» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Quando a década de 2000 estava chegando ao seu fim, o mundo desejava saber quem era Lady Gaga. Afinal, depois de marcar uma grande presença em 2008 com o lançamento de The Fame, a qual tornou-se uma das maiores estreias da história da música contemporânea, a crítica e o público estavam doidos para conhecer mais sobre seu background – afinal, tudo o que se dizia a respeito da cantora estadunidense não tinha base sólida: sabia-se sobre suas influências artísticas dos movimentos avant-garde, como Andy Warhol e a instauração do vigor pop art e o estilo transgressor da haute couture de Thierry Mougler. Mas era apenas isso. E seu primeiro álbum de estúdio apenas reforçou a assegurada imagem que tínhamos da artista, uma celebridade sedenta por suas próprias ambições e que tinha a capacidade de compreender as consequências de suas escolhas.

Entretanto, o que realmente podemos pensar de alguém que, repentinamente, abandona esses desejos para mergulhar nos mais profundos medos? Em uma terra governada pela saturação da autopreservação e da segurança, enfrentar aquilo que se mais teme é uma jogada perigosa, mas que requer coragem e equilíbrio psicológico. E é exatamente isso o que Gaga propõe com seu segundo disco, intitulado The Fame Monster – uma expansão muito bem arquitetada em relação ao primeiro, visto que a tradução “monstro” normalmente se refere àquilo que desconhecemos e que receamos.

O álbum se inicia com o medo mais puro e mais conhecido do ser humano – o medo do amor. Em Bad Romance, lead single do disco que recebeu inúmeros prêmios, a artista discorre sobre seus receios e seus anseios para um sentimento que lhe corrói cada vez mais. Conforme a narrativa segue, Gaga fala que ela quer se sentir amada, seja na tristeza ou na alegria, seja com todos os defeitos que seu par romântico tenha. Inclusive, é interessante notar como a letra da canção é visceral a ponto de chegar ao escatológico: desde que o interlocutor a quem se dirige mostre-se nu e cru, ela não se importa. Ela deseja amar, incondicionalmente, aquele que estiver disposto a aceitar uma relação de reciprocidade. Em uma batida que relembra os primórdios do synthpop, ainda acompanhado com a marca do electro de sua obra anterior, a composição musical atravessa uma progressão notável até explodir numa estrofe genialmente bem articulada.

Bad Romance é, sem dúvida, a faixa mais relembrada do disco, não apenas pela majestuosidade com a qual é composta, mas sim por suas referências. The Fame Monster é, muito mais que The Fame, uma jornada pelas fases da obsessão, agora do eu lírico por aqueles que lhe fascinam e lhe causam temor ao mesmo tempo. Suas alusões aos filmes de Alfred Hitchock, Psicose, Janela Indiscreta e Um Corpo que Cai (“I want your Psycho, your Vertigo shtick; while you’re on my Rear Window, baby it’s sick”), deixam claro que essa necessidade e essa fixação para com o outro é viciante e envolvente ao ponto de até mesmo funcionar como droga. E sua explicitação, ainda que choque, tem a capacidade de dialogar com qualquer pessoa que tenha passado pela mesma situação.

O frenético ritmo sofre uma brusca freada com Alejandro, uma continuação não-convencional e ao mesmo tempo compreensiva a compulsão amorosa: em uma arquitetura clássica, permeada ainda pelos acordes bruscos do teclado sintético, violinos surgem como pano de fundo para uma relação bem mais carnal. “Sei que somos jovens, e sei que você me amar. Mas não posso mais viver assim com você, Alejandro”: essa é a frase que abre uma poderosa canção sobre castidade, sexo, dominação e submissão. Aqui, Gaga é influenciada pelos homens que passaram pela sua vida, incluindo o personagem-título, que parecem forçá-la a entrar no inescapável círculo do prazer – e isso não apenas a deixa desconfortável, como ativa um gatilho de um passado conturbado e traumático envolvendo seu pai e sua inocência.

Monster, um título muito pertinente para a conjuntura do disco, é uma via de duas mãos e uma construção controversa interessante de ser analisada. Apesar da melodia suave e por vezes alegre, a narrativa fala sobre o medo dos homens. Constantemente referindo-se ao jovem pelo qual está apaixonada como “monstro”, Gaga compreende que ele tem um apetite voraz por seu corpo e até mesmo por sua mente (“Ele comeu meu coração, e comeu meu cérebro”). Uma associação que à prima vista parece boba, mas que esconde um desejo de controle acerca de uma pessoa: tê-la para si a qualquer custo, mesmo que isso signifique deixar as máscaras cair. Aqui, a batida techno permanece em um looping quase não perceptível e que, com os poderosos e ecoantes vocais da cantora, tornam-se agradáveis.

Apesar das investidas pessoais, a cantora conversa de forma generalizada com um público cuja principal característica é a fragmentação; uma personalidade marcada pelo bombardeio de tantas informações audiovisuais e literárias que fica difícil defini-lo com uma essência. E talvez essa construção, fruto de anos de experiências, seja ameaçada pelo medo à morte, reverenciada de forma trágica e melodiosa com Speechless, uma música que nos arremessa de volta para os anos 1980 e nos deixa presos em uma pequena cidade, solitários e à mercê de nossa própria ruína. E que melhor saída para a solidão que embriagar-se? Aparentemente nenhuma, visto que a suposta sequência para esse abandono emerge na deliciosa faixa So Happy I Could Die.

O segundo ápice do álbum vem com Telephone. A música é tão épica em seu sentido mais amplo que consegue transpassar por todos os acordes ao mesmo tempo em que traz uma história progressiva que acompanha todos os instrumentos e culmina em uma conclusão ainda mais emocionante e definitivamente satisfatória. A improvável continuação de Paparazzi não apenas remonta Gaga como a figura criminosa que faria de tudo para alcançar seus objetivos, mas também demonstra como ser controlada não é uma opção: ela deseja ser livre para fazer o que quiser, e não está sozinha para reafirmar seus ideias, visto que seu contralto mescla-se perfeitamente com a harmônica voz de Beyoncé.

Muitos podem considerar Teeth como a conclusão do álbum. Mas pessoalmente, digo que essa canção, apesar de envolvente nas primeiras batidas muito bem demarcadas, torna-se monótona – o que realmente a salva é sua letra, a qual gira ao redor de um momento de revelação e que conversa diretamente com o medo da verdade. Dance in the Dark, ao contrário, tem uma construção etérea, quase transcendental, adornada com os melhores componentes do synthpop e do techno house, bem como alguns despontes do glam: tudo para construir uma atmosfera emocionante caso prestemos atenção à narrativa, que tem como foco uma mulher que teme sua própria expressividade perante um relacionamento abusivo e controlador com alguém sem brilho e sem personalidade.

É inegável dizer que a persona por trás de Lady Gaga começa a dar às caras nesse corajoso retrato de seus traumas e receios. The Fame Monster é um claro avanço em sua carreira, que eleva seu nome para um patamar consideravelmente alto, além de dar abertura para novas e arriscadas tentativas que se provam dignas de aplausos.

Notas por faixa:

  • Bad Romance – 5/5
  • Alejandro – 4/5
  • Monster – 4/5
  • Speechless – 4,5/5
  • Dance in the Dark – 5/5
  • Telephone – 5/5
  • So Happy I Could Die – 4/5
  • Teeth – 3,5/5

The Fame Monster (Idem, EUA – 2009)

Gravadora: Interscope
Lead: Lady Gaga
Composição: Stefani Germanotta, Nadir Khayat, Nicolas Dresti, Beyoncé Knowles, Lazonate Franklin, Rodney Jenkins, LaShawn Daniels, Taja Riley, Fernando Garibay
Gênero: Pop, Electro Rock, Techno, Dance
Faixas: 08
Duração: 34 min.

Comente!