em , ,

Crítica | Freaky: No Corpo de um Assassino – Um Viciante Pastiche Cinematográfico

Christopher Landon é um dos nomes mais interessantes do cenário cinematográfico contemporâneo, principalmente quando pensamos no gênero do terror. Além de ter ficado responsável por diversas entradas da franquia Atividade Paranormal, Landon também emprestou sua criatividade sem limites a um suis generis que parece ganhar mais espaço a cada ano que chega: o terrir. Misturando as clássicas entradas do suspense e do agonizante slasher a escapes cômicos muito bem estruturados em um roteiro irreverente, o realizador deu vida a Como Sobreviver a um Apocalipse Zumbi e à inesperada saga A Morte Te Dá Parabéns – esta última abrindo espaço para incursões da ficção científica em uma nostálgica e pungente atmosfera à la Pânico e Sexta-Feira 13.

Com a chegada de 2020, Landon abriu portas para mais uma investida interessante e que retomaria as inflexões sci-fi ao lado de Jason Blum, um dos produtores mais conhecidos da atualidade. Inspirado pelo clássico Sexta-Feira Muito Louca, o diretor e roteirista arquitetou uma singela e despretensiosa aventura intitulada Freaky – No Corpo de Um Assassino. A simples premissa gira em torno de Millie (Kathryn Newton), uma jovem estudante que sofre com ataques de valentões diariamente em sua escola e, numa infeliz noite, é atacada por um serial killer conhecido como o Carniceiro de Blissfield (Vince Vaughn). Entretanto, diferente do que esperava, ela não simplesmente morreu, e sim trocou de corpos com seu algoz, acordando em uma pocilga cheia de armas letais e carcaças de animais. A verdade é que o Carniceiro utilizou uma antiga adaga mística para permitir a transferência de almas e continuar seu reinado de caos sob um semblante inocente e que não chamaria a atenção.

É interessante ver como a multiplicidade de gêneros narrativos continua a encantar um público sedento pela novidade e pela ousadia. É um fato dizer que o longa-metragem em questão é previsível – afinal, tudo tem que dar certo no final. Millie e o Carniceiro partem em uma jornada mortal para provarem a si mesmos quem é mais digno de ficar com o corpo da garota e, nesse turbilhão de eventos, o enredo cuidadosamente assinado por Landon e por Michael Kennedy não deixa pontas soltas e nos entrega exatamente o que promete: uma sanguinolenta aventura adolescente que não pensa duas vezes antes de ser explícita ao máximo. É claro que Freaky não representa nenhuma grandiosa revolução no tocante à arte de fazer cinema, mas vem como um escapismo diabolicamente delicioso para um ano conturbado e difícil de lidar.

Newton e Vaughn roubam a cena, como é de se esperar. Não apenas por interpretarem com perfeição seus respectivos personagens iniciais, mas por transmutarem-se em personalidades totalmente diferentes em um estalar de dedos. Afinal, o Carniceiro, agora no corpo de Millie, faz com a jovem se torne uma bombshell perigosa e sedutora cujo principal objetivo é matar – não importa quem esteja em sua frente; Millie, agora presa em uma máquina mortífera, deve fazer o possível e o impossível para que seus amigos, Nyla (Celeste O’Connor) e Josh (Misha Osherovich), acreditem no que aconteceu e possam ajudá-la a reverter um pesadelo inexplicável.

A obra não se limita apenas a drenar mimetismos de outros clássicos slasher, como mencionado. Os banhos de sangue são, de fato, as sequências mais aguardadas pelos espectadores, que clamam pela tragédia alheia e pela forma como tudo será conduzido. Mas Landon é sagaz ao pincelar a trama principal com subtramas que vão desde o bullying até a homofobia, do empoderamento até o romance. Josh, por exemplo, poderia muito bem ceder aos estereótipos do coadjuvante gay, assassinado nos primeiros minutos e desfavorecido de qualquer personalidade; entretanto, ele é uma das peças-chave, ao lado de Nyla, para garantir que a troca de corpos seja desfeita e que Millie volte a ser quem era antes que seja tarde demais. A protagonista, por sua vez, comenta o quão estranhamente gratificante é se sentir forte e invencível, ainda mais por sofrer dia após dia nas mãos de colegas idiotas.

Como se não bastasse, o roteiro deixa claro que não vai se levar a sério e que tudo a que estamos assistindo é fruto de produtos audiovisuais anteriores. Então o que faz desse filme algo especial? Bom, para além da óbvia e apaixonante química entre o elenco protagonista, há um certo teor emblemático que se estende desde as dinâmicas movimentações da câmera até a orgástica e simétrica fotografia que arranca o melhor do que poderia parecer óbvio. Afinal, colocar o Carniceiro como Millie no centro dos holofotes e numa construção bem diferente do que costumava ser não é o que esperaríamos de alguém que desejava passar despercebido, da mesma forma que Millie como seu algoz nos arranca risadas involuntárias pelo fato dela não estar acostumada ao corpulento homem que usa como receptáculo.

Landon acerta em cheio também ao seu unir com o compositor Bear McCreary para comandar a trilha sonora. Conhecido por suas produções em Battlestar Galactica, The Walking Dead e Outlander, McCreary tem um apreço interessante pelo classicismo orquestral, movido a violinos e violoncelos que se fundem em uma explosão dissonante e arrepiante. Por vezes, ele também deixa que o tão infame mickey mousing fale mais alto – mas nada é feito sem propósito: assim como a premissa supracitada, a estrutura instrumental é uma ode e uma carta de amor aos longas que inspiraram essa mais nova e viciante adição ao catálogo da Blumhouse.

Freaky – No Corpo de um Assassino (Freaky – EUA, 2020)

Direção: Christopher Landon
Roteiro: Michael Kennedy, Christopher Landon
Elenco: Kathryn Newton, Vince Vaughn, Katie Finneran, Celeste O’Connor, Dana Drori, Misha Osherovich, Uriah Shelton, Alan Ruck
Duração: 86 min.

O que você achou desta publicação?

Publicado por Thiago Nolla

Thiago Nolla faz um pouco de tudo: é ator, escritor, dançarino e faz audiovisual por ter uma paixão indescritível pela arte. É um inveterado fã de contos de fadas e histórias de suspense e tem como maiores inspirações a estética expressionista de Fritz Lang e a narrativa dinâmica de Aaron Sorkin. Um de seus maiores sonhos é interpretar o Gênio da Lâmpada de Aladdin no musical da Broadway.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Samsung vai vender Galaxy S21 sem fone e carregador na caixa

Alfred Molina deve retornar como Dr Octopus em Homem-Aranha 3