SPOILERS!!

Um dos filmes mais elogiados e intrigantes da filmografia Christopher Nolan, O Grande Truque contém uma reviravolta impactante na sua conclusão. Na crítica, falei de alguns pontos que levavam para aquele final e como nada foi no acaso e tudo foi muito pensado e arquitetado. Falarei das três reviravoltas, uma por uma para deixar claro como Nolan arquitetou tudo e como são recompensas para o espectador. Para quem já leu a crítica, o texto pode soar repetitivo, mas vou explicar com mais calma sobre as principais reviravoltas do filme. Então, se preparem e vamos as revelações:

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter e fique por dentro de todas as notícias! «

 ALFRED BORDEN/BENARD FALLON – QUAL É O REAL?

Resposta: Nenhum! Se prestarem atenção no começo do filme quando o advogado, Owens (Roger Rees), pergunta a Borden (Christian Bale) com quem ficará a guarda de sua filha e ele responde que será Fallon, esse só responde: “Ele tem um passado tão misterioso quanto o seu”. Isso já é uma dica para ficar de olho nesse personagem, mostra pouco o rosto e quase sempre está nas sombras. Se repararem no rosto dele, verão que é Christian Bale sobre a maquiagem.

Outra pista importante quanto a real “identidade” de Fallon: quando é raptado e enterrado por Angier (Hugh Jackman), é resgatado por Borden. O rival diz que parece que o engenheiro é mudo. E logo após ele ser salvo, corta para um jantar em que está Borden, Fallon, Olivia (Scarlett Johanson) e Sarah (Rebecca Hall). Borden está claramente alterado e diz que está pensando em um novo truque em que ficará uma noite inteira enterrado – assim como “Fallon” – e Olivia tenta confortá-lo, chamando-o de Freddie. Como falei na crítica, prestem bastante atenção na composição de Christian Bale: em momentos mostra como um sujeito calmo e calculado que se torna impulsivo e agressivo de uma hora para outra e no eixo da câmera quando Borden pressiona Fallon para descobrir como o rival faz O Homem Teletransportado. O Borden calmo a direita da tela enquanto o impulsivo a esquerda, parecendo que um está falando com o outro.

Para finalizar esse ponto, quando Angier é atingido por Borden no final, pergunta sobre os gêmeos e ele responde: “Nós dois éramos Borden e nós dois éramos Fallon. Cada um vivia metade de uma vida”. Ou seja, Alfred Borden e Bernard Fallon são personagens e nunca sabemos os verdadeiros nomes dos gêmeos. Essa questão da identidade leva a outra dúvida constante do filme, que falarei com mais detalhes.

LORDE CALDLOW É UM PERSONAGEM FEITO POR ANGIER?

Não, é o inverso. Robert Angier é um personagem criado por Lord Caldlow. No começo do filme, Angier e Borden são desafiados por Cutter (Michael Caine) há descobrirem o truque de um senhor chinês que faz um peixe aparecer e desaparecer em cima de uma mesa. Borden fala que o truque é que na verdade o velho é um jovem que finge que é um senhor de idade. Uma rima narrativa que se faz durante o desfecho do filme. E se notarem após essa cena quando corta para Angier junto com a sua esposa, Julia (Piper Perabo), eles falam sobre isso e ele fala sobre decidir ser mágico é uma vergonha para a sua família. Percebam na composição e no figurino de Jackman, como ele parece ser mais luxuoso que Borden. Sempre de terno com sobretudos, cartolas e bengalas – antes do seu acidente – e com o cabelo sempre penteado.

Outro ponto importante que mostra que sempre foi o Lord é só pensar o seguinte pergunta: como ele conseguiu pagar Tesla (David Bowie) para construir sua máquina, sendo que esse falou várias vezes que ela seria muito cara? E como ele foi várias vezes para os Estados Unidos? E quando o inventor fala do custo – falando no outro sentido – a resposta imediata do mágico é que o dinheiro não é problema.

E para finalizar, quando Borden reencontra o rival e pergunta sobre o Lord Caldlow, ele responde: “Sim, sempre fui”.

ANGIER REALMENTE MORREU NO FINAL?

Na verdade, Angier morreu na primeira vez que testou a máquina. Para quem não entendeu, a máquina faz réplicas exatas que além de serem idênticas fisicamente, ficam com a mesma consciência da pessoa que foi a cobaia. Lembrem que além de testar em cartolas, Tesla testou no gato de seu ajudante, Alley (Andy Serkis). Quando Angier vê o resultado no gramado com várias cartolas e gatos, já percebe o poder da máquina.

E como ele morreu na primeira vez que realizou o experimento? Lembrem o que disse na crítica: após realizar o experimento, um Angier disse para o segundo: “Espere, eu sou…” antes que esse seja morto pelo outro. Ele poderia muito bem dizer: “Espere, eu sou o original!”.

O tanque embaixo do palco foi planejado como uma armadilha para Borden? Sim, mas pode ser interpretado como se fosse um castigo de Angier. Que ele quer se reencontrar com Julia e lembrar do mágico simples que era, antes de se tornar O Grande Danton.

Essas são as principais respostas para essa ilusão de Christopher Nolan. Vocês tem alguma outra interpretação? Se sim, comentem! E não se esqueçam de curtir a página!

Comente!