em , ,

Crítica | Penny Dreadful: 3ª Temporada – A Hora e a Vez de Vanessa Ives

Enfim chegamos à aguardada conclusão de Penny Dreadful. A apaixonante, complexa e angustiante jornada de Vanessa Ives (Eva Green) encontra o seu fim e, ainda que tenha dividido o gosto e a atenção do público, é inegável que a série criada por John Logan quebrou os paradigmas do saturado gênero do terror psicológico e do gore e cumpriu com sua promessa: renovar a televisão contemporânea e dar um up na indústria do entretenimento. Diferente de outras produções que seguiram a mesma linha, esta aqui traz, além de atuações impecáveis, reflexões acerca da natureza humana, da conturbada escolha entre o que é certo e o que é justo, e do sacrifício em prol de um bem maior. E ainda que sintamos falta dos episódios semanais, o show definitivamente não será esquecido por muitos e muitos anos.

Após o soberbo e comovente finale da segunda temporada, Vanessa trilha o seu caminho sozinha. Sir Malcolm (Timothy Dalton) viaja para a África e se encontra com um misterioso nativo que promete mudar suas concepções sobre a vida e sobre os enigmas que perscrutam seu passado, Ethan (Josh Hartnett) é enviado para a América a mando do Inspetor Rusk (Douglas Hodge), e Victor (Harry Treadaway) retorna a seu próprio mundo para continuar as pesquisas e reconquistar o coração perdido de Lily (Billie Piper), sua última criação que acabou se rebelando e se juntando a uma sinistra figura tão imortal quanto ela própria.

Já nos primeiros minutos do terceiro ano, percebemos que Logan opta por uma atmosfera ainda mais sombria, marcada por um claro expressionismo e uma coibição otimista. Vanessa, ainda que tente prosseguir com seu cotidiano, está marcada por inúmeros traumas e se transforma em uma mulher cada vez mais frágil, mas não no sentido real da palavra: por ter intenções puras e sempre ter prezado pelo melhor, a heroína se torna influenciável ao extremo, atraindo a atenção de um curador de museu chamado Alexander Sweet (Christian Camargo). Sua presença é envolvente desde o princípio, mas refuta quaisquer esperanças para a sanidade de Vanessa quando revela ser, na verdade, o grande arauto das Trevas conhecido como Drácula.

O famoso vampiro, relido e repaginado diversas vezes para o cinema e para a TV, é uma adição aguardada desde os primeiros episódios de Penny Dreadful. Para aqueles que não se recordam, Vanessa, Malcolm e Ethan enfrentaram inúmeros servos de Drácula escondidos nos becos e esgotos de Londres, para reencontrar Mina (Olivia Llewellyn) e descobrir que ela também havia sido transformada. Porém, eles nunca de fato chegaram a enfrentá-lo, e é compreensível que o showrunner tenha deixado o melhor para o final. Seguindo um padrão que nos relembra Bram Stoker, o antagonista é um charmoso cientista, dotado de uma retórica exemplar e de uma capacidade incrível de persuadir quem bem desejar. À medida que se aproxima dela, revela suas intenções de trazê-la para seu lado como noiva e dar início a um reino de terror e caos.

Essa não é a única drástica mudança dos arcos principais. Lily e Dorian (Reeve Carney) também são incumbidos com uma tarefa decisiva para a mudança de relações entre homem e mulher dentro da sociedade londrina. O casal faz um incrível retorno ao resgatarem a jovem prostituta encarcerada Justine (Jessica Barden) e começarem um clã feminino justiceiro supervisionado pela personagem de Piper. Na sequência em questão, o diretor Damon Thomas coreografa com precisão os movimentos de luta, adicionando alguns elementos populares das obras de ação, e culminando novamente no preciosismo cênico da Inglaterra vitoriana. É certo dizer que eles também resgatam a teatralidade trágica com seus diálogos existenciais e políticos, aumentando o misticismo da temporada até os minutos finais da série.

Green rouba a cena em mais um dos aguardados flashbacks, mas dessa vez dividindo os holofotes com Rory Kinnear, retornando como John Clare, mas antes de morrer e se tornar o monstro de Frankenstein. Acontece que John trabalhava em um sanatório, o mesmo no qual Vanessa foi internada para ser tratada de suas frases sem sentido e seus constantes episódios de epilepsia (que na verdade se revelaram como possessões demoníacas). Posso dizer com convicção que a atuação de Green é um dos pontos altos, resgatando a glória de outras construções tão importantes, como a possessão em Séance, na primeira temporada, ou sua gloriosa rendição em Possession. A atriz já se provou merecedora dos aplausos e aqui não poderia ser diferente, entregando-se de corpo e alma para as nuances necessárias que transformam a protagonista em uma das criações mais complexas da televisão contemporânea.

Eventualmente, Vanessa é levada ao limite e rende-se à escuridão para salvar a si mesma e para salvar seus amigos. Ethan, por sua vez, recebe ajuda de uma antiga inimiga, Hecate (Sarah Greene), e acaba retornando como o Lobo de Deus para por fim nas investidas demoníacas de Drácula. O aguardado final talvez não tenha sido melhor recebido pelo público pelo choque e por ter colocado fim ao arco da heroína da forma mais pura possível: em uma resolução shakespeariana à la Romeu e Julieta, ela dá seu último suspiro nos braços de Ethan, marcando uma simbólica construção entre o bem e o mal, o sacrifício e o poder.

As ambivalências de Penny Dreadful não se restringem apenas ao plano sobrenatural e se estendem para os outros personagens. Victor, Lily e Dorian dão adeus de forma mais resignada, compreendendo que seus esforços de nada serviram para as mudanças que buscavam causar. É muito fácil perceber como o negativismo compulsório é um dos elementos de ambientação mais utilizados e que melhor funcionam para nos envolver – não é à toa que funciona até os momentos finais. E, de qualquer modo, essa incrível série sempre foi capaz de nos relembrar que a morte é certeira e é apenas o princípio de uma nova e eterna jornada.

Penny Dreadful – 3ª Temporada (Idem, Reino Unido – 2016)

Criado por: John Logan
Direção: Damon Thomas, Toa Fraser, Paco Cabezas
Roteiro: John Logan
Elenco: Eva Green, Reeve Carney, Timothy Dalton, Rory Kinnear, Billie Piper, Harry Treadaway, Josh Hartnett, Christian Camargo, Patti Lupone, Wes Studi
Emissora: Showtime
Episódios: 09
Gênero: Drama, Terror, Suspense
Duração: 50 min

O que você achou desta publicação?

Publicado por Thiago Nolla

Thiago Nolla faz um pouco de tudo: é ator, escritor, dançarino e faz audiovisual por ter uma paixão indescritível pela arte. É um inveterado fã de contos de fadas e histórias de suspense e tem como maiores inspirações a estética expressionista de Fritz Lang e a narrativa dinâmica de Aaron Sorkin. Um de seus maiores sonhos é interpretar o Gênio da Lâmpada de Aladdin no musical da Broadway.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Quarta temporada do podcast Projeto Humanos será lançada sob selo Half Deaf

Membros do Templo Satânico ameaçam processar Netflix por uso de Baphomet em seriado de Sabrina