Com o lançamento e consagração de Assassin’s Creed Origins, a franquia milionária da Ubisoft parece ter reconquistado um vigor há muito tempo perdido. Mas, mais importante do que isso, foi um sinal muito claro que a desenvolvedora francesa está de olho nos pedidos dos fãs. Afinal, há quanto tempo que não tínhamos pedido uma aventura no Egito Antigo? Com esse desejo já saciado, ainda há muito o que franquia pode explorar e, com a essa nova mecânica de exploração apresentada em Origins, todos esses temas são cheios de potencial!

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

10. Império Romano

Origins praticamente levanta essa bola no final do jogo e só falta a Ubisoft cortar. Aliás, eu não duvido nada que o próximo jogo se passe durante o período conhecido como a Ascensão do Império Romano, logo após o assassinato de Júlio César. Durando praticamente 500 anos, poderemos acompanhar de perto da expansão e as consequências sangrentas da consolidação desse Império, além de marcar um dos períodos mais ricos em cultura.

Já passeamos em Roma durante o Renascimento em Brotherhood, mas teríamos uma abordagem única e muito interessante para ver em uma próxima iteração do jogo focada na solidificação da Irmandade dos Assassinos. Também seria uma boa oportunidade de visitar a Grécia nesse exato mesmo período.

9. Segunda Guerra Mundial

Apesar de ser um cenário manjado em videogames, seria também uma boa adição a franquia. Desde aquela missão fantástica de escalar a Torre Eiffel em Unity que penso o quão grandioso seria ter um jogo situado nessa época. Com um mapa extenso e a possibilidade de visitar diversos países em uma jornada de espionagem e stealth, seria uma ocasião perfeita para termos uma história densa e muito relevante dentro da franquia. Porém, pela complexidade e ambição do projeto, é melhor deixar essa ideia para a próxima geração, quando a tecnologia permitir algo realmente massivo.

8. As Cruzadas

SIM! Queremos mais Cruzadas. Assassin’s Creed, o primeiro jogo mesmo, apresentou um conceito ótimo, mas é evidente que o game envelheceu mal pela repetitividade intensa. Com a exploração massiva inaugurada em Origins, teríamos uma oportunidade perfeita para visitar novamente o período histórico das muitas e muitas Guerras Santas. Cabe a Ubisoft a escolher o período mais interessante para adaptar.

7. Inglaterra Medieval

Ah, quantas tretas não rolaram no período medieval inglês? Guerra dos Cem Anos e Guerra das Rosas só para começar. O cenário é perfeito para uma história fantástica com exploração intensa de castelos, igrejas e batalhas diversas. Com um período bastante rico para personalidades históricas e revoltas sociais complicadas, teríamos um grande jogo em nossas mãos.

6. Reconquista Ibérica

Acredite, há muito potencial nesse período histórico pela grande participação dos templários que passaram a ser chamados de a Ordem de Cristo. Envolvendo o Reino de Portugal e o Reino de Castela, conhecido hoje como Espanha, a Reconquista foi um período no qual os reinos cristãos batalhavam para retomar territórios ibéricos perdidos por invasores muçulmanos. Também já contendo edificações interessantes de escalar e uma grande guerra para participar, seria possível fazer outro Assassin’s Creed focado em um protagonista templário além de Rogue.

5. Civilizações Maia, Inca e Asteca

Outra grande ideia é concentrar esforços em um segundo assassino indígena. E um jogo que aborde o período dessas grandes civilizações muitíssimo ricas culturalmente seria uma grande jogada da Ubisoft. Mesmo que haja um problema em criar uma mapa tão extenso para unificar os territórios dessas civilizações, é fácil imaginar um jogo situado um pouco antes da Conquista Espanhola das Américas para poder mostrar um processo de profunda alteração em todos os sentidos.. Um projeto ambicioso que talvez fique melhor em uma próxima geração de consoles.

4. Expansão Viking

As expansões vikings chegaram a diversos territórios diferentes ao longo de alguns séculos. Navegando pelo Oceano Atlântico, os vikings saquearam e conquistaram territórios como o Norte da África, Constantinopla e até mesmo alguns locais da América do Norte. Como já tivemos um grande foco em exploração e navegação em Black Flag, seria uma boa oportunidade para a Ubisoft retomar esse conceito dentro de um período histórico tão rico quanto os outros da lista.

3. China Antiga

Mais precisamente durante a Dinastia Zhou que figura grandes personalidades chinesas como Sun Tzu, Laozi e Confucius. Com o gostinho deixado por Chronicles, a vontade é bastante grande de explorar os territórios chineses através de um período histórico tão extenso que a Ubisoft poderia retratar com facilidade. O problema é que esse período se passa antes de Origins, então é preciso inventar uma boa desculpa para criar uma iteração focada na China Antiga.

2. O Futuro

Mesmo que obviamente não saibamos nada do que irá ocorrer direito no futuro distante, seria muito interessante ver Assassin’s Creed sem qualquer tipo de amarra histórica e se aventurar em um cenário 100% original, seja uma distopia cyberpunk a la Blade Runner ou algo aproximado na exploração espacial de Star Trek. O potencial é tremendo se a Ubisoft continuar desenvolvendo com muita vontade esse interessante sistema RPG implementado no último jogo. É um setting relativamente fácil para encaixar na narrativa: aprimorar o Animus para ‘viajar’ a um futuro indesejado jogando a Irmandade em uma missão contemporânea que impeça os eventos que darão origem ao caos futurístico.

1.  Japão Feudal

Se antes o número 1 dessas listas era o bendito Egito Antigo, agora é o Japão Feudal. É tanta gente pedindo por um jogo focado em batalhas entre ninjas assassinos e samurais “templários” que a Ubisoft seria uma completa idiota em ignorar os apelos tão emocionados dos fãs dispostos a pagar rios de dinheiro para a desenvolvedora. O período ideal para retratar com certeza estaria localizado um pouco antes da Batalha de Sekigahara que daria origem ao xogunato mais famoso da História do Japão: o Xogunato Tokugawa.

Com um cenário fortíssimo, uma variedade de armas peculiares, arquitetura única, um grande território para explorar e uma cultura riquíssima, a receita para fazer um dos melhores jogos da franquia está praticamente pronta. Com certeza esse game vai acontecer, mas é mais provável que a gente retorne para Roma antes de visitarmos as maravilhas do Japão.

Comente!