em ,

Estudo aponta que maioria do público de shows de música eletrônica utiliza drogas nos eventos

Um levantamento feito pelo instituto americano DrugAbuse foi publicado recentemente. Contando com a participação de 976 pessoas, de idade média de 37 anos, o estudo foi feito para identificar quais eventos de gêneros musicais possuem os maiores números de usuários de drogas, além de revelar a idade que começaram a usar as substâncias e o motivo.

O primeiro dado revelado é que a maioria das pessoas (57%) que foi a shows admitiu usar álcool ou drogas, sendo mais de 93% consumindo bebidas alcoólicas e quase 40% fazendo uso de maconha.

Quanto ao gênero musical, mais de dois terços (67.5%) das pessoas entrevistadas que participaram de uma festa de música eletrônica, raves, admitiram consumir drogas ou álcool, seguidos pelos metaleiros (62.2%).

Porém, a principal diferença entre os fãs de heavy metal e música eletrônica no consumo é o motivo. Dois em cada cinco roqueiros informaram que consomem drogas ou álcool buscando reduzir a ansiedade social, enquanto que 77% dos fãs de música eletrônica relataram que o consumo é feito para deixar a festa mais divertida ou para se conectarem melhor com a música.

Outro dado mostra que, no cenário eletrônico, a substância mais consumida é o álcool (54,9%), seguido de maconha (29,3%) e ecstasy/MDMA (25,6%) — este com uma porcentagem bem maior quando comparado aos outros gêneros musicais.

Confira os gráficos abaixo:

O que você achou desta publicação?

Avatar

Publicado por Matheus Fragata

Editor-geral do Bastidores, formado em Cinema seguindo o sonho de me tornar Diretor de Fotografia. Sou apaixonado por filmes desde que nasci, além de ser fã inveterado do cinema silencioso e do grande mestre Hitchcock. Acredito no cinema contemporâneo, tenho fé em remakes e reboots, aposto em David Fincher e me divirto com as bobagens hollywoodianas.

Comentários

Leave a Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Loading…

0

Comente!

Holmes & Watson é tão ruim que nem mesmo a Netflix quis comprá-lo

Fãs poderão pilotar a Millennium Falcon em parque temático de Star Wars