Tornou-se de praxe para o cinema contemporâneo buscar novas formas de se contar histórias dos mais variados gêneros. E nos últimos anos, poucos foram os filmes que conseguiram nos entregar uma nova perspectiva – como por exemplo Moonlight: Sob a Luz do Luar ou Três Anúncios para Um Crime, que mergulharam em narrativas marcadas pelas fórmulas fílmicas e quebraram-nas em diversos pedaços, apenas para juntá-las em algo novo ou que ao menos seja construído com o intuito de se afastar do que já nos é comum. E talvez um dos gêneros que mais tenha sofrido com essa saturação exacerbada seja o dos romances – que, caso não estejam inseridos em um escopo tragicômico, respaldam-se no preciosismo romântico que foge à nossa realidade, rendendo-se a um fabulesco conto de fadas que, convenhamos, não traz absolutamente nada de interessante (ao menos não hoje).

É aqui que Barry Jenkins, retornando para as telonas dois anos depois de se aventurar na complexa vida da comunidade negra norte-americana, delineia sua mais nova história e partindo novamente de uma ótima obra assinada por James Baldwin. Diferente do que podemos imaginar, os tensos temas raciais não são tratados com a crueza dos documentários ou dos dramas que insurgem volta e meia na indústria, mas sim travestidos com doses quase diabética de onirismo e sutileza. Afinal, Jenkins já provou ser um amante de devaneios intimistas e das mais íntimas relações interpessoais – em Moonlight, cada cena era coreografada com a maior precisão possível e construía-se sobre um estudo de autoaceitação e identidade.

Ainda que o diretor tenha encontrado seu triunfo em sua segunda investida cinematográfica, era de se esperar que se nível se mantivesse para sua mais nova produção, Se a Rua Beale Falasse. No geral, Jenkins continua nos bombardeando com deliciosos shots catárticos, envolvendo-nos em mais um enlace romântico tão puro quanto a neve e tão complicado quanto a nossa própria vida. Entretanto, sua preocupação cênica, mesmo buscando referências dentro de sua filmografia, deixa a desejar em alguns momentos e não consegue se privar de se entregar a algumas saídas um tanto quanto convencionais, ainda que compreensíveis. De qualquer forma, o drama de época consegue atravessar a cronologia na qual se insere, estendendo-se para os dias de hoje de modo coeso e incólume.

Situado entre as décadas de 1970 e 1980 nas periferias nova-iorquinas do Harlem, cujo bairro sempre serviu de abrigo para a comunidade afro-americana exilada dos grandes centros patriarcais e brancos dos Estados Unidos, a narrativa principal gira em torno de dois jovens cujos sonhos vão muito além de suas realidades: Tish (KiKi Layne), a narradora onisciente de nossa jornada perscrutada de inúmeros obstáculos, e Alonzo “Fonny” (Stephan James). Os dois são uma tradução menos idealizada de Romeu e Julieta, ainda que estejam envolvidos em uma cúpula sonial simbolizada principalmente pela iluminação difusa em diversas sequências nas quais se olham por longos e longos minutos. E trilhando o mesmo caminho do casal shakespeariano, Tish e Fonny também veem suas vidas virarem de cabeça para baixo quando este é preso logo depois daquela engravidar.

Rua Beale não é um simples romance estruturado dentro de suas regras imutáveis e bastante práticas. Ele estende-se para o sui generis do drama familiar e exterioriza de modo menos explícito as questões raciais que sempre permeiam as estórias de Jenkins. Não é nenhuma surpresa, pois, que algumas das melhores cenas se concentrem em lugares fechados, normalmente residências a priori aconchegantes que em poucos minutos se transformam em antros do caos. Tish vê sua felicidade se afundar na lama quando a sogra, que sempre encontrou motivos para desprezá-la através de argumentos fanaticamente religiosos, condenando a criança que nem ao menos nasceu a uma vida bastarda “pelos olhos de Deus” – e é aí que sua própria família coloca-se para ajudar a menina, defendendo-a com unhas e dentes em diálogos de tirar o fôlego.

Também é nesse meio que Jenkins orquestra uma montagem multicronológica, indo e vindo em explicações que, eventualmente, não são cansativas em quase nenhum momento, e que aproveitam o momento para colocarem um nome de incrível força no escopo periférico do longa: Regina King joga-se de corpo e alma em uma de suas melhores performances da carreira, retornando em toda sua glória e forma para as telonas no papel da protetora e compreensiva mãe Sharon, que inclusive acompanha sua filha a diversas sessões com o advogado de defesa para livrar Fonny das grades – afinal, ele havia sido acusado injustamente de estuprar uma mulher porto-riquenha, que foi coagida por um policial a apontá-lo como culpado.

São nessas pequenas entradas, nem um pouco forçadas ou pedantes, que o racismo ganha forma como uma das principais técnicas do diretor de aglutinar seu público para um determinado foco narrativo. É também com isso que ele usa e abusa de algumas técnicas já antes vistas, como a baixa profundidade de campo, aliado ao foco em big-close dos personagens mais importantes para a trama, além do jogo do campo-contracampo que é alternado conforme os diálogos se desenrolam. É claro que, à medida que nos aproximamos da metade do filme, essa “preocupação” artística é bastante previsível e perde sua força emocional, recuperando-se apenas nos últimos momentos do ato final – e graças ao poder performático de King.

Rua Beale tem seus erros incorrigíveis, mas isso não tira o mérito que Jenkins, aliado a um elenco de ponta, traz para renovar os espíritos sobre o exaustivo gênero romântico. Além de eternizar um clássico conto com suas próprias pinceladas, o diretor constrói uma belíssima história de superação e independência que, ainda que precise de lapidações, é emocionante por todos os motivos certos.

Se a Rua Beale Pudesse Falar (If Beale Street Could Talk – EUA, 2019)

Direção: Barry Jenkins
Roteiro: Barry Jenkins, baseado no romance de James Baldwin
Elenco: KiKi Layne, Stephan James, Regina King, Colman Domingo, Teyonah Parris, Michael Beach, Ebony Obisidian
Gênero: Drama
Duração: 119 min.