Em entrevista, durante a E3, com Geoff Keighley, Hideo Kojima, diretor de Death Stranding, comentou sobre o combate no game, algo que gerou dúvidas nos jogadores após a exibição do trailer, que foca quase que exclusivamente na exploração.

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

“Claro, você tem alguns inimigos e é possível lutar através disso, mas o jogo também oferece muitos caminhos alternativos. Claro, o objetivo do game não é lutar contra seus inimigos e derrotar os inimigos. O objetivo desse game é reconectar o mundo. Muitas pessoas por aí estão interessadas em jogos de tiro e as pessoas podem fazer isso neste game. No entanto, eu não recomendaria isso e, enquanto jogarem o game, as pessoas vão perceber que essa não é a opção ideal, por mais que eles tenham essa opção.” disse Kojima durante a entrevista.

Pelo que parece, portanto, combate não é incentivado em Death Stranding, algo que não foge muito do que já vimos nos games anteriores de Kojima. Todas as iterações da saga Metal Gear podem ser zeradas sem matar qualquer inimigo (seja através de furtividade, nocautes ou armas tranquilizantes) – isso sem levar em conta os personagens que morrem em cutscenes, claro. Além disso, Metal Gear Solid V trazia a opção de desativar armas nucleares, incentivando que os jogadores fizessem isso a fim de liberar uma cutscene extra, portanto, há um quê de antibelicismo nas obras de Kojima, apesar de suas temáticas.

Também durante a entrevista, foi revelado que o jogador poderá controlar somente Sam, o personagem interpretado por Norman Reedus.

Death Stranding será lançado exclusivamente para o PS4 e ainda não tem data de lançamento.

Comente!