nota-2

Todos Envolvidos foi escrito para chocar e, com toda a certeza, cumpre essa finalidade. É um livro violento sobre os seis dias de caos que aconteceram em 1992, em Los Angeles. Na época, policiais foram absolvidos por agressão pelo espancamento de Rodney King, um taxista negro e desarmado, capturado em vídeo. Motins eclodiram na cidade: lojas foram saqueadas, motoristas assaltados e carros incendiados – alguns lojistas passaram a trabalhar armados para se protegerem dos ladrões e das bombas. Para restaurar a lei e a ordem, foi necessário chamar milhares de reservistas da Guarda Nacional e soldados federais. Durante os seis dias de tumultos são estimadas mais de 60 pessoas mortas e mais de 2.000 feridas. Embora seja ficcional, o livro é baseado nesses fatos e em alguns relatos de testemunhas oculares.

Mesmo sendo bem escrito, Todos Envolvidos pode desapontar alguns leitores, pois, para muitos, o período escolhido gera a expectativa de um livro que ajude a analisar e explicar as nuances socioeconômicas e raciais persistentes até hoje, e que levam não só a confrontos trágicos entre a polícia e os afro-americanos, mas também a um sistema judicial que parece se inclinar a favor da aplicação da lei sob qualquer circunstância.

Pode ser injusto com o romance atribuir tais objetivos, especialmente se essa não era a intenção do autor. No entanto, o título e a natureza ambiciosa do livro sugerem que o leitor não pode ser responsabilizado por ter tamanha expectativa. Todos Envolvidos tem 17 diferentes narradores em primeira pessoa, cada um dando um relato pessoal de algumas horas desses seis dias. Essa amplitude de vozes faz o leitor, ao ler a sinopse, aguardar por uma visão caleidoscópica e expansiva dos eventos, mas, ao invés disso, temos uma história surpreendentemente estreita e episódica que está faltando para este núcleo aparentemente vital – a narrativa praticamente se resolve antes da primeira metade e as dezenas de personagens restantes tornam-se descartáveis, já que, mesmo com tendo chances de serem explorados, não contribuem para praticamente nada pela falta de espaço.

A leitura pode se tornar um pouco irritante e exaustiva para os que não estão acostumados a ler obras muito violentas e com uma grande quantidade de palavrões. Muitas cenas – especialmente aquela em que o viciado rouba uma van arrastando um motorista para fora do veículo e lhe dando um tiro – lembram muito o jogo Grand Theft Auto (GTA).

livro-todos-envolvidos-ryan-gattis-7252194

O romance é uma coleção de histórias de ficção ligadas e ambientadas no mundo de dois grupos rivais, membros de gangues latinas. Gattis faz um trabalho muito bom com a imersão do leitor nesta atmosfera, que é lotada de lealdade e retribuição, impulsionando esses personagens em direção confrontos trágicos e infelizmente inevitáveis. Enquanto as dúzias de personagens relacionados com gangues são diferenciados, algumas histórias são muito mais envolventes do que outras, como a lésbica adolescente que está fora para vingar seu irmão.

Quase todos os narradores vêm de um grupo de membros de gangues latinas e aqueles ao seu redor. Há apenas dois narradores afro-americanos, um dos quais é um homem sem-teto – que, embora vagueie através do caos, não contribui muito para a história – e outro, que não é dado um nome, mas é membro de uma unidade não reconhecida de uma agência federal sombria enviado para L.A. para mutilar e matar membros de gangues, que de outra forma poderiam escapar da justiça.

Mesmo que os personagens tenham uma base na realidade, eles não passam essa sensação no romance. Certamente a leitura seria menos cansativa e atraente se o único narrador fosse um membro da L.A.P.D. Da mesma forma, a história está clamando por pelo menos uma voz afro-americana dos bairros onde os tumultos realmente ocorreram.

É chocante pensar no que o livro poderia ter sido, pois em grande parte o que prometia ser uma história de vingança e/ou uma forma de tentar adicionar mais pontos de vista para o que realmente aconteceu, se tornou uma desculpa para mostrar fatos que já sabíamos antes de começar a ler – como o desinteresse das autoridades com quem morria nas ruas dos bairros mais perigosos, a demora dos bombeiros para chegar nos locais incendiados e muitas mortes sem motivo.

Ainda assim, a escrita de Gattis é livre e sugestiva, nos puxa para uma parte de Los Angeles onde os motins são vistos como nada mais do que uma oportunidade para acertar as contas e criar o caos, enquanto a polícia está de outra forma ocupada. Quando o contexto mais amplo do julgamento de King é ignorado, é fácil se meter em detalhes sórdidos e desagradáveis dessas almas perdidas. Outros personagens nobres, incluindo uma enfermeira e um bombeiro, também têm os seus momentos para brilhar com uma pungência que deveria ter merecido mais espaço no romance.

Os fragmentos de Todos Envolvidos convergem em uma narrativa final, concentrando-se em um adolescente e seu pai que são diretamente afetados pelos motins. Essas páginas finais, uma grande história curta em seu próprio direito, sugerem o que o romance poderia ter sido se Gattis tivesse permitido aqueles que eram mais do que perifericamente envolvidos na história em torno deles pudessem falar.

 

Comente!