Uma grande parte da obra cinematográfica de David Lynch sempre operou através de duplos, que podem ser tanto temáticos – o conflito entre o Bem e o Mal, por exemplo -, quanto divisões explícitas na estrutura narrativa, como acontece em Estrada Perdida Cidade dos SonhosNa décima parte da nova temporada de Twin Peaks, essa duplicidade se dá, parcialmente, entre a violência oriunda da maldade e o humor pueril, que chega a flertar até mesmo com o pastelão. Acima de tudo isso, também há espaço para o Amor, em duas cenas que fazem rir e emocionam (um mérito que deve ser compartilhado entre os atores Kyle MaclachlanNaomi Watts e a belíssima canção de Johnny Jewel empregada por Lynch).

No final do episódio, a Senhora do Tronco (Catherine E. Coulson) diz para Hawk (Michael Horse) que a “eletricidade está cantarolando”. No universo de Twin Peaks, a eletricidade sempre esteve associada às criaturas malignas do Black Lodge. Portanto, de sua fala, é possível chegar a conclusão de que o Mal está à solta. Porém, para os espectadores, isso estava evidente desde o começo do capítulo, que já se inicia mostrando Richard Horne (Eamon Farren) assassinando brutalmente uma mulher e, logo depois, passa a mostrar uma sequência de momentos e gestos malévolos, como Steven Burnett (Caleb Landry Jones) gritando insanamente com a personagem de Amanda Seyfried, e Duncan Todd (Patrick Fischler) criando intriga para que os irmãos Mitchum (Jim BelushiRobert Knepper) matem Dougie (Kyle Maclachlan).

Fazendo contraponto a essa maldade estão os instantes de comicidade. Exemplos disto são as cenas da mosca, a que se passa no cassino e quase todas envolvendo Maclachlan e Watts. Nesses momentos, o que mais chama atenção é a forma com que Lynch usa o tempo como mola propulsora da comicidade. Na cena do cassino, notem como a extrapolação dos minutos e as reações que ela gera são as responsáveis pelo riso. Além disso, vale destacar como os atores que estão sob o comando do diretor dominam a fisicalidade humorística, uma vez que dependem muito dos seus corpos para transmitirem informações. Quem diria que Kyle Maclachlan tinha dentro de si um comediante da época do Cinema mudo?! Talvez, só Lynch enxergasse isso.

No entanto, embora não seja uma tarefa fácil associar maldade com humor, seria um erro achar que eles estão a todo momento em polos opostos. Na verdade, quanto se trata de Lynch, são polos que se repelem e se atraem. Na já mencionada cena do cassino, os dois caminham lado a lado, e, na mais emblemática de todo o episódio, se juntam para criar um forte impacto. A câmera na mão, deslocando o espectador e fazendo-o prever violência iminente, anuncia o choque que contraporá o jeito infantil de Johnny Horne (Eric Rondell) e o seu brinquedo às fortes palavras que Richard direciona para a própria avó. Desnorteado, o espectador não sabe se ri ou sente uma ojeriza completa.

Dessa maneira, já que o humor não se contrasta completamente com a maldade, dentro de um compasso lógico, ele também está presente nos momentos em que o Amor impera. Sendo assim, pode se dizer que, entre o Bem e o Mal, encontra-se a comédia. Não é mera coincidência o fato de que nas supracitadas cenas entre Maclachlan e Watts ou o instante em que o taciturno Albert (Miguel Ferrer) está num encontro, juntamente com a leveza que parece dominar esses acontecimentos, há uma capacidade compartilhada pelos personagens e o espectador de rir de tudo aquilo. Nesse sentido, é possível afirmar que este décimo episódio foi um eficiente exercício de Lynch por diferentes instâncias cômicas.

Na crítica do sexto episódio, escrevi que Lynch tinha trazido novamente ao universo de Twin Peaks uma das suas principais características: a violência. Nesta décima parte, é o humor que ele explora em sua totalidade, um elemento que esteve presente na maioria dos seus filmes, porém, raras vezes em tamanha magnitude. E o resultado desse aprofundamento é muito bem-sucedido: uma hora de Buster Keaton e irmãos Marx. Ninguém esperava por isso.

Twin Peaks – 3ª Temporada: Parte 10 (EUA, 2017)

Criado por: David Lynch e Mark Frost
Direção: David Lynch
Roteiro: David Lynch e Mark Frost
Elenco: Kyle MacLachlan, Naomi Watts, Michael Horse, Naomi Watts, Tom Sizemore, Miguel Ferrer, Eamon Farren, David Lynch, Chysta Bell, Jim Belushi
Emissora: Showtime
Gênero: Suspense, Terror
Duração: 60 minutos cada episódio

Confira AQUI o nosso guia de episódios da temporada

 

 

 

Comente!