É ótimo quando uma série consegue nos dar uma grata surpresa mesmo esta surpresa sendo algo já esperado. Mesmo já sabendo que a série apresentaria tal personagem, é ótimo, seja nesse episódio ou de qualquer outra série, faz de forma inesperada. Talvez seja isso que falte aos prequels atualmente, construir algo já esperado de forma a surpreender o público. E olha, Better Call Saul fez isso tão bem.

Depois do, talvez, o melhor episódio da série (Chicanery), Off Brand é um episódio que termina algumas jornadas (ou melhor, dá um intervalo em algumas) e dar início a alguns conflitos. Mesmo com ritmo diferente do seu antecessor e não tendo o brilho o narrativo do mesmo, o episódio é satisfatório, principalmente devido a seus minutos finais.

O embate entre Jimmy (Bob Odenkirk) e Chuck (Michael McKean) desenvolvido na temporada parece ter chegado a uma conclusão. Chuck em caída após ser humilhado perante os amores de sua vida, Rebecca (Ann Cusack) e o tribunal, parece desacreditado e se apresenta quase inutilizado, sai caminhando pelas ruas, enrolado no cobertor de papel alumínio, com o olhar furtivo, uma bela caricatura da derrocada do personagem. À parte de Jimmy falarei mais adiante.

Diferente dos demais episódios, não se mantém em um ou outro núcleo narrativo, Off Brand apresenta todos os núcleos existentes até então. Se Jimmy e Chuck parece estar encerrando, um fermento explosivo parece iniciar entre Nacho (Michael Mando) e Hector Salamanca (Mark Margolis). De um lado, é posto a insatisfação de Nacho com o tio, mesmo sem a necessidade de discordar, o jovem consegue exprimir em sua linguagem corporal todo o descontentamento com o chefe. Por outro lado, Hector vai cumprindo sua imposição com Gus (Giancarlo Esposito), a soberba e orgulho do personagem se mantém no episódio, a sua intensidade acaba fomentando o distanciamento do sobrinho com as práticas do grande vilão.

E, mesmo a série não prolongando a narrativa de Gus e Mike (Jonathan Banks), eles aparecem no episódio. Em uma rápida cena envolvendo Nacho, temos um vislumbre de Gus que, passivamente, aceita as imposições de Hector representadas pelo sobrinho. Em outra cena, o envolvimento de Mike e a ex-mulher do filho, que a cuida como uma filha em uma relação mais próxima e mais sentimental.

E se o episódio até então não apresentava uma ambição maior, é porque guardou sorrateiramente a sobremesa para depois. Como prometido, se de um lado Chuck estava caído, do outro Jimmy revigorado. Até em sua postura, ao negar ajuda ao irmão, pela primeira vez na série, já dava sinais para uma mudança de comportamento. E como já sabíamos, como um breve aviso da metamoforse que se passava, Jimmy se despiria da inocência e ingenuidade e vestiria as caracterísitcas, mesmo caricaturadas, de Saul Goodman. Em um momento da série isso chegaria. E chegou.

Com afastamento de 1 ano da advocacia, precisaria experimentar outros cenários para conseguir sobreviver e pagar tanto o lugar em que estar como sua secretária. Resolve entrar no mundo da propaganda, afinal, algo que Saul Goodman fazia muito bem era seus comerciais. Primeiro vemos Jimmy tentando convencer um casal para filmar uma comercial e conseguir mandar para o ar naquela mesma tarde por alguns trocados. Jimmy precisa de dinheiro e precisava vender mais comerciais, para isso, foi tido a ideia de se fazer um comercial para vender comerciais.

Mas não seria interessante que Jimmy, o advogado, participasse do comercial, testando cada um dos técnicos que estavam ali. Não satisfeito com nenhum, resolve ter a ideia de se fantasiar para parecer outra pessoa. A condução desse momento que aparentemente se referia apenas a uma nova atividade de Jimmy e basicamente um novo desafio para o personagem. Veríamos Jimmy o publicitário e não tanto o advogado.

E é na cena final, nos últimos minutos da série, acompanhado de Kim (Rhea Seehorn), sentados no sofá, assistindo ao comercial como se assiste a um filme de entretenimento, sem muitas especialidades ou truques audiovisuais para o momento, vemos Saul Goodman (Bob Odenkirk) nascer. Literalmente e de forma divertida, como o personagem. O alter ego de Jimmy nascera como um diretor de comercial para sobreviver a um ano longe da advocacia. Admito que não era o esperado, mas admito também que foi surpreendente. Justamente por ter utilizado de um anti clímax para dar procedimento a narrativa. Agora, sem voltas, Saul Goodman é devidamente apresentado a série.

Mesmo em um episódio mais morno, algo esperado já devido à grandiosidade do seu anterior, a série nos presenteia com o importante personagem em seus arquétipos e calmamente avança a narrativa sem estagná-la ou enganar o seu próprio público. Está chegando a hora de nos despedimos de Jimmy McGill e de dar boas vindas a Saul Goodman.

Pois bem, seja muito que bem vindo, Saul.

Better Call Saul – 03×06: Off Brand (Idem, EUA – 2017)

Criado por: Vince Gilligan, Peter Gould
Direção: Keith Gordon
Roteiro: Ann Cherkis
Elenco: Bob Odenkirk, Rhea Seehorn, Michael McKean, Michael Mandon, Mark Margolis, Giancarlo Esposito, Jonathan Banks, Patrick Fabian, Ann Cusack
Emissora: AMC
Gênero: Drama
Duração: 50 min

Confira AQUI nosso guia de episódios da temporada

Comente!