» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Há spoilers!

O quinto episódio de Legion oficialmente nos deixa na metade final da primeira temporada, que começa a deixar o jogo mais claro… Só que não, já que os segundos finais literalmente oferecem uma puxada de tapete que não poderíamos ter imaginado chegando. Mas chegaremos lá em alguns instantes.

Chapter 5 começa alguns momentos após o final do anterior, com David (Dan Stevens) retornando com Syd (Rachel Keller) e seus amigos para o laboratório de Melanie (Jean Smart). Aqui, descobrimos que o genial Oliver de Jemaine Clement, que conhecemos no episódio anterior, é na verdade o marido da doutora, e que também é um telepata poderosíssimo – mas que encontra-se perdido no Plano Astral há mais de vinte anos; e o episódio já solta o gancho de que Melanie espere que David o traga de volta para o mundo real. E por falar no protagonista, ele parece mais seguro e à vontade com seus poderes, visto que agora é capaz de levar Syd para ilusões em sua mente, sendo livres para se tocarem, beijarem e fazerem tudo o que a mutação da jovem os impedem no mundo real.

Porém, as belas cenas do casal nesse imaginário fortemente colorido e em razão de aspecto 2:35.1 são interrompidas quando a personalidade de David começa a se alterar. É quando o roteiro de Peter Calloway começa a nos oferecer respostas e deixa mais claro o personagem do Demônio de Olhos Amarelos, que ora assume a forma carismática da Lenny de Aubrey Plaza (deliciosamente maléfica), ora traz a figura profundamente perturbadora de uma criatura grotesca e que assombra meus pesadelos toda noite. Através de Cary (Bill Irwin) descobrimos que a mente de David é afetada por um parasita, e que este fora implantado ali quando criança, e a entidade desde então vinha disputando o controle do seu corpo e eliminando vestígios de sua existência – em especial, as memórias esburacadas que a equipe de Melanie fora incapaz de compreender.

Quando Lenny convence David a ir resgatar sua irmã Amy (Katie Aselton) do esconderijo do Olho, Chapter 5 vira praticamente um filme de terror. E dos bons. A direção de Tim Mielants é fantástica na forma com que cria uma atmosfera misteriosa e pesada, já que não acompanhamos o ataque de David à instalação e o uso de seus poderes, seguimos o ponto de vista de Madeline e seu grupo, que chega ao local para encontrar corpos explodidos, com metades atravessadas em paredes, pisos e diversos sinais de uma carnificina; tudo acentuado pela fotografia que abusa do azul e das luzes piscantes para provocar uma inconstância verdadeiramente incômoda; como o arrepiante aviso de um moribundo Brubaker (David Selby em uma atuação fenomenal).

O momento em que Syd vai sozinha atrás de David é outro exemplo de condução de terror hábil, principalmente pelo design de produção que inteligentemente mergulha a grandiosa casa nas trevas, enquanto acompanhamos sua caminhada pelo cômodo em silêncio. De form similar, quando o grupo de Madeline enfrenta um nível sem absolutamente nenhum som, poderia jurar que a qualquer momento algo sinistro poderia acontecer, e até mesmo o proposital overacting de Bill Irwin ao tentar comunicar-se sem a possibilidade de falar acrescenta muito para esse efeito; aplausos também à decisão de Mielants em usar planos contra plongées e lentes grande angulares.

Então, o grande clímax que nos trouxe duas revelações ainda mais importantes. A primeira, é que Amy revela a David que ele fora adotado por seus pais; na primeira grande indireta à sua paternidade e Charles Xavier (me pergunto se teremos a presença do Professor de alguma forma aqui), para a grande surpresa do protagonista. Mas a surpresa é ainda maior quando seguimos Syd, que é perseguida pelo grotesco Demônio de Olhos Amarelos e acaba… Acordando em uma sessão de terapia na clínica de Clockworks, com todos os demais personagens – incluindo David, Ptonomy, Lenny e até o Olho – sentados em uma roda.

Isso quer dizer que Noah Hawley quer nos pregar uma peça. É o momento em que o espectador questiona se tudo o que vinha assistindo era apenas uma grande ilusão; um olhar pela mente de Syd ou David, que adaptou todos os eventos ao seu redor na narrativa que acompanhamos durante esses primeiros cinco episódios. Mas, e com as teorias da conspiração já brotando em diferentes sites, acredito fortemente que é apenas um truque da entidade parasita de David para enganar os personagens – meu argumento principal baseia-se que a terapeuta da roda é ninguém menos do que Aubrey Plaza.

Ou posso estar enganado e Legion simplesmente me fará correr em círculos em minha cabeça. Não seria a primeira vez, na verdade.

Legion – 01×05: Chapter 5 (Idem, 2017, EUA e Canadá)

Criado por: Noah Hawley
Direção: Tim Mielants
Roteiro: Peter Calloway

Elenco: Dan Stevens, Aubrey Plaza, Rachel Keller, Jean Smart, Bill Irwin, Jeremie Harris, Amber Midthunder, Bill Irwin, Katie Aselton, David Selby
Gênero: Drama, Ação
Duração: 50 min.

Comente!