Bohemian Rhapsody, a icônica música da banda Queen, é uma das músicas mais estranhas, inspiradoras e menos compreendidas da história do rock. Consegue soar como uma obra de arte séria, um lamento em movimento e um momento de extrema bobagem ao mesmo tempo, e inclusive chegou a ser o título da cinebiografia do Queen lançada recentemente.

Entretanto, o significado dela até hoje é um grande mistério, mas Freddie Mercury, líder do Queen e compositor da musica, afirmou ter pesquisado bastante, inclusive chegou a afirmar o seguinte.

“Bohemian Rhapsody não saiu do nada, eu fiz as minhas pesquisas, embora fossem bem irônicas. Apenas acho que as pessoas deveriam apenas ouvir, pensar sobre isso e depois decidir o que isso significa para elas”.

No documentário de 2018 da Amazon Prime, Freddie Mercury: The King of Queen, é mostrada uma uma entrevista com os membros da banda que levou a uma teoria muito reveladora sobre sua icônica canção.

O entrevistador revelou que um fã enviou uma carta para Queen, questionando uma letra específica de Bohemian Rhapsody.

“Um garoto me escreve uma carta sobre ela e disse: ‘Eu estudo demonologia e coisas satânicas, por que eles mencionam Belzebu na letra?’”

Isso porque durante uma parte da música, a letra dela é a seguinte: “Beelzebub has a devil put aside for me, for me, for me!

Então Mercury responde:

“Por que usamos isso? é só um … quero dizer, é porque nós usamos qualquer coisa. Eu simplesmente amo… a palavra Belzebu. Grande palavra, não é?”

Belzebu nada mais é do que um dos sete príncipes do inferno na demonologia cristã.

O nome deriva da antiga palavra hebraica, Baal Zvuv, que significa “senhor das moscas”, e é um nome alternativo para Satanás.