O Sorriso de Mona Lisa

Dirigido por Mike Newell

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Ambientado em 1953, uma época onde apenas moças cujo único objetivo é encontrar um bom marido eram bem vistas, O Sorriso de Monalisa mostra a historia de uma professora que quebra todos os esteriótipos.

Com toda sua personalidade forte e ainda assim delicada, Julia Roberts dá vida à Katherine Watson, uma professora recém formada que acaba conseguindo o emprego dos sonhos. O tal emprego é num colégio só para jovens mulheres ricas, onde ela deve lecionar arte. As garotas todas na faixa de seus 17 anos estão acostumadas com as melhores comidas, roupas, escolas, e com a arte não seria diferente. Sendo assim, já no seu primeiro dia. Katherine encontra dificuldades, pois sua aula não apresenta novidade nenhuma para as meninas.

Além disso, as alunas enfrentam um problema geral da época: a mente totalmente estreita.

Ao observar as garotas, Katherine começa a preparar aulas cada vez mais desafiadoras, que exigem cada vez mais da criatividade e senso crítico das meninas. Quem disse o que é considerado arte? Por que A é considerado mais bonito do que B sendo que beleza é algo relativo? Quem determina o que é e o que deixa de ser importante? Ter um casamento perfeito é sinônimo de um casamento feliz?

Conforme elas vão se interessando pelas ideias da professora, vão ficando também mais interessadas em sua vida pessoal. Katherine é uma moça bonita, talentosa, forte e obviamente, muito inteligente. Então por que ela não arrumou um marido ainda?

Acontece que Katherine é uma mulher bem resolvida e focada, que consegue ver as mulheres como seres humanos tão inteligentes e capazes quanto os homens. Ela também não acha que foi feita para gastar sua vida cuidando da casa e do marido, e não que ela desvalorize quem o faça, jamais. Mas ela entende que o potencial foi feito para ser usado, e tenta transmitir isso para suas alunas.

No meio tempo, podemos ver as moças sofrendo problemas comuns da vida adulta, como casamento, faculdade, aceitação dos pais e a auto aceitação, e a professora sempre as guiando de uma forma ou outra.

O filme não chega a ser exatamente uma obra prima, mas tem uma clima gostoso e aconchegante de fim de tarde, e também consegue tratar de um tema polêmico – e até chatinho – de uma forma leve e sutil.

Comente!