Um dos heróis mais populares da DC Comics, o Flash não teve problemas para se manter, durante esses longos anos, no imaginário popular, principalmente em razão de suas constantes aparições na televisão – seja em séries solo ou em animações ao lado de outros heróis. Com a estreia de Liga da Justiça, no qual o personagem é vivido por Ezra Miller, seu nome mais uma vez se renovou dentro da cultura pop – não que fosse efetivamente necessário, em razão da bem-sucedida série da CW.

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Como se trata de um herói com bastante material fora da nona-arte, muitos ainda não conhecem suas histórias originais, tendo testemunhado apenas suas aventuras no audiovisual. Essa lista, portanto, funciona não apenas para elencar o que há de melhor nessa longa história do velocista escarlate, como para servir de guia de leitura para aqueles que anseiam por conhecer mais de Wally West, Barry Allen e outros icônicos personagens que encarnaram ou são ligados ao Flash.

10. The Flash por Grant Morrison e Mark Millar

Se os nomes Grant Morrison e Mark Millar não foram o suficiente para convencer que essa história precisa ser lida, então sua criativa trama o faça. Nessa coletânea, com mais de dez edições, Wally West precisa combater um uniforme senciente, com o poder de absorver a força vital de qualquer um que o vista, além de ir contra o Mestre dos Espelhos e ter de vencer uma corrida pelo espaço tempo que definirá o destino do planeta! Ao menos ele pode contar com a ajuda de Jesse Quick, Jay Garrick e Max Mercury.

9. As Infames Mortes da Galeria de Vilões

Após Geoff Johns reviver o personagem em sua minissérie Renascimento e depois de concluir a saga A Noite Mais Densa, Barry Allen já ganha um primeiro arco de destaque em sua revista solo. Parte do evento O Dia Mais Claro, essa história mostra Allen retornando à Central City, onde deve resolver o mistério do assassinato de um dos membros da Galeria de Vilões, além de impedir que novas vítimas sejam feitas por esse assassino desconhecido. Tudo isso enquanto, claro, coloca sua vida de volta nos eixos.

8. Nascido para Correr

Ano Um do Flash, Nascido para Correr, é o primeiro arco de Mark Waid frente ao herói e reconta a origem de Wally West como Kid Flash. A obra nos conta dessa jornada do menino, até precisar se tornar o Flash, após a morte de Barry. Com foco tanto na comédia, quanto no drama, a revista aborda a relação entre West, Allen e Íris. Não bastasse isso, Waid ainda traz um interessante olhar sobre a Força de Aceleração, expandindo a mitologia do herói consideravelmente.

7. Flash de Dois Mundos

Uma das histórias mais importantes não só para o Flash, como para o universo DC em geral, Flash de Dois Mundos introduz a Terra-2 e dá início ao multiverso da editora. Sim, em revistas anteriores o conceito de dimensões paralelas já havia sido abordado, mas, oficialmente, podemos considerar este como o marco inicial dessa fundamental característica da DC. Na trama, Barry subitamente acaba se transportando para outro universo ao vibrar suas moléculas. Lá ele encontra Jay Garrick, o Flash da Era de Ouro, que, no universo de Allen, não passava de um personagem de quadrinhos!

O sucesso da história ainda motivou que a DC revivesse inúmeros de seus heróis da Era de Ouro. Recentemente, a HQ foi adaptada para a televisão na segunda temporada da série The Flash – o capítulo conta com o mesmo título da obra original.

6. Blitz

O quinto arco da fase de Geoff Johns frente ao herói, Blitz nos conta a história de como Zolomon Hunter, amigo de Wally West, se tornou o vilão Zoom. Após sofrer um acidente na esteira cósmica, na tentativa de voltar no tempo e impedir que ele perca o movimento nas pernas, Hunter ganha seus poderes de velocista, se tornando ainda mais rápido que o Flash. Para impedi-lo, West precisa absorver parte das habilidades de outros velocistas, para que, assim, tenha alguma chance contra o antagonista. Com arte de Scott Kolins, o arco certamente é um dos pontos altos da era Geoff Johns.

5. O Retorno de Barry Allen

Voltamos para a fase de Mark Waid e, nesse ponto, anos se passaram desde a morte de Barry. Porém, como nenhuma morte é definitiva nos quadrinhos, ele subitamente retorna, surpreendendo especialmente Wally West, que permanece um tanto cético em relação à volta do velocista. Conforme o tempo passa, contudo, eles percebem que Allen apresenta uma personalidade muito mais agressiva, chegando a quase matar alguém simplesmente porque chamaram West de Flash. Waid acerta em cheio nessa história sobre traumas passados, trazendo um inédito olhar sobre Barry, que, pouco a pouco, configura-se como uma verdadeira ameaça.

4. Velocidade Terminal

Nesse ponto dessa lista, vocês provavelmente já perceberam que, se pretendem ler uma boa história do herói, basta buscar alguma escrita por Mark Waid ou Geoff Johns, certo? Velocidade Terminal é mais um dramático arco de Waid, novamente com Wally West como protagonista. Após atingir a velocidade da luz, Flash descobre que a Força de Aceleração, enquanto aumenta seus poderes, vem o puxando para outro universo. Enquanto lida com isso, ele precisa arranjar alguma forma de impedir que as visões sobre sua própria morte se tornem realidade, precisando, também, assegurar que sua amada não sofrerá o mesmo destino. Trata-se de uma obra sobre auto-descobrimento e sacrifício, o ponto alto da fase de Mark Waid.

3. Renascimento

Não confundir com a nova fase, de mesmo nome, dos quadrinhos da DC! Assim como fizera com o Lanterna Verde, Geoff Johns reinventa o personagem, trazendo-o de volta para o universo da editora nessa memorável história, Renascimento. Tida como uma das melhores histórias do personagem, essa minissérie de seis edições expande a mitologia de Flash, trazendo Barry de volta como o principal velocista, enquanto inúmeros outros indivíduos do passado do herói também são contemplados. Não por acaso Johns permaneceu frente às publicações do herói por anos e anos! Caso nunca tenha lido sequer um arco do velocista, essa é a perfeita porta de entrada.

2. Ponto de Ignição

O evento que mudou tudo no universo DC (de novo), Ponto de Ignição rendeu algumas das melhores histórias da editora, com direito a Thomas Wayne como Batman e Superman criado como rato de laboratório. Inegável, porém, constatar que o Flash é o protagonista desse grande crossover, visto que ele é o único capaz de discernir o que faz parte da linha do tempo “normal” e a alterada. Servindo como estopim do soft-reboot que veríamos nos Novos 52, a saga representa o ápice da fase de Johns, trazendo uma gigantesca sensação de urgência, enquanto o herói tenta fazer que tudo volte ao normal. Não por acaso a história foi adaptada tanto para animação, quanto na série da CW, além de servir como principal fonte do vindouro filme solo do herói.

 

1. As Fases de Mark Waid e Geoff Johns

Eleger a melhor história de um personagem de quadrinhos nunca é uma tarefa fácil, mas, convenhamos, se você chegou até aqui e gostaria de conhecer o herói a fundo, então faça a si mesmo o favor de ler tudo o que Waid e Johns escreveram sobre o velocista escarlate. Nessas duas fases encontramos as histórias de origens (recontadas) de inúmeros personagens e arcos memoráveis, muitos dos quais inspiraram episódios da recente série da CW, além das animações do DC Animated Universe. Se você não se tornar fã do Flash depois de ler tudo isso, então é melhor partir para outro personagem!

Comente!