Lista feita em colaboração com Heitor Carrone Guedert

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

É chegada a hora de finalmente colocar os filmes do famoso mexicano em contagem regressiva, do pior para o melhor. Aproveitando o embalo do seu mais novo sucesso, A Forma da Água, que já angariou nada menos que 13 indicações ao Oscar, o novo filme que nos faz lembrar o tão familiar nome de Guillermo Del Toro e relembrar de uma carreira versátil e criativa. Indo desde suas origens, com pequenos filmes de terror independentes, à adaptações de quadrinhos quase cults, e por vezes se aventurando em um blockbuster de alto orçamento, ou se arriscando em projetos ousados como fantasias ou romances góticos.

Todos os filmes que carregaram a marca inventiva, classicista e criativa do diretor, famoso por criar incríveis criaturas místicas e contar histórias dramáticas de temática alegórica, mas também saber se aventurar no cinema de pura diversão. E aqui estão reunidos todos esses filmes comandados por Guillermo Del Toro, ranqueados do pior ao melhor, até hoje!

Confira:

10. Mutação (1997)

Sem dúvidas esta não foi a melhor estréia que del Toro poderia ter tido no cinema mainstream americano. Por mais que ainda seja notável o intuito do diretor aqui em procurar criar o suspense e tensão e sua trama com calma e mistério, tentando até emular elementos de Alien de Ridley Scott, isso não impede o filme de decair em um antro de clichês formulaicos do gênero e possuir um leque de personagens sem carisma ou empatia emocional alguma. Pelo menos hoje, esta esquecível sessão da tarde de terror não passa apenas de uma má memória para o diretor e os seus fãs.

colina escarlate

9. A Colina Escarlate (2015)

A esse ponto, não é nenhum segredo que o cineasta possui adoração por literatura gótica, sendo essa sua principal fonte de inspiração. Aqui, temos uma história cuja ambientação e narrativa é claramente inspirada em Edgar Allan Poe e H.P. Lovecraft, tendo nos filmes do cineasta italiano Mario Bava, a sua principal referência visual. Com um design de produção suntuoso e com cores que lembram os filmes de terror gótico de Roger Corman, del Toro entrega aqui o seu filme visualmente mais belo, ainda que deixe de abraçar uma nota mais fatalista no tocante a narrativa.

critica-circulo-de-fogo

8. Círculo de Fogo (2013)

“Evangelion encontra Godzilla”, é assim podemos definir o filme de del Toro sobre robôs gigantes e monstros do fundo do mar. Apesar do roteiro não se destacar por nenhuma inovação, o filme possui momentos realmente divertidos e demonstra competência no desenvolvimento da narrativa, ainda que apresente escolhas que incomodem o espectador e force um humor muitas vezes destoante do restante da obra. Ainda assim, a qualidade técnica, os ótimos efeitos especiais e as empolgantes lutas fazem desse filme uma ótima opção quando se quer duas horas de entretenimento descompromissado. Uma sequência, com del Toro na produção, já tem data para estrear esse ano.

critica-hellboy

7. Hellboy (2004)

A primeira adaptação dos quadrinhos de Mike Mignola pelas mãos de del Toro é uma divertida bastante inspirada apresentação do personagem para o grande público (em parte graças ao carisma de Ron Pearlman que interpreta o personagem título). Del Toro se aproveita da permissibilidade que possui o universo de Hellboy para extrapolar sua obsessão e seu amor com os imagéticos monstros criados pelo autor H.P. Lovecraft. O filme também conta com personagens fortes e carismáticos, como o parceiro Abe Sapiens (Doug Jones), o interesse romântico Liz (Selma Blair) e o pai adotivo de Hellboy (John Hurt, incrível). Com conceitos bem desenvolvidos e uma adaptação fidedigna da obra-fonte, o primeiro Hellboy certamente merece mais atenção do que recebe.

critica-blade-ii

6. Blade II – O Caçador de Vampiros (2002)

Finalmente, foi nesse segundo capítulo da breve franquia do caçador de vampiros Blade estrelando Wesley Snipes onde del Toro recebeu a chance de mostrar um pouco do seu lado nerd e capacidade de dirigir um filme de ação blockbuster mainstream, mas sem perder um pingo de sua essência autoral. Fazendo de Blade II não só a rara continuação que supera o seu (bom) antecessor, como o torna em um verdadeiro filme de monstros e vampiros, com o nível certo de cafonice e porradaria franca sem poupar no banho de sangue. Depois desse, vai ser muito difícil alguém realizar um filme do Blade com tamanha personalidade e que compreendeu tão bem a essência do personagem como del Toro fez aqui!

5. Cronos (1993)

A surpreendente e infelizmente hoje esquecida estréia de del Toro no cinema, onde o jovem diretor já mostrava desde cedo o seu enorme fascínio por monstros e criaturas místicas do oculto, como o vampiro nesse caso, e sua busca de querer desconstruir seus mitos à um nível dramático de humanização. Pode realmente não ser um filme tecnicamente perfeito, mas já mostrava o estilo autoral de seu diretor que estava para evoluir muito ainda. E talvez acabou realizando aqui não só um dos filmes de vampiro mais originais já feitos no cinema, como também um dos mais trágicos e carregados de emoções.

critica-hellboy-ii-o-exercito-dourado

4. Hellboy II: O Exército Dourado (2008)

Del Toro sempre demonstrou ter uma boa veia para dirigir filmes de blockbuster em sua carreira e sua incrível criatividade em criar suas criaturas com efeitos práticos, e talvez não há outra melhor prova de ambos do que se não essa sua segunda adaptação de Hellboy. Onde não só prova seu feito de Blade II em saber realizar continuações superiores ao primeiro filme, como também inova na sua visão do universo do personagem. Enquanto o primeiro era quase um thriller de ação gótico com elementos de Lovecraft, Hellboy II é um verdadeiro filme de del Toro, com uma aura de aventura e fantasia recheado com algumas de suas criaturas mais inventivas, e sem esquecer de entregar ação e diversão de qualidade na mesma medida. Um perfeito exemplo de uma adaptação de quadrinhos feita com esmero e com a assinatura do seu diretor.

3. A Espinha do Diabo (2001)

O primeiro propriamente dito excelente filme de sua carreira e que mostrou o verdadeiro peso de del Toro como grande diretor e um jovem de ótica imaginativa e veia autoral. Moldando aqui um filme de Terror que não é um filme de terror; um filme de guerra que mostra as consequências mais íntimas, psicológicas e espirituais da mesma; uma história mal assombrada de fantasmas onde os próprios fantasmas são vítimas dos verdadeiros monstros presentes na humanidade. Com A Espinha do Diabo, Del Toro mostra que o pior medo que se pode criar, são dos limites de crueldade em que o ser humano é capaz de alcançar em seu estado mais vil, e a única salvação presente na pureza e inocência de uma criança em um mundo onde não há esperança.

2. O Labirinto do Fauno (2006)

E se a história de Alice no País das Maravilhas servisse como inspiração para um drama de guerra alegórico onde a inocência luta com todas as forças para fugir e se abrigar no mundo dos sonhos e da fantasia dos contos de fadas, para escapar da cruel realidade que sufoca sua vida por todos os lados. Esse é o questionamento que Del Toro impôs indiretamente para o público ao fazer este que é o seu filme mais universalmente amado e aclamado, com todas as razões para tal. Um verdadeiro filme de fantasia gótico e sombrio, mas com um toque de pureza em seu centro, que molda um mundo de sonhos apresentado pela icônica criatura do Fauno para a sua jovem protagonista, como sendo o único lugar possível para esta escapar onde apenas resta tragédia e crueldade governando o reino dos homens. Um ápice até então insuperável na carreira do diretor.

critica com spoilers a forma da agua

1. A Forma da Água (2017)

Talvez seja mesmo cedo para o colocar em tão alta posição, mas o novo bravíssimo filme de Del Toro se prova como sendo talvez o filme mais completo do diretor. Um onde ele acerta em todas as notas a que se propõe com seus ricos personagens e complexos temas, mas nunca tenta ser mais o que é: uma bela história de amor ala A Bela e a Fera subaquático com toques fantásticos mas sem perder sua essência humana. De sobra, homenageando tão lindamente o melhor do cinema clássico em um filme tão atual e moderno. A prova de que Del Toro ainda é capaz de fazer um bom cinema para todos os gostos críticos, mas sem perder a sua essência autoral tão pura e imaginativa. Encantador e memorável do início ao fim.

Achou uma ordem justa para a filmografia do grande cineasta americano ou completamente equivocada?! E qual é o seu filme favorito de Guillermo Del Toro?

Comente!