A Wacom está por trás muitos produtos de entretenimento que consumimos diariamente, mas que nem desconfiamos que foram feitos através do auxílio das mesas digitalizadoras da empresa nipônica.

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter e fique por dentro de todas as notícias! «

O uso da mesa digitalizadora, afinal, pode auxiliar na construção de desenhos para quadrinhos até mesmo de confecção de peças de aviões. O limite é a imaginação. E foi justamente isso que a Wacom demonstrou com sua nova linha desenvolvida para lançar neste durante uma apresentação dedicada na produtora O2, uma das empresas brasileiras que utilizam as mesas da Wacom no cotidiano do trabalho, no dia 9 de março.

Thiago Machado, gerente geral da Wacom no Brasil nos convidou a conhecer os lançamentos “que apresentam o maior avanço tecnológico da empresa”, como dito em suas próprias palavras.

O carro-chefe mais comentado durante todo o evento foi a Intuos Pro Paper Edition. Funcionando de modo similar ao Bamboo Spark, a nova mesa permite que o artista utilize papel para desenhar e, então, digitalizar automaticamente. Porém, isso não significa que o aparelho não funcione apenas digitalmente. A ideia é servir como um dispositivo dois em um permitindo melhor relação entre homem e máquina.

Através do feedback da comunidade que consome as mesas, a Wacom levantou pesquisas que revelaram que a maioria dos artistas esboçava os desenhos em papel para só então digitaliza-los para refinar e colorir as obras em softwares dedicados com o auxílio dos modelos anteriores das mesas.

Com a Paper Edition a digitalização via scanner vira coisa do passado. A Wacom quer permitir o máximo de mobilidade para seus clientes, afinal as melhores ideias não têm hora e nem data marcada para surgir. A Paper Edition é justamente um grande facilitador de tudo isso. A mesa consegue armazenar até 200 desenhos em sua memória interna antes de sincronizar com a nuvem da Wacom, o serviço Inkspace que já permite a exportação dos esboços no formato de preferência do artista.

Para demonstrar a facilidade, rapidez, fidelidade ao esboço e praticidade do aparelho, Fábio Laguna, famoso desenhista muito conhecido por seu trabalho excepcional em Scooby Doo, além de já ter trabalhado para estúdios como Dreamworks e Pixar, fez uma competente demonstração de qualidade da mesa.

Rapidamente, esboçou um Scooby Doo no papel, exportou para a nuvem Inkspace, jogou o desenho no Photoshop, manipulou os ângulos que desejava traçar e finalizou a arte também com o uso da mesa digitalizadora. Logo, boa parte do trabalho já estava pronto assim que foi iniciado o processo de finalização do desenho. Nitidamente, ter essa facilidade de desenhar no papel e finalizar no digital economiza bastante tempo. O pacote acompanha a caneta a tinta especialmente desenvolvida para funcionar com a mesa, além da caneta digitalizadora.

Logo após, foram apresentadas as verdadeiras topo de linha para este ano: a Cintiq Pro e Mobile Studio Pro que ainda não estão disponíveis no Brasil para a venda, dependendo de homologação da Anatel. A Cintiq funciona de modo similar a um tablet, mas totalmente desenvolvido para desenhar diretamente na tela, sem lag algum, sem necessidade de bateria e, na versão de 16”, conta com tela 4K. E realmente, no produto de amostra que pudemos testar, a sensação de desenhar é excelente, além da caneta registrar com precisão cirúrgica os níveis de pressão aplicados nos desenhos.

Cintiq Pro

Cintiq Pro

Já a Mobile é um potente computador sensível ao toque capaz de executar softwares pesados tanto 2D quando 3D como o ZBrush. Com o poder de fogo do PC que conta com 16gb RAM, VGA Nvidia Quadro e processador Intel i7, tudo é devorado pela performance voltada para render o máximo de produtividade do artista sem ter que se preocupar com problemas técnicos. A tela também é 4K e consegue reproduzir com precisão 96% da Adobe RGB, além de acompanhar a caneta mais sensível e eficiente que a Wacom já produziu até agora.

Mobile Studio Pro

Outro ponto levantado por Thiago Machado foi a expansão de presença que a marca deseja ter no Brasil. Investir no nosso país é uma estratégia inteligente já que somos considerados um dos mercados mais criativos do mundo. A Wacom firmará parcerias com diversos centros educativos de design, além de fazer acordos com agências e produtoras.

Pelo que vimos neste ótimo apanhado geral, realmente a Wacom conseguiu criar equipamentos facilitadores para aumentar a produtividade profissional. Agora, fica a questão: como superar tudo isso?

Comente!