» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Já é conhecida pelos fãs da série a habilidade da mesma em subverter espectativas. Aliás, subversão é a palavra-chave para compreendermos as motivações de inúmeros personagens neste terceiro ano. Após o primeiro episódio amarrar algumas das pontas soltas deixadas pelo final do segundo ano, esse segundo episódio enfim começa a desenvolver a trama deste terceiro ano,  mesmo que reserve algum tempo para as questões não-resolvidas do ano anterior.

Um dos aspectos marcantes da série são as montagens frenéticas ao som de músicas pop, que servem para refletir o interior de Elliot (Rami Malek). Nesse segundo episódio,  temos uma sequência da nova rotina diária do protagonista em seu novo emprego na E-Corp, ao som de New Sensation da banda INXS. Vemos nessa sequência que Elliot adotou uma nova estratégia na sua luta contra a corporação, tentando torná-la benéfica para a sociedade ao livrá-la de criminosos, como vemos numa das sequências mais cômicas de toda a série. As sobreposições de músicas pop às imagens da série como forma de externalizar a situação dos personagens ou para servirem apenas como recursos dramáticos sempre são acertadas e bem ritmadas.

A utilização de aspectos tecnológicos como recursos narrativos pela série é também sempre engenhoso e nunca banal. Neste episódio, em dois momentos, vemos Elliot no metrô enxergando os outros e a si mesmo como se fossem emojis, criticando a forma como, atualmente, as emoções não possuem profundidade (“2D emotions” ). Além disso, como o título do episódio deixa claro, o objetivo agora é ‘desfazer’ o que fora feito, e Elliot em seu cubículo, trabalhando como analista de segurança, mimetiza seu status do episódio piloto. Existe um sentimento de contra-revolução no protagonista.

Este segundo episódio avança a trama de maneira considerável. Descobrimos que Darlene (Carly Chaikin) está ajudando a oficial DiPierro (Grace Gummer) em sua investigação, fato este que a leva a trair Elliot, dando ao FBI acesso ao computador de seu irmão. Esta traição é logo percebida por Mr. Robot (Christian Slater), que a confronta e acaba alertando Elliot, que até então acreditava estar livre do seu alter-ego. Ocorre uma mudança na didática entre os dois habitantes do mesmo corpo: os antigos debates entre eles não mais existem. Agora, uma consciência não é capaz de interagir com a outra.

A série raramente romantiza seus acontecimentos, buscando emular um realismo brutal. Podemos constatar isso na forma como retrata as falhas de seus personagens e até as consequências de seus atos. Não existe evidenciação de uma construção dramática que trará consequências para seus personagens. A série deixa as motivações dos atos bastante visíveis, porém só vamos saber quais atos serão tomados quando eles são mostrados. Isso torna momentos impactantes como o assassinato de Joanna (Stephanie Corneliussen), esposa de Tyrell (Martin Wallström), ainda mais chocantes. Indo na contra-mão do defendido por Alfred Hitchcock, opta-se pela escolha de chocar o espectador ao invés de mantê-lo roendo as unhas de nervosismo.

A série encontra-se habilmente em um momento onde tudo pode acontecer. A construção de um jogo de gato e rato multilateral é acertada, contando com uma uma fotográfia cujos enquadramentos geométricos contrastam com ambientações repletas de sombras e cores frias , fazendo com que o espectador tenha a sensação de estar assistindo a um filme noir.

O final desse segundo episódio é bastante empolgante. Se anteriormente Elliot era visto por nós como um narrador não confiável e pouco ciente do que o envolvia, nos momentos finais temos a impressão de que ele está mais alerta que nunca. Ao enviar um vírus, o qual sabia que seria interceptado pelo FBI, revelando então a localização dos agentes responsáveis por seu monitoramento, Elliot invade o local no momento em que a agente DiPierro está lá. Ao fazer isso, Elliot inverte o jogo de gato e rato no qual estava em clara desvantagem.

Mr. Robot – 3ª Temporada, Episódio 2 (Mr. Robot: Season 3, Episode 2, Eua – 2017)

Showrunner: Sam Esmail
Principais diretores: Sam Esmail, Niels Arden Oplev, Jim McKay, Nisha Ganatra, Christoph Schrewe, Deborah Crow, Tricia Brock
Elenco: Rami Malek, Christian Slater, Portia Doubleday, Carly Chaikin, Martin Wallström, Frankie Shaw, Bruce Altman, Ben Rappaport, BD Wong.
Duração: 49 min (cada episódio)

Comente!