em ,

Crítica | Better Call Saul – 03×07: Expenses

Logo no primeiro enquadramento do episódio, vemos Saul Goodman (Bob Odenkirk) isolado no canto da imensa parede que cobre todo o quadrante. Já era um direcionamento para o que viria o episódio. Não que ele fosse intimista, mas Expenses é um episódio que aprofunda mais nas consequências da suspensão de Jimmy McGill (Bob Odenkirk) da advocacia.

Logo no começo do episódio, Jimmy aparece cumprindo pena fazendo trabalho comunitário. No caso, limpar um terreno onde as pessoas depositam seus lixos. Ao mesmo tempo que recolhe a imundice, atende os telefones dos prováveis clientes do seu novo trabalho de filmar comercial. Montagem aqui ajuda bastante dando um sentimento de frustração com um cansaço físico e mental ao mesmo tempo de um sopro de esperança. Ao fim do turno, Jimmy é o primeiro a sair da van até o estacionamento para se limpar com um lenço umedecido e se trocar. Toda a sequência demonstra o esforço que o personagem faz para se manter em equilíbrio e reproduzir esperanças. O enquadramento da câmera no ator que encosta a cabeça contra o volante ajuda a ter as perspectivas de sua caída.

Mas não só em Jimmy observamos as consequências. Kim (Rhea Seehorn) também sofre com o processo que enfrentou e ganhou, na dualidade se fez algo certo ou não. Não tínhamos uma visão disso no episódio passado e, mesmo não soando forçado, vemos observar o desconforto que Kim sentia com a situação e aos poucos o afastamento dela do personagem, algo certo devido a ausência em Breaking Bad. Tal desconforto mais visível nas ações da personagem provocada pelo roteiro que nitidamente pela sua atuação. Kim é demonstrada com fadigas emocionais, gritando com a cliente e desconfiada de Jimmy.

Paralelo a isso, temos a trama de Mike (Jonathan Banks). Ironicamente, a temporada começou com a narrativa dele, mais intimista, contrapondo com o ritmo investigativo. Agora, sua narrativa não tem a presença do núcleo investigativo, se fechando em um drama mais familiar e na recomposição do homem. Claro que se isso ficasse até o final, não teríamos o Mike de Breaking Bad. O rito final do episódio deixou claro isso. Já sabíamos do episódio anterior que Nacho (Michael Mando) não estava muito contente com o tio. Agora, vemos ele articular um plano para matá-lo. Para isso, ele pede ajuda a Daniel (Mark Prosch), o cara das figurinhas, que, como em um efeito dominó, pede ajuda a Mike, novamente conectado a aquele mundo. Para além disso, não há muita euforia sobre a narrativa, apenas a negação que Mike sempre faz em voltar a esse mundo, como um efeito da jornada do herói, porém averso. Devemos esperar uma relação mais próxima de Nacho e Mike para os próximos episódios.

A volta à narrativa de Jimmy, o vemos em uma tentativa de cancelar e pedir reembolso do seguro até o fim do ano. Claro que é negado, mas o trunfo da cena é demonstrar que Jimmy, agora vestindo a carapuça de Saul, não se vê satisfeito com a queda do irmão. Ele acaba relatando que o irmão está doente para a funcionária dos seguros em um plano para que Chuck pague mais pelo seguro também. Além de enfatizar uma crítica às companhias de seguro em suas altas taxas, encerra o episódio, talvez o mais fraco até aqui, de forma convincente com o personagem em destaque sua característica mais interessante, de proporcionar saídas para seus problemas.

Expenses, assim como a tradução literal do título, explana em como tem sido caro as consequências das ações de Jimmy. Não apenas em uma ideia financeira, mas principalmente emocional. Desenvolve os personagens em uma nova faceta, mas não consegue equilibrar o ritmo, em uma tentativa de balancear o drama, presente desde os diálogos até a atuação dos personagens, com o humor, que timidamente aparece representado no humor mais físico e cartunesco. O bom é que, mesmo em um episódio mais fraco, Better Call Saul ainda nos presenteia com a boa fotografia e boas atuações.

Agora é esperar pra ver o que a série consegue proporcionar em sua reta final.

Better Call Saul – 03×07: Expenses (Idem, EUA – 2017)

Criado por: Vince Gilligan, Peter Gould
Direção: Thomas Schnauz
Roteiro: Thomas Schnauz
Elenco: Bob Odenkirk, Rhea Seehorn, Michael Mandon, Jonathan Banks, Mark Prosch
Emissora: AMC
Gênero: Drama
Duração: 50 min

Confira AQUI nosso guia de episódios da temporada

Escrito por Filipe Gabriel

O que você achou desta publicação?

Publicado por Redação Bastidores

Perfil oficial da redação do site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Kim Woo Bin, jovem ator de doramas, é diagnosticado com câncer

Crítica | American Gods – 01×04: Git Gone