» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Com a ascensão inevitável da II Guerra Mundial, os estúdios Walt Disney voltaram-se para a produção de curtas-metragens animados e didáticos como forma de conscientizar a população acerca da ideologia nazi-fascista que se alastrava pela Europa e que ameaçava cruzar os oceanos e invadir a América. Não é nenhuma surpresa que o grande magnata do entretenimento tenha se afastado de suas grandes produções cinematográficas como Pinóquio e Dumbo para focar em uma vertente mais cômica e que apresentasse um nacionalismo exacerbado com o intuito de abraçar os países vizinhos e conseguir aliados para um futuro certamente polarizado – e é justamente aí que personagens como Zé Carioca e Panchito, representando países latinos como Brasil e México.

Eventualmente, a companhia enfrentou uma de suas piores crises financeiras ao perceber o parco sucesso iminente que tais obras faziam, ainda que realizadas com maestria notável; suas narrativas inclinavam-se a investidas documentais ao invés de resgatar o sobrenatural e o fantástico de outras histórias, e acabaram funcionando como tapa-buracos de uma época em que o escopo socioeconômico girava em torno da questão bélica – e os recursos eram disponibilizados para os soldados e para as tropas aliadas que embarcavam em uma jornada de vida e morte. Com o fim da segunda Grande Guerra, Disney conseguiu canalizar os seus esforços mais uma vez para a adaptação de clássicos da literatura mundial e então realizou um de seus grandes longas-metragens que salvarão a companhia de ceder à ruína total: Cinderela.

Baseado no conto de Charles Perrault, a trama principal gira em torno de uma pobre moça que vê sua vida mudar bruscamente após a morte do pai, a partir da qual é diminuída para o patamar de uma açoitada empregada doméstica que vive à mercê das compulsões mandatórias de suas duas meias-irmãs mimadas e de uma cruel madrasta que consegue encarnar o próprio demônio quando quer. É claro que o grupo de roteiristas não adaptou na íntegra tal tour-de-force, mas conseguiu absorver seus pontos principais para criar um mini musical que inclusive possibilitou a insurgência de um dos hinos mais conhecidos desse panteão animado – A Dream Is a Wish Your Heart Makes, cuja tradução resgata todo o sentimento de esperança que foi perdido durante os árduos anos da guerra, além de fornecer uma perspectiva floreada para a próxima geração a consumir os produtos audiovisuais.

É claro que tal narrativa segue o mesmo padrão utópico de Branca de Neve e os Sete Anões, baseando-se em uma fórmula que funcionaria por várias décadas até chegar a uma contemporaneidade assertiva e que não mais dialogava com os valores e as morais defendidas por uma sociedade conservadora. Mesmo assim, Cinderela representa um grande avanço em termos de construção de personagem, se afastando, mesmo que a passos curtos, de um excessivo floreio estereotipado de suas princesas para lhe dar um senso um pouco mais crítico do que acontece a seu redor. Obviamente a personagem-título aceita o seu lugar dentro do imenso casarão, mas por falta de perspectiva futura até que um certo acontecimento lhe dá uma chama de esperança.

O trio de diretores por trás da animação, formado por Clyde Geronimi, Wilfred Jackson e Hamilton Luske, faz questão de aprender com os erros do passado e conseguir arquitetar em pouco menos de oitenta minutos algo conciso e que seja muito equilibrado para cada um de seus personagens. Em outras palavras, os inúmeros coadjuvantes têm o seu protagonismo e o seu momento de brilhar, sem serem esquecidos ou colocados de lado – e é justamente aí que entram figuras antropomorfizadas como os memoráveis ratinhos Jaq e Gus, representando os reais amigos de Cinderela e seus fiéis ajudantes. Até mesmo Bruno, o cachorro, tem um arco interessante quando colocado ao lado de um dos antagonistas, o gato Lúcifer – cujo nome conversa diretamente com sua personalidade evasiva e mesquinha.

Sem dúvida alguma, os maiores créditos residem na criação dos arqui-inimigos de nossa protagonista. Mais uma vez, é possível notar um claro afastamento dos maniqueísmos de Branca de Neve, no qual a encarnação da Rainha Má seguia apenas uma linha e tinha um objetivo infundado de apenas “tornar-se a mais bela do Reino” – ora, nem mesmo um nome ela tinha, caracterizando-se como uma personalidade intangível. Aqui, por outro lado, temos as insuportáveis Drizella e Anastasia – que também arrancam algumas risadas e alguns suspiros de ódio -, comandadas pela terrível Lady Tremaine. A matriarca da família é mais uma prova da quantidade de esforço exercido pelas mentes criativas dos estúdios Disney para vilãs e vilões, tentando colocar-lhes em um arco consideravelmente inteligível e que se afaste dos clichês convencionais dos contos de fada: ela é graciosa, refinada e mesmo assim não tem papas na língua quando desmerece ou menospreza todo o trabalho que sua enteada faz na casa, influenciando suas próprias filhas de sangue a acabarem com os sonhos da pobre jovem de ir ao baile real.

E é claro que não podemos nos esquecer de uma das personagens mais lidas e relidas de todos os tempos – a adorável fada-madrinha, que não apenas tornou-se o grande arquétipo conselheiro da trama, como foi levada para inúmeras animações posteriores da companhia. Aqui, a não-intitulada feiticeira utiliza de sua boa vontade para conceder uma chance de mudança para Cinderela ao, através da alegre e otimista Bibbidi-Bobbidi-Boo, transformá-la em uma verdadeira princesa e lançando a tendência narrativa conhecida como rags-to-riches (dos trapos à riqueza, em tradução livre), que serviria de base para inúmeros coming-of-ages do Cinema.

A animação também excede no quesito técnica: após várias tentativas de tornar a rotoscopia o mais natural possível, essa nova investida consegue fundir os cenários prontos e os desenhos adicionados em camadas similares e que permitam outras brechas, incluindo a manipulação da grandiosidade das sequências e das ambiências principais. Em diversos momentos, os enquadramentos prezam pela opulência e pela majestuosidade em contraste com a pouca animosidade de seus personagens mais ricos, os quais estão mergulhados em um ciclo de superficialidade constante que deseja mais o status social que qualquer outra coisa.

Em suma, Cinderela pode ter os seus problemas de representatividade – como já é de praxe dentro da Disney -, mas não podemos negar que traz uma narrativa envolvente e que nos devolve pouco a pouco algo que vários de nós perdemos ao longo do tempo: a capacidade de sonhar e de acreditar em um futuro mais próspero.

Cinderela (Cinderella, EUA – 1950)

Direção: Clyde Geronimi, Wilfred Jackson, Hamilton Luske
Roteiro: William Peed, Erdman Penner, Ted Sears, Winston Hibler, Homer Brightman, Harry Reeves, Ken Anderson, Joe Rinaldi, baseado no conto de Charles Perrault
Elenco: Ilene Woods, Eleanor Audley, Verna Felton, Claire Du Brey, Rhoda Williams, James MacDonald, Luis Van Rooten, Helene Stanley, Lucille Bliss
Gênero: Animação
Duração: 74 min

Comente!