Em 2016, Johnny DeppAmber Heard ganharam mais uma vez os holofotes devido a casos de agressão doméstica que o ator teria infligir contra Heard. Apesar da polêmica ter esfriado, novos documentos podem ter trazido as acusações de volta às discussões.

Segundo o site The Hollywood Reporter, que primeiro divulgou a notícia, o tabloide The Sun, responsável por divulgar os acontecimentos de abuso físico, foi processado por Depp por difamação, visto que o crime não fora comprovado pela justiça. Segundo a legislação inglesa, o autor da matéria deveria ter modos de provar as conturbações entre Depp e Heard, tendo obtido documentos que sustentassem a teoria.

Aparentemente, uma amiga próxima da atriz, Raquel Pennington, teria fornecido o necessário para mobilizar a polícia e levá-la até a casa do ator em 18 de julho. Segundo Pennington, ela estava no telefone com Heard quando as agressões iniciaram. Ela também afirmou que viu e tirou fotos dos machucados de Heard, e até mesmo foi impedida de entrar na mansão de Depp, bloqueada por seguranças.

O caso repercutiu no mundo inteiro, levando a atriz, que agora voltou às telonas com Aquaman, a escrever um artigo para o jornal The Washington Post declarando que seu casamento “foi pautado na violência e na sabotagem”.

Depp e Amber não foram os únicos a protagonizarem casos de assédio e agressão. A partir de 2016, Roman PolanskiHarvey Weinstein, Kevin Spacey e até mesmo James Gunn foram acusados. Porém, diferente de Depp, as alegações foram provadas e eles foram retirados de suas inúmeras funções dentro da indústria do entretenimento. Agora, parece que o ator conhecido pela franquia Piratas do Caribe pode ver o jogo mudar de novo.

A audiência entre Johnny Depp e o tabloide The Sun ocorrerá no da 22 de fevereiro deste ano.