» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

No dia 15 de abril de 1912, um dos maiores transatlânticos a cruzarem os sete mares dizia adeus à sua breve existência no mundo. Oitenta e cinco anos mais tarde, a trágica história do RMS Titanic chegaria às telonas em um épico romântico dirigido por um dos maiores cineastas de todos os tempos: James Cameron, que firmaria mais uma vez seu versátil nome na indústria cinematográfica, afastando-se de sua zona de conforto sci-fi e entregando-se a uma narrativa inesquecível e emocionante que é relembrada por inúmeras gerações. Afinal, são poucas as pessoas que hoje desconhecem a epopeia de Jack Dawnson e Rose Dewitt, que lutaram através de inúmeros obstáculos para serem imortalizados nas geladas águas do Atlântico.

Apesar da estreia diretorial de Cameron ser esquecível por todos os motivos imagináveis, ele se mostrou extremamente competente ao levar ao público algumas franquias aplaudíveis por suas inovações ficcionais e técnicas, incluindo a continuação de Alien – O Oitavo Passageiro e O Exterminador do Futuro. Entretanto, engessá-lo em um único gênero é cair em uma falácia complicada e refutável – é claro, anos depois ele retornaria às suas raízes com o distópico Avatar -, e Titanic é a prova concreta disso. Aqui, ele cria uma mágica sobrenatural que se afasta dos melodramas convencionais ao mesmo tempo que se aproveita de elementos românticos para construir a relação dos personagens principais (e tudo isso é combinado ao mais refinado equipamento tecnológico para efeitos especiais e uma coesão cênica de tirar o fôlego).

Baseado em fatos reais, como supracitado, a diegese fragmentada gira em torno do navio de luxo que empresta nome ao título e foca em dois protagonistas de mundos diferentes, mas que compartilham de um amor à primeira vista inegável: Rose (interpretada pela incrível Kate Winslet), uma espécie de socialite que se recusa a seguir os passos da mãe e se casar por dinheiro, e Jack (Leonardo DiCaprio), um charmoso operário que consegue embarcar no transatlântico após vencer, de última hora, um jogo de cartas. O roteiro, também assinado por Cameron, faz bom uso do paralelismo para criar confronto entre os dois estilos de vida – um regido , em essência, pelo capital e pelo status, e outro movido pela liberdade e pela irreverência, ainda que maltratado pelas classes mais abastadas da sociedade. Eventualmente, o mundo dos dois se cruza, quebrando os rígidos padrões da época e abrindo margens para as aventuras mais apaixonantes do cinema.

Àqueles familiarizados com a história sabem que a expectativa é angustiante para observar como o diretor traduziria momentos de puro caos às telas; para os que não conhecem, acompanhar a jornada do duo é muito agradável à prima vista, até que forças externas começam a aparecer para impedi-los de ficarem juntos. Uma dessas forças insurge na figura de Cal Hockley (Billy Zane), prometido de Rose que faz de tudo para incriminar Jack e finalmente conseguir subir na vida. As outras, apesar de secundárias, também trazem certa dose de impacto e residem nas composições de Molly Brown (Kathy Bates) e Ruth Dewitt (Frances Fisher), mãe da heroína. Cada um dos coadjuvantes e antagonistas não é colocado ao acaso, mas sim como forma de aumentar a complexidade da obra e respaldar o arco até mesmo do gigantesco barco.

Essa multiplicidade de tramas não se restringe a 1912. Cameron obviamente não deixaria de colocar seus trejeitos e, por isso mesmo, nos transporta para os dias de hoje, focando vez ou outra em um grupo de pesquisadores que busca encontrar os destroços do RMS Titanic. A atmosfera científica logo vai de encontro à presença de uma idosa Rose (Gloria Stuart), que resolve lhes contar uma perspectiva pessoal e dolorosa – sim, é muito difícil não deixar escorrer algumas lágrimas com o desenrolar dos eventos e com as atuações impecáveis de cada membro do elenco. Aqui, aproveito para fazer menção à química mágica que DiCaprio e Winslet trazem ao filme, confluindo personagens tão opostos entre si para um único laço indestrutível de amor que nem ao menos ousa tangenciar a canastrice.

A obra encontra sucesso ao equilibrar o épico com o íntimo: as esferas acerca dos personagens passam por um processo sutil de “jornada heroica”, com todos os elementos clássicos já explorados por investidas anteriores; entretanto, elas se desenvolvem de modo mais fluido por estarem conectadas com uma realidade cruel e sem perspectiva de melhora – afinal, todos sabemos o destino que lhes aguarda. De outro lado, temos o impacto do transatlântico com o iceberg, coreografado primorosamente, e as tentativas falhas de salvar os passageiros, a tripulação e o próprio comboio náutico que não resiste aos estragos e afunda num ciclo de comoção generalizada que dura, na cronologia do longa, mais de duas horas. A partir dessa sequência, seguimos mais uma vez dois microcosmos diferentes que convergem para uma mesma necessidade quase primitiva de sobrevivência.

Não é apenas na narrativa que Cameron encontra terreno fértil; seu mergulho nas inovações imagéticas não é nem um pouco prepotente e realmente traz uma preocupação ímpar. Além de todos os efeitos fluidos e realistas que entrega a uma de suas obras-primas, ele se preocupa com a ambiência em todos os aspectos. Em colaboração ao diretor de fotografia Russell Carpenter, é possível diferenciar os dois principais momentos com os quais nos deparamos: os primeiros atos traduzem uma sensação onírica, quase transcendental, vivida pelos personagens, cujo simbolismo é materializado no uso de uma luz difusa e praticamente angelical que acompanha cada um dos protagonistas e coadjuvantes. O jogo de cores também é mais místico, mais aterrador, incluindo a cena em que Rose ameaça se jogar do parapeito e está tomada por uma construção azulada.

Logo depois, o aspecto de sonho é quebrado de forma brutal e nos traz para uma realidade irrefreável – o momento em que o difuso torna-se duro, pesado e cru: o início do naufrágio. Algumas das sequências podem parecer impossíveis, mas contribuem para a compreensão do que todos ali sentiam; caso não estivessem conformados com o destino, lutavam até as últimas forças para se manterem vivos. Não é à toa que a captura dos aspectos traumáticos e chocantes é primoroso e entristecedor ao mesmo tempo. Até a trilha sonora essencialmente caprichosa de James Horner abandona os floreios fabulescos para mergulhar no derradeiro princípio do fim.

Titanic é uma mescla entre épico, drama, romance e ação que funciona em todos os aspectos. Esse não é apenas um filme atemporal, como uma biografia em homenagem a uma das maiores tragédias de todos os tempos que também ajudou a fortalecer o nome de James Cameron e sua incrível capacidade de emocionar o mais cético dos espectadores.

Titanic (Idem, EUA – 1997)

Direção: James Cameron
Roteiro: James Cameron
Elenco: Leonardo DiCaprio, Kate Winslet, Billy Zane, Kathy Bates, Frances Fisher, Gloria Stuart, Bill Paxton, Bernard Hill, David Warner, Victor Garber
Gênero: Drama, Romance
Duração: 194 min.

Comente!