Lembranças de infância são sempre bem-vindas! Quem cresceu, como eu , em uma cidade pequena, Adamantina no interior do estado de São Paulo, desde pequena, aprendeu a valorizar ao máximo, o que fazia seus domingos – e feriados – mais felizes e risonhos.E o Mazzaropi, sem dúvida, faz parte dessa história!

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Ir às matinês eram eventos especiais! Primeiro, o almoço em família, com massas frescas feitas pela mãe e pela Tide. Depois de 2 horas, tomar banho e arrumar o cabelo. Aí, conferir o que havia sobrado do dinheiro do lanche na escola (não me lembro mais se era o cruzeiro o dinheiro oficial!…) e, então, partir para a grande aventura do dia – ir ao cinema!

Em Adamantina, existiam dois cinemas, mas somente o Cine Santo Antonio funcionava no horário das 15h30, quando se iniciavam as matinês. Depois de conferir os ingressos, vinha a passagem certa pela bombonière do cinema, para escolher as delícias – Mentex ou balas 7 Belo. Às vezes, podia ter pirulito colorido! E pipocas doces! Delícias da infância!!!

E já era tempo de se sentar nas cadeiras da frente – sim, eu já fui criança um dia! – para não perder nenhum trecho dos filmes do Mazzaropi e seu inesquecível Jeca Tatu! O Jeca e a Freira foi o filme que mais ri. Talvez por estudar em um colégio de freiras e todas serem muito sérias, como exigia a rígida educação da época. Mas também Tristeza do Jeca, Uma Pistola pra DJeca, As Aventuras de Pedro Malazartes e, claro, Jeca Tatu.

Eu me lembro muito bem como grudava os olhos na telona e me deliciava com cada bobagem que o Mazzaropi falava, imitando, como ninguém (descobri depois que ele cresceu em Taubaté, SP) o sotaque do interior que todos os parentes de São Paulo zoavam quando eu vinha de férias para a capital paulistana.  E posso garantir que as cadeiras do cinema não eram nada confortáveis. Mesmo assim, ria a valer com o personagem quase circense que ele criou. Só me levantava para ir ao banheiro quando  começavam os “terríveis” desenhos japoneses com monstros destruindo a humanidade toda!

Hoje, recebi um release de Ana Davini noticiando a 24ª Semana Mazzaropi, que acontecerá em São Paulo, em homenagem ao artista, entre os dias 2 e 9 de abril e não podia deixar sem noticiar no site.

Consta da programação atividades e eventos culturais em vários locais da capital. Espaços como o Caixa Belas Artes, o Centro de Pesquisa e Formação do SESC e o Centro de Memória do Circo receberão espetáculos, palestras e exibição de alguns filmes que, de alguma maneira, reacendem a memória de Amácio Mazzaropi, artista brasileiro, cineasta, diretor de filmes, ator de teatro, radialista, que até tentou, um dia, ser tecelão junto a seus pais.

Filho de um imigrante italiano, Bernardo e de uma imigrante portuguesa, Clara Ferreira, Mazzaropi conseguiu, em 1935, depois da Revolução Constitucionalista, a seguirem em turnê com a companhia que ele criara e a atuarem como atores. E, mesmo sem dinheiro, percorre municípios do interior de São Paulo. Somente com a morte da avó materna, Mazzaropi recebe herança e consegue comprar um telhado de zinco para seu pavilhão e pode estrear na capital, com atuações elogiadas pelos jornais paulistanos.

24ª Semana Mazzaropi

Entre as atrações programadas estão um show de variedades no Armazém da Cidade – rua Medeiros de Albuquerque, 270, Pinheiros), com números circenses; ações no Museu da Imigração – rua Visconde de Parnaíba, 1316, Mooca – bairro que ele morou e no Centro de Pesquisa e Formação do SESC (Rua Dr. Plínio Barreto, 285, Bela Vista). No primeiro, acontecerá a exibição do filme O Puritano da Rua Augusta – dia 8, às 14h30 seguida de um bate-papo sobre temas como a imigração italiana, a construção da identidade caipira, o êxodo rural, a modernização de São Paulo na metade do século XX e o cinema brasileiro. E no Centro de Pesquisa, haverá um encontro, no dia 6, às 19 horas, que discutirá a influência da tradição do cômico caipira em Amàcio Mazzaropi e sua proveitosa passagem pelos picadeiros.

O Cento de Memória do Circo – Galeria Olido – Av. São João 473, exibirá a comédia Crime da Cabra, que homenageia o circo e Mazzaropi, com bate-papo com Ariane Porto, diretora do filme e Walter de Souza Junior. No conjunto Caixa Belas Artes – Rua da Consolação, 2423 – promove a exibição dos filmes O Corintiano – campeão de bilheteria da época – e Zé do Periquito.

A 24ª Semana Mazzaropi foi idealizada pelo Instituto Mazzaropi e apresenta o tema “Mazzaropi, o Brasil e a Felicidade”, nome inspirado por todo o seu trabalho. Também serão desenvolvidas atividades em Taubaté, estado de São Paulo.

Ao amigo Mazzaropi, que fez minhas tardes de domingos muito felizes, minha eterna gratidão.

Comente!