» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Aqui está! O tão aguardado final da segunda temporada de Scream Queens. É impressão minha ou o primeiro episódio já aconteceu há séculos? Enfim, o episódio Drain The Swamp estreou no canal FOX no dia 20 de dezembro, trazendo consigo roubos, um casamento, várias mortes e sobretudo um grande sentimento de desilusão.

As Chanels são novamente atacadas pelos dois Green Meanies restantes – e pela milésima vez, conseguem escapar ilesas. No começo, esse jogo de gato e rato era divertido, por ser permeado com clichês de filmes de terror e diálogos autoexplicativos que contribuíam para a própria identidade da série. Mas agora, tudo é só… Desinteressante. Começo a achar que estes assassinos não se esforçam minimamente. É então que Cassidy (Taylor Lautner) decide que quer ser boa pessoa e vai parar de matar, o que deixa a enfermeira Hoffel (Kirstie Alley) naturalmente furiosa.

Enquanto isso, Brock (John Stamos) e Hester (Lea Michele) engendram um plano um tanto quanto extraordinário, já que, na cabeça deles, tudo é possível. A diretora Munsch (Jamie Lee Curtis) está prestes a morrer, como nos apontou o gancho do penúltimo episódio. Portanto, Brock irá se casar com ela e herdar sua herança após alguns meses, para que ele e sua mais nova amada – casal o qual não traz um pingo de químicas às telinhas – possam fugir para uma ilha deserta e viver felizes para sempre.

Claro que a novidade não é, de todo, bem recebida por Chanel (Emma Roberts). Ainda assim, a cerimônia vai avante e o casamento é oficial! Ao mesmo tempo, Hoffel descobre que os resíduos no pântano atrás do hospital são inflamáveis. Combinem isso com uma mente de serial killer e pronto: dá-se início à construção de uma bomba de fertilizante.

Cassidy decide confrontar a sua mãe acerca da sua mudança de espírito, a qual também não fica agradada com a notícia. As pessoas nesta série andam claramente nervosas. Contudo, Zayday (Keke Palmer) – sim, ainda está raptada -, consegue dar todo um discurso motivacional e mudar as ideias de Jane (Trilby Glover).

Chanel #5 (Abigail Breslin), após ter tido resultados perfeitos no seu exame médico, parece estar realmente se revelando como uma futura médica, sendo responsável pelas biópsias e pelos prognósticos de Munsch – inclusive supondo, para desespero de certos personagens, que ela pode não estar com uma doença terminal acabando com a saúde de seu corpo. Como tal, sugere uma operação ao cérebro, para determinar a raiz do problema.

A perspectiva de Munsch sobreviver não agrada a ninguém e todos começam a tomar medidas. Hester suplica a Brock para que ele assassine a diretora durante a operação, fingindo que foi um erro. Chanel recorre ao seu famoso café Starbucks – um dos bordões que ainda funciona na série -, ameaçando jogar a bebida para cima do cérebro exposto da ex-reitora.

Claro que nenhum destes planos dá resultado e, após a operação, a diretora descobre que apenas estava severamente desidratada, já que apenas tem consumido vodka e uísque nos últimos anos. Incluindo à refeição e ao lavar os dentes. O problema verdadeiro aqui deveria ser um cancro gigante no fígado, mas isto é Scream Queens e tudo é possível.

Após o sucesso do dia, Hoffel finge dar uma festa no porão e convida todos os protagonistas: Munsch, Cassidy, Brock e as três Chanels. Contudo, tal “evento” não passava de uma armadilha para os prender numa jaula, de modo a colocar a dita bomba em contagem decrescente e explodir com o hospital de uma vez por todas.

Zayday e Jane aparecem a tempo de travar a cena, mas esta última acaba por ser abatida a tiro por Hoffel, enquanto Zayday é presa em conjunto com os outros. Mas não se desesperem! A melhor detetive do mundo está de volta. Sim, a própria Denise Hemphill (Niecy Nash)! Como? Acontece que, enquanto Hoffel estava montando a bomba, desligou a máquina na qual Denise estava conservada – e ela ressuscitou por um milagre. Obviamente, em circunstância reais, seu corpo não poderia ser reavido, principalmente pelas consequências do choque que levou alguns episódios atrás. Mas estamos falando de uma criação de Ryan Murphy. As impossibilidades são infinitas – e estes toques são o que mantém os fãs assíduos da série ainda esperançosos de que as coisas melhorem.

Denise consegue desativar a bomba e o grupo persegue Hoffel pelo hospital. A meio do caminho, a inimiga leva consigo mais uma vítima: Cassidy, que leva com um machete no peito e morre nos braços de Chanel #3 (Billie Lourd). No exterior, Hoffel acaba por cair numa zona de areias movediças e o grupo vê horrorizado a morte lenta da assassina.

No final do episódio, cada um consegue aquilo que queria. Chanel #5 e Zayday continuam a trabalhar no hospital, fazendo-o com perfeição. Hester e Brock conseguem efetivamente roubar todo o dinheiro de Munsch e fugir para uma ilha deserta. A diretora decide vender o hospital e usar o dinheiro para abrir uma clínica de sexologia para mulheres acima dos cinquenta anos.

Chanel é oficialmente apresentadora de televisão, tendo o seu próprio programa sobre medicina e Chanel #3 é a produtora executiva. No final de um dos dias de trabalho, Chanel entra no seu carro e depara-se com uma pequena lembrança da irmandade Kappa Kappa Tau (da primeira temporada), à medida que o famoso Red Devil aparece por trás, pronto para matá-la.

Este episódio foi, sem dúvida, um dos mais hilariantes de toda a série, nomeadamente nas cenas em que o grupo está enjaulado, na redenção que Cassidy obtém ao morrer nos braços da amada e no regresso fabuloso de Denise. Ainda assim, Scream Queens chegou a um ponto ridículo, em que a verossimilhança já não existe e a fronteira entre a criação e o repugnante se tornou um simples borrão do passado. As coisas não são feitas de forma inteligente, mas absurda. Além disso, o season finale foi completamente previsível e entrou aqui apenas para aparar pontas: os assassinos eram conhecidos, o desfecho dos arcos das personagens não trouxeram quase nada de novo e não pudemos nem sofrer um pouco com a perda de Hoffel – pois seu desenvolvimento se deu ao acaso.

Com a aparição do Red Devil no final, à semelhança do desfecho da primeira instalação, podemos provavelmente esperar uma terceira temporada. Resta saber se eu e muitos outros fãs ainda teremos paciência suficiente para a acompanhar.

Comente!