Tradicionalmente, quando alguém imagina uma corrida, imediatamente associamos altas velocidades em conjunto. Porém, não é isso o que acontece na Ban’ei, um modo de corrida que é tradição na ilha de Hokkaido no Japão. 

Os cavalos de corrida Ban’ei são muito diferentes dos puros-sangues rápidos que associamos às corridas de cavalos. Eles podem pesar até 1.200 quilos e têm mais que o dobro do tamanho de outros cavalos tradicionais da ilha. 

Esses fortíssimos animais foram selecionados através de décadas para serem as melhores criaturas de tração do mundo. E por conta dessa característica, temos a corrida Ban’ei .

Eles puxam trenós que pesam entre 450 kg e 1 tonelada em uma pista de corrida de areia com pelo menos duas rampas. É um trabalho difícil, e os cavalos geralmente precisam fazer uma pausa, especialmente depois de cruzar um obstáculo. Por conta disso, a disputa é bastante lenta. Um prato cheio para os pacientes.

Para deixar a corrida ainda mais intensa, o cavalo e o jóquei só vencem a competição quando cruzam a linha de chegada em sua totalidade. Ou seja, só depois de o trenó atravessar a marca que a equipe se torna campeã. 

Em 2012, a corrida de cavalos Ban’ei foi declarada uma importante herança cultural de Hokkaido e grandes patrocinadores corporativos correram para garantir sua sobrevivência através de doações. O esporte prosperou desde então e, no ano fiscal de 2017, a receita aumentou para 21,9 milhões de ienes, 36,1% a mais que no ano anterior.

Entretanto, obviamente, por conta da natureza polêmica de obrigar um animal de tração puxar um trenó com pesos equivalentes à uma tonelada, a Ban’ei é abominada por diversos grupos de proteção animal. Até hoje, não houve ações significativas que impedissem a prática da corrida.