Ao que tudo indica o documentário Leaving Neverland ainda irá render muita polêmica. Produção que estreou na última sexta-feira (25) no Festival de Sundance detalha abusos cometidos por Michael Jackson em seu rancho contra crianças nos anos 1990. Duas delas aparecem com destaque na produção, James Safechuck e Wade Robson.

A família do cantor reagiu de forma negativa não apenas ao documentário, mas também em relação as denúncias de abusos feitas. Na última segunda-feira (28) foi emitido um comunicado em que os familiares se mostram bastante revoltados com o que foi apresentado em Sundance.

“Michael sempre dava a outra face, e sempre demos a outra face quando as pessoas foram atrás de membros de nossa família. Esse é o jeito de Jackson”, afirma o comunicado. “Não podemos apenas ficar de pé enquanto este linchamento público continua. Michael não está aqui para se defender. Caso contrário, as acusações não teriam sido feitas”, disse a família em nota. 

Ainda na nota os herdeiros de Michael Jackson comentaram sobre o julgamento que ocorreu em 2005 envolvendo outro jovem e que na época o cantor foi absolvido por unanimidade após uma investigação sobre o caso e uma busca no rancho Neverland ser feita e nada ter sido encontrado.

James Safechuck e Wade Robson testemunharam neste julgamento de 2005 e disseram que dormiram no mesmo quarto de Michael Jackson por algumas vezes e que nada havia sido feito contra eles.

Porém, oito anos mais tarde, no ano de 2013, tanto Wade quanto James entraram na justiça com processos novos e disseram ter passado por estresse na época e que isso os fez não dizer tudo o que sabiam sobre os abusos. Por não ter evidências suficientes as novas acusações não foram adiante, mesmo assim o processo continua por causa do recurso. 

Obviamente que por causa dessa mudança em relação ao depoimento de 2005 e as novas acusações feitas em 2013, que na mesma nota emitida a família de Michael Jackson está os chamando mentirosos e que estão influenciando as pessoas a algo que não seria verdade.