A produtora Blumhouse se consolidou no mercado produzindo filmes de baixo orçamento, em sua maioria do gênero terror dentro do sistema de estúdios. Seu primeiro filme, Atividade paranormal foi um sucesso absoluto nas bilheterias, com um orçamento de apenas U$ 15000, eles obtiveram um retorno de U$ 193.4 milhões, sendo o filme mais lucrativo da história. Após esse feito impressionante a produtora continuou a emplacar diversos outros sucessos como o premiado drama Whiplash, filme de 2014 indicado ao oscar. Com o lançamento do mais novo filme da produtora, It Comes at Night, decidimos trazer a vocês nossa lista dos que achamos serem os 10 melhores filmes da produtora

10. Atividade Paranormal

Mesmo sendo um filme lançado 10 anos depois, Atividade Paranormal conseguiu um buzz quase tão grande quanto Bruxa de Blair de 1999, que é considerado o primeiro filme desse formato found footage. Assim como em Bruxa de Blair muita gente achou que o filme de 2009 fosse real e o filme arrecadou um absurdo considerando seu diminuto orçamento, sendo o filme mais lucrativo da história. Além de ser um sucesso comercial absoluto, o filme é bom. O silencio aumenta a tensão e o terror é construído a base de sugestão, não parece acontecer nada, mas a mente acaba imaginando as coisas mais absurdas e perturbadoras. Um dos melhores found footages já feitos.

9. Corra!

Para quem supostamente se encontra na posição de estreante, Jordan Peele impressiona ao se demonstrar maduro, competente e consciente do que quer fazer, alcançando uma proeza que poucos conseguem na carreira, que dirá em seu primeiro trabalho: a transição entre gênero e subgênero. Peele navega pelo suspense, thriller psicológico, humor tragicômico e terror de exageros com extrema fluidez, tudo regado a um toque pessoal com uma corajosa e afiada  crítica de status social, fazendo desta uma das obras mais relevantes da década. Inesquecível. Leandro Konjedic.

8. Amizade Desfeita

É incrível como o gênero do terror abre portas para inovações na linguagem cinematográfica e até subgêneros, vide o advento do slasher nos anos 1980 e o found footage com A Bruxa de Blair. Na era do novo milênio, a internet é o palco para o terror neste inteligente e envolvente suspense, que se desenrola inteiramente na tela de um computador, quando um grupo de amigos em uma conferência de Skype é perturbado pelo fantasma de uma colega. As soluções e as ideias de Leo Gabriedze são inventivas, rendendo a promessa de uma nova revolução de linguagem no gênero. Lucas Nascimento

7. Sobrenatural

Dirigido pelo excelente James Wan, Insidious de 2011 é mais um exemplo de terror/suspense que se sobressaiu na ultima década. Apesar de conter quase todos os clichês dos filmes que lidam com o sobrenatural, ele entende algo que muitas outras obras não compreendem, que menos é mais. Wan constrói suspense como ninguém e faz pouco uso de jumpscares nesse filme que é facilmente o filme mais assustador em seu ano de estréia.

6. A Entidade

Scott Derrickson nos traz um prato cheio no que pode ser considerado o melhor filme de sua carreira. Logo na perturbadora cena de abertura o filme já mostra a que veio. Ethan Hawke interpreta Elison Oswalt, um escritor de livros sobre crimes não solucionados, ele se muda com a sua família para uma casa em que algo sem explicação aconteceu, esperando conseguir material para seu novo livro, mas acaba se deparando com forças sobrenaturais. A entidade do filme, Buguul não aparece frequentemente, atuando indiretamente sobre a família, o diretor entende que menos é mais e raramente apela para jumpscares. Destaque para o final que é a definição de perturbador. É genuinamente assustador.

5. Hush

De todos os subgêneros do terror, o slasher com certeza é o mais popular e consequentemente, o mais saturado, como trazer um ar de novidade a esse tipo de filme? O diretor Mike Flanagan, que já demonstrou grande talento em seu longa anterior, Oculus, parece ter encontrado a solução: Trabalhar bem os personagens. Maddison Young (Kate Siegel) é mais do que a pobre vitima do filme, ela é uma deficiente visual e está em visível desvantagem em relação ao assassino (John Gallagher Jr.), mas ela é esperta e consegue usar isso em seu  favor, conseguindo se sobressair em alguns momentos do filme, trazendo certa originalidade para o gênero, destaque para o trabalho da atriz que está excelente.

4. A Visita

Após os “insatisfatórios” O Último Mestre do Ar e Depois da Terra, Shyamalan volta a fazer o que sabe de melhor: suspense. Não se trata de sua melhor obra, é claro, mas o diretor não desaponta trazendo a sua marcante construção de atmosfera e seus chocantes plot twists.  Além disso, renova sua filmografia arriscando no formato mockumentary, o qual recebe uma contribuição especial de Maryse Alberty na cinematografia. Trata-se de uma estória bem simples, dois jovens decidem conhecer e visitar seus avós, os quais agem de maneira bem suspeita.  No entanto, esta simplicidade não a torna isenta de um retoque especial em seus personagens – questões familiares entre pais e filhos e, também, envolvendo a terceira idade estão presentes. Com isso, o elenco se destaca muito bem, com atuações competentes dos jovens Olivia DeJonge e Ed Oxenbould, e também de Deanna Dunagan e Peter McRobbie. Uma boa pedida! Kevin Castro

3. O Espelho

Filme de 2014 dirigido pelo promissor Mike Flanagan mostra que um filme de terror é muito mais que um amontoado de jump scares. O filme que conta a história do encontro da família Russel com um espelho amaldiçoado, representa o que há de melhor em um terror psicológico. O terror é construído sutilmente a partir de elementos minimalistas sem apelar nem sequer uma vez ao susto barato e remetendo ao clássico Iluminado é uma história sobre uma família sendo despedaçada com elementos sobrenaturais. O filme brinca com a subjetividade de cada personagem de um jeito perfeito, com momentos em que não conseguimos distinguir o que se passa na cabeça do personagem e o que realmente acontece. É um prato cheio para os fãs de um bom terror.

2. Fragmentado

Depois de recuperar a mão e voltar a forma explorando o found footage com A Visita, Shyamalan retorna para o suspense no drama de confinamento. James McAvoy tem a melhor interpretação de sua carreira em um dos melhores e mais complexos personagens já concebidos pelo cineasta. Anya Taylor-Joy não fica muito atrás, ratificando seu talento perceptível em A Bruxa e interpretando uma personagem com um passado sombrio que cresce com os eventos da trama, com desenvolvimento diretamente relacionado e antagonizado a descoberta, aos poucos, das camadas do personagem de McAvoy. Shyamalan nos dá um novo e profundo olhar a respeito do girl power no cinema de horror, veja só. E, depois da revelação do frame final, mal posso esperar por uma sequência. Leandro Konjedic

1. Whiplash: Em Busca da Perfeição

Não poderia ser outro filme para estar em primeiro lugar no ranking, Whiplash, que conta a história d jovem Andrew Neiman, um talentoso estudante de musica (Miles Teller) tentando impressionar seu exigente professor Terence Fletcher(JK Simmons). É o filme que a produtora tem mais motivos para se orgulhar, sendo indicado a 5 oscars e levando 3,  sendo eles o de melhor ator coadjuvante, pela excelente performance de JK Simmons, melhor edição e melhor mixagem de som. O filme é a estreia de Damien Chazelle na direção e já é considerado um dos cineastas mais promissores dos últimos tempos.

Comente!