O mundo de uma personalidade do cinema é extremamente volátil.

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Em um momento ele pode estar no topo, sendo aclamado tanto por crítica, tanto por público, e sendo requisitado para vários trabalhos. Em outro momento, pode acontecer do sujeito começar a entrar em uma fase ruim,devido a um trabalho mal sucedido, e ter que encarar uma árdua luta para voltar ao topo, talvez nunca mais conseguindo alcançar o sucesso de outrora.

Dito isso, vamos citar aqui alguns atores que tiveram suas carreiras drasticamente penalizadas devido a participações em filmes ruins.


SEAN CONNERY | 
A LIGA EXTRAORDINÁRIA

Sean Connery é definitivamente um dos atores mais cultuados da Grã Bretanha. Foi o primeiro a atuar no papel do detetive James Bond – e para muitos foi o seu melhor interprete – e ainda trabalhou com diretores renomados como Alfred Hitchcock em Marnie, Confissões de Uma LadraJohn Huston em O Homem Que Queria Ser Rei e Brian De Palma em Os Intocáveis. Um currículo bastante invejável.

Mas esse belo currículo teve uma mancha gigantesca na carreira. Em 2003, Connery participou do filme A Liga Extraordinária, adaptação de uma HQ do grande Alan Moore. Quando foi lançado, o longa foi um fracasso de crítica, que criticavam o roteiro raso, a direção extremamente exagerada, e personagens sem carisma. Isso acabou refletindo na bilheteria, que também foi um fiasco.

Após esse filme, Connery decidiu encerrar sua carreira como ator. Afirmou que estava ”Cansado desses idiotas…do crescente abismo entre as pessoas que sabem como fazer filmes e as pessoas que dão luz verde para os filmes”. Sean também atacou o diretor da obra, Stephen Norrington, dizendo que ele nunca deveria ter recebido um cachê tão alto para fazer esse trabalho. Vale lembrar que durante as gravações, houveram várias discussões entre os dois, com Norrington chegando a oferecer o rosto para que Connery lhe desse um murro.

CHRIS O´DONNEL | BATMAN E ROBIN

Chris O’Donnel era uma das grandes estrelas em ascensão na década de 90 . Participou de diversos filmes elogiados, como Codigo de Honra(que ainda contava com os iniciantes Matt Damon e Ben Affleck no elenco), Céu Azul e Três Amigas e uma Traição. Foi ainda aclamado por sua atuação no filme Perfume de Mulher, recebendo até uma indicação para o Globo de Ouro.

Porém, sua carreira sofreria um grande baque no final da década, do qual o ator nunca se recuperou. Primeiro participou do filme Batman Eternamente, no papel de Robin. O longa, apesar de ruim, não foi a tragédia que foi a sua sequência,Batman e Robin, na qual Chris reprisou seu papel como Dick Grayson. Joel Schummacher, nesse filme, abusou da galhofa, do Neon, e trouxe uma obra que nada lembrava a estética sombria das HQS do Batman, e que daria vergonha até mesmo em Adam West, o Morcego da série dos anos 60.

George Clooney, Uma Thurman e Arnold Schwarzenegger não tiveram as carreiras tão abaladas, com os 2 primeiros recuperando o prestígio com projetos posteriores, e o último sendo salvo devido ao grande sucesso que conseguiu devido a carreira em filmes de ação. O´Donnel não teve a mesma sorte, e apesar de ter tido alguns sucessos moderados na carreira, como o filme Limite Vertical, e algumas atuações elogiadas como no filme Kinsey, nunca mais participou de nenhuma grande produção, e acabou sendo esquecido pela mídia.


ALICIA SILVERSTONE | BATMAN E ROBIN E EXCESSO DE BAGAGEM

Igualmente O’Donnel, Alicia Silverstone era uma das queridinhas da mídia nos anos 90. Começou a chamar a atenção pelo filme Paixão sem Limites, no qual interpretava uma adolescente que tentava estragar a vida de um homem mais velho após ser desprezada. Foi indicada ao MTV Movie Awards de melhor vilã pelo papel. Receberia aclamação ao protagonizar um dos clássico da década, Patricinhas de Beverly Hills, até hoje seu maior sucesso. Se tornaria ainda um sex symbol devido as aparições nos clipes da banda de rock Aerosmith.

Depois do sucesso, começou a queda. Interpretou a personagem Batgirl no famigerado Batman e Robin,e teve seu primeiro golpe na carreira, que já estava em uma em um início de decadência  depois de participar dos fracos Uma Babá Objeto de Desejo e Atraida Pelo Crime. O segundo golpe, e fatal, foi o filme Excesso de Bagagem, que foi produzido pela própria Silverstone, com sede de voltar ao topo. Porém, conseguiu foi se afundar mais ainda, apesar de alguns críticos a elogiarem.

Depois de Excesso de Bagagem, a carreira de Alicia nunca mais se recuperou, e a maioria das obras que atuou foram execráveis. Porém,vale dizer que nos últimos 2 anos participou do mediano King Cobra e o excelente Sacrificio do Cervo Sagrado, que deram um vigor novo para uma atriz que praticamente vivia no ostracismo.


CUBA GOODING JR | CRUZEIRO DAS LOUCAS

Mais um caso de ator que começou a chamar atenção nos anos 90, e que teve a carreira dando uma mega guinada pra baixo. Mas nesse caso foi ainda pior, porque Cuba Gooding Jr chegou a ser premiado por um Oscar, devido a sua atuação no filme Jerry Maguire: A Grande Virada. Antes, já tinha tido destaque no filme Os Donos da Rua, e depois da premiação, ainda teve destaque em filmes como Melhor É  Impossivel, Homens de Honra e Pearl Harbor.

Ai então veio o filme Cruzeiro das Loucas, que afundou a carreira de Cuba. O filme, que conta a história de dois amigos que vão parar em um cruzeiro para homens gays por engano, foi extremamente criticado devido ao fato que mostrava os gays de maneira estereotipada, e que era ofensivo para qualquer um que tivesse bom gosto. Grupos LGBT afirmavam que a obra era algo tão horrendo, que nem valia a pena protestar contra. Algum tempo depois, o ator afirmou que aceitou participar da obra por causa do dinheiro.

Depois disso, a carreira do ator conseguiu se afundar ainda mais, com ele participando de obras terríveis como Norbit e Acampamento do Papai.Porém, o ator parece que está voltando ao que era, pois foi muito elogiado pela sua atuação como OJ Simpson na série American Crime Story, sendo indicado ao Emmy. Torçamos para que ele esteja recuperado.

HALLE BERRY | MULHER GATO

O incio dos anos 2000 começaram muito para a atriz Halle Berry. Primeiro, estrelou a adaptação dos quadrinhos X-Men,interpretando a personagem Tempestade, que foi elogiada por público e crítica e ainda hoje é citada como um dos melhores filmes de heróis. Em 2001, sua atuação no filme A Última Ceia foi extremamente elogiada, e fez com que ela fosse a primeira atriz negra a vencer um Oscar. Ela ainda participaria do excelente X-Men 2 e do mediano 007: Um Novo Dia Para Morrermas que fez uma boa bilheteria.

Porém, em 2004, a atriz decidiu interpretar a protagonista do filme Mulher Gato, o que se mostraria ser um grande erro. Para inicio de conversa, a personagem título não tinha nenhuma relação com Selina Kyle, que é a personagem dos quadrinhos, o que já causou desconfiança. E quando o filme foi lançado, a desconfiança virou certeza, pois a obra era uma catástrofe, e foi massacrada por crítica e público. A recepção foi tão pesada, que o filme nem conseguiu se pagar. Halle Berry acabou recebendo o framboesa de ouro pelo filme, e em um gesto de muito bom humor, foi recebê-lo pessoalmente, dizendo que sua mãe afirmava que ”se não pudesse ser uma boa perdedora, não poderia ser uma boa vencedora”.

Depois disso, nenhuma das atuações de Berry chamara muita atenção, apesar de ter recebido 2 indicações ao Globo de Ouro por Aos Olhos De Deus (também foi indicada ao Emmy por esse) e Frankie e Alice , e também para outros prêmios menores como BET Awards e Black Reel Awards.


ELIZABETH
BERKLEY | SHOWGIRLS

O inicio da carreira de Elizabeth Berkley no cinema, foi também o seu fim. Ela foi escalada para ser a protagonista do filme Showgirls, do diretor Paul Verhoeven, que na época estava sendo bastante cultuado. Antes mesmo de ser lançado, o filme já tinha um grande número de polêmicas ao seu redor, devido aos anúncios que teria grande quantidade de nudez explicita, e porque teria um orçamento alto para um filme de classificação adulta, 45 milhões.

Quando foi lançado, foi extremamente massacrado pela crítica, sendo definido como ” misógino e de extremo mal gosto”. Isso, e mais o fato de ter uma classificação alta, fizeram que o filme se tornasse um fracasso de bilheteria.Foi ainda indicado a 13 prêmios Framboesas de Ouro, e vencendo 7, até hoje um recorde. Porém, com o tempo, A obra angariou uma boa quantidade de fãs,e se tornou cult. A  crítica também passou a olhar o filme com outros olhos, chegando a compara-lo ao clássico A Malvada, estrelado por Bette Davis, e falando que o filme funciona como uma sátira a Hollywood.

Ja Berkley não teve a mesma sorte, e nunca conseguiu alcançar a fama. Em 2011, afirmou em uma entrevista que foi difícil se recuperar de tanta humilhação que sofreu por causa de sua participação. Devido a isso, decidiu montar um site chamado Ask Elizabeth, para ajudar a jovens que sofrem de baixa auto estima.


HAYDEN CHRISTENSEN | STAR WARS EPISÓDIO III: A VINGANÇA DOS SITH

Diferente dos filmes citados, e o Episódio III de Star Wars não é ruim, pelo contrário, é o melhor dos 3 filmes da polêmica trilogia prequel do diretor George Lucas. Porém, a atuação de Hayden Christensen como Anakin Skywalker,a versão jovem do vilão Darth Vader. foi extremamente criticada pelos fãs e pela crítica.

O ator, que na época estava ascendendo em Hollywood e até já tinha uma indicação ao Globo de Ouro e ao SAG, acabou ficando desmoralizado dentro do meio. Nunca mais conseguiu recuperar o prestigio e a fama que tinha na época que estrelava Star Wars, e todo os seus projetos posteriores foram massacrados e suas atuações foram fracas.

E como agravante, passou a ser perseguido pelo fandom da franquia da Lucasfilm, que nunca aceitaram a fraca atuação do ator nos filmes. Apenas uma das muitas atitudes patéticas cometidas por aquele que é considerado o grupo de fãs mais tóxicos do mundo nerd.


BRANDON ROUTH | SUPERMAN: O RETORNO

Igualmente a Star Wars: A Vingança Dos Sith, Superman: O Retorno não é um filme ruim. Foi bem eficiente na sua proposta de homenagear o clássico de Richard Donner, possui efeitos técnicos de qualidade, e foi bem recebido pela maioria do público. Porém, esse relativo sucesso não foi muito importante para o protagonista da trama, o ator Brandon Routh, que acabou sendo apontado como um dos pontos negativos da obra

Routh na época era conhecido apenas pelo seu trabalho como modelo, e pelas pontas que fez em algumas séries famosas como Gilmore Girls e Odd Man Out. Sua grande chance de estrelato veio em 2005, quando foi escalado para viver o Homem de Aço pelo diretor Bryan Singer. Uma escolha arriscada, visto a falta de experiência do ator para um papel tão grande. E infelizmente, Brandon não conseguiu calar quem duvidava, porque sua atuação foi considerada extremamente fraca e sem carisma, e ficava ainda pior quando comparávamos seu trabalho com o feito por Christopher Reeve no filme de 1978.

As criticas negativas mancharam sua imagem, e o ator nunca conseguiu alcançar o sucesso no cinema,e fez apenas algumas participações em produções pequenas. Em 2014, voltou a DC Comics para fazer parte do Universo das séries da CW,e foi escalado como o herói Ray Palmer, o Eléktron. Sua atuação, com uma veia mais cômica, recebeu alguns elogios do público.

GENA DAVIS | A ILHA DA GARGANTA CORTADA

Aqui mais um caso de atriz que iniciou os anos 90 no auge, e os terminou no fundo do poço. Gena Davis teve um começo de carreira arrasador no cinema, participando de filmes clássicos como A Mosca, Os Fantasmas Se Divertem e Thelma e Louise, nesse último inclusive fazendo aquele que muitos consideram seu melhor trabalho em toda sua carreira. Tudo estava ótimo, até que ela foi escalada pra ser a protagonista principal do filme Ilha da Garganta Cortada, que foi dirigido e produzido pelo seu então marido na época, Renny Harlin.

A trama falava sobre uma pirata, que assumiu o navio e a embarcação do pai após a morte deste, e partiu atrás de tesouros pelo Caribe. Infelizmente, na vida real esse filme não conseguiu achar nenhuma riqueza. Foi massacrado pela crítica, e dos 98 milhões investidos, apenas conseguiu recuperar 18 milhões. Traduzindo, a obra realmente afundou, e levou a carreira de Davis junto, com a atriz nunca mais conseguindo nenhum papel de destaque no cinema, porém sendo elogiada por alguns trabalhos que fez na televisão, por exemplo sua atuação como protagonista na série Commander in Chief.

O fracasso desse longa afetou também Hollywood, que ficou algum tempo sem investir em filmes com temáticas piratas. Até que em 2003, Piratas do Caribe conseguiu sucesso, que recuperou o prestigio dessa temática.

KEVIN COSTNER | WATERWORLD E O MENSAGEIRO

Podem acreditar, existiu uma época em que Kevin Costner era um ator bastante requisitado em Hollywood, e que tinha boas atuações em ótimos filmes. Obras como Robin Hood, Sorte no Amor, e o espetacular Dança com Lobos fizeram com que Costner fosse aclamado. Porém, como eu já havia dito antes, basta apenas um simples desvio, para todo o respeito adquirido fosse por água abaixo. E no caso de Kevin, esses desvios foram muito acentuados

Primeiro ele participou do longa Waterworld – O Segredo das Águas, que falava sobre um futuro onde as calotas polares haviam derretido, e toda superfície foi coberta por água. Prejudicado por vários problemas de produção, inclusive fazendo com que o orçamento ficasse em 180 milhões, acabou sendo bastante rejeitado, e fazendo uma fraca bilheteria – 264 milhões -comparado ao que gastou. Depois, veio o filme O Mensageiro, outra ficção científica massacrada, e que teve uma arrecadação pífia de 17 milhões, para um orçamento de 80.

Graças a essas duas tragédias, a carreira de Kevin Costner nunca mais foi a mesma, e apesar de ter participado de 2 bons filmes recentemente, como Estrelas Além do Tempo e A Grande Jogada, é difícil saber se um dia vai conseguir ter o mesmo poder que tinha outrora.


GENA HACKMAN | UMA ELEIÇÃO MUITO ATRAPALHADA

Acho que muitas pessoas gostariam de perguntar para Gene Hackman qual foi o motivo que o levou para protagonizar um filme nível as obras atuais que passam na sessão da tarde. Seria tédio? Falta de grana? Fica realmente impossível saber o que levou um ator com o currículo recheado de grandes obras a aceitar a participar de um longa que claramente estava fadado ao fracasso.

E foi justamente isso que aconteceu, porque Uma Eleição Muito Atrapalhada foi massacrado, com a crítica considerando o roteiro longo e chato, e a direção bastante irregular. Obviamente isso acabou resultando em um fracasso de bilheteria, com filme conseguindo ser um flop mesmo tendo um orçamento de apenas 30 milhões de dólares.

Parece que até o próprio Hackman se arrependeu de participar do filme , antes mesmo dele ser lançado, pois não participou nem da premiere da obra, e não ajudou em nada na divulgação. Acredito que ele tenha percebido o erro que cometeu, mas era tarde. Depois dessa película, nunca mais deu as caras no cinema, talvez com medo de cometer outros erros, e manchar sua belíssima carreira na sétima arte.


WARREN BEATTY | RICOS, BONITOS E INFIÈIS

Eu quase senti vontade de copiar o primeiro paragrafo do tópico anterior, porque a situação é idêntica. Um grande ator na época da Nova Hollywood, que por alguma razão que é difícil de entender,  decidiu participar de um filme chamado Ricos, Bonitos e Infiéis, que pelo título já da pra perceber que é digno unicamente de aparecer na sessão da tarde atual. E olha que não foi por falta de aviso, porquê a obra dava sinais claros de que seria um fracasso.

Passou por várias reescritas de roteiro, e várias refilmagens. Isso atrasou o filme em cerca de 2 anos, e acabou fazendo com o orçamento passasse de 45 milhões para 90 milhões. O resultado foi óbvio, fracasso de crítica, de bilheteria, arrecadando apenas 10 milhões, e é considerada uma grande mancha na gloriosa carreira de Warren Beatty.

Ele voltaria a estrelar um filme apenas 15 anos depois, Rules Don’t Apply,  que o próprio Beatty dirigiu e produziu, e acabou por ter recepções mistas, mais pendendo para o positivo, com a crítica afirmando que apesar dos percalços, é um bom entretenimento.


JAMES CAVIEZEL | A PAIXÃO DE CRISTO

Depois de ter participado de filmes como Olhar de Anjo, O Conde De Monte Cristo e Além da Linha Vermelha, o ator James Caviezel viu carreira como ator ter um grande ” up”,e seu nome começava a se firmar em Hollywood. Tudo mudaria em 2004, quando o ator foi escalado como Jesus de Nazaré, no filme A Paixão de Cristo, de Mel Gibson.

Quando foi lançado, a obra atraiu bastante polêmica, devido ao grande teor de violência existente nela, o que acabou dividindo os críticos. E ainda teve o fato de que muitas ligas seculares acusaram o longa de contar uma mensagem extremamente anti semita. Mas isso não importou para o público, que em sua grande maioria aclamou a obra, e isso fez com que ela arrecadasse mais de 600 milhões de dólares. Se tornou o filme não em inglês de maior bilheteria da história.

Porém, a carreira de Caviezel foi muito prejudicada pela película. E o próprio ator em uma entrevista admite isso em uma entrevista, dizendo que o filme ”arruinou a sua carreira”, e que passou a ser ” rechaçado pela sua própria indústria”. Afirmou também que o próprio Mel Gibson o advertiu sobre o que poderia acontecer depois do lançamento do filme, o que ele respondeu: ”Todos nós temos que carregar nossas cruzes”.

Caviezel nunca se importou pela perda da fama que estava adquirindo e que nunca se arrependeu de ter feito esse filme. Felizmente, o ator começou a recuperar o prestígio, ao protagonizar a elogiada série Person of Interest, e também participou do elogiado longa The Ballad of Lefty Brown.

Comente!