» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter e fique por dentro de todas as notícias! «

A cada semana que passa, se torna evidente que Dale Cooper (Kyle Maclachlan), provavelmente, só acordará nos minutos finais da nova temporada de Twin Peaks (se é que isso acontecerá). Até lá, ele continuará, na passividade angelical de Dougie Jones, transformando a vida daqueles que estão ao redor. Desde que foi criado um paralelo entre a sua inocência e a do garoto Sonny Jim Jones (Pierce Gagnon) – a cena em que este brinca ao som de Tchaikovsky é mais um momento comovente deste retorno -, David Lynch e Mark Frost estão empregando o personagem como uma espécie de luz redentora no caminho de diferentes pessoas.

Desta vez, o iluminado foi o atrapalhado Anthony Sinclair (Tom Sizemore). Sempre que a vida de Dougie corre perigo, algo acontece e ele é salvo (em alguns momentos, é o Black Lodge que intervêm, já em outros, parece ser o mero acaso). Nesses instantes, o que merece ser destacado são as maneiras encontradas por Lynch e Frost para evitar que o personagem morra. Neste décimo terceiro episódio, os dois parecem ter atingido o ápice: o que faz Sinclair desistir de matar Dougie é que este, ao ter sua atenção atraída para as caspas presentes no paletó daquele, começa a massageá-lo. E pensar que o branco das caspas pode também ser um símbolo da bondade presente no instante não só aumenta ainda mais o impacto da cena como reafirma o talento de Lynch de trabalhar simultaneamente o belo e o feio.

Aliás, entre outras coisas, a nova temporada de Twin Peaks é uma frequente constatação do talento cinematográfico do diretor. Dezoito horas de material filmado costuma apresentar alguns desleixos ou momentos realizados no piloto automático. No caso de Lynch, isso não acontece. Seria um exagero dizer que cada segundo é perfeito, mas a impressão é de que ele esteve presente em todas as etapas da produção, não relegando certas passagens aos diretores de segunda unidade e sempre preocupado em imprimir o seu estilo artístico.

Para corroborar essa sensação, peço que prestem atenção na cena em que Sarah Palmer (Grace Zabriski) está bebendo. Se esse momento fosse comandado por um cineasta “operário'” – como é comum em séries de televisão -, teríamos cortes, não seríamos atiçados sensorialmente e tudo o que obteríamos é a informação de que a personagem está se afundando no álcool. Com Lynch, o que se tem é um plano longo, ultrapassando a marca de um minuto, em que o gesto repetido de encher o copo e ingerir o líquido é corroborado pela reiteração em looping de um áudio emitido pela televisão, cujo som e conteúdo incomoda o nosso ouvido e simboliza a derrota espiritual de Sarah, respectivamente.

Esse cuidado na composição cênica também pode ser visto na cena decorrida dentro do Double RR, na qual, além de colocar Bobby (Dana Ashbrook) e Big Ed (Everett McGill) sentados no mesmo lado do banco (criando, portanto, uma simbiose entre eles, já que ambos sofrem pelo amor que sentem por garçonetes da mesma cafeteria), Lynch mantém o segundo desfocado no fundo do quadro, ressaltando a marginalização do personagem e a dor que sente por não participar da vida de Norma (Peggy Lipton); e no embate do Dale dopplegänger com outro sujeito mal-encarado, em que a competição de braço de ferro serve como uma piada da virilidade masculina, tão onipresente na história.

Indicando que as linhas temporais talvez não estejam acontecendo simultaneamente (a descoberta que Bobby afirma ter feito é a mesma de semanas atrás ou é alguma nova?) e terminando de maneira enigmática (a falta de sincronia entre os gestos de Big Ed e o seu reflexo no espelho é apenas um erro ou Lynch está nos oferecendo um vislumbre de algo que está por vir?) e referencial (a canção “Just You” trará lembranças aos fãs), este décimo terceiro episódio confirma a suspeita de que as narrativas paralelas se encontrarão em Twin Peaks. O tempo está acabando, e o final se aproxima cada vez mais. Mas, enquanto ele não vem, somos presenteados com essas pérolas lynchianas.

Twin Peaks – 3ª Temporada: Parte 13 (EUA, 2017)

Criado por: David Lynch e Mark Frost
Direção: David Lynch
Roteiro: David Lynch e Mark Frost
Elenco: Kyle MacLachlan, Dana Ashbrook, Everett McGill, Peggy Lipton, Tim Roth, Jennifer Jason Leigh, Naomi Watts, Russ Tamblyn, Sherilyn Fenn, Jim Belushi, John Savage
Emissora: Showtime
Gênero: Suspense, Terror
Duração: 60 minutos cada episódio

Confira AQUI o nosso guia de episódios da temporada

Comente!