se encontra, há a confiança de que o inocente Jimmy, que não teve coragem de olhar no rosto do irmão ao dar a última facada de seu plano, vai perdendo os laços que ainda o prendiam em seu caráter e ingenuidade.

Better Call Saul – 03×05: Chicanery (Idem, EUA – 2017)

Criado por: Vince Gilligan, Peter Gould
Direção: Daniel Sackheim
Roteiro: Gordon Smith
Elenco: Bob Odenkirk, Rhea Seehorn, Michael McKean, Patrick Fabian, Ann Cusack
Emissora: AMC
Gênero: Drama
Duração: 50 min

Confira AQUI nosso guia de episódios da temporada

Comente!