Rian Johnson demonstrou suas habilidades com o storytelling de várias maneiras, tenha sido com o neo-noir adolescente Brick ou o thriller sci-fi Looper. Isso não deixa dúvidas quanto à sua capacidade de transformar Os Últimos Jedi em uma história competente e que honre o restante da franquia intergaláctica, mas o cineasta revelou que ele teve sim um grande desafio para a finalização do filme: os efeitos especiais.

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

“Honestamente, as coisas mais difíceis tecnicamente são as batalhas especiais, porque são durante essas sequências que absolutamente nada é real”, Johnson declarou em entrevista a SciFiNow Magazine. “Os efeitos práticos, especialmente as criaturas, foram bem mais divertidos de serem feitos”, ele adicionou, dizendo que utilizar animatronics e outras técnicas para criar certas sequências definitivamente o auxiliou.

Dentre as inúmeras criaturas que estarão no próximo longa, nenhuma delas chamou tanto a atenção como os porgs, figuras semelhantes a pássaros e que vivem em Ahch-To. “Não foi até conseguirmos os fantoches oficiais que a equipe reagiu com ‘Oh, meu Deus, eles são adoráveis!’, e então algumas pessoas que olharam meio torto e disseram ‘Eles são fofos, mas não são fofos até demais?'”, Johnson contou para o site Yahoo!. “De qualquer forma, a resposta geral foi positiva: todos amaram os porgs”.

Star Wars: Os Últimos Jedi chega aos cinemas brasileiros no dia 15 de dezembro.

 

 

 

Comente!