Várias ocorrências estranhas ganharam os jardins da Greyfriars Kirkyard, um cemitério localizado em Edimburgo, Escócia.

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

O lugar sempre esteve mergulhado em mistério, e o próprio cemitério tem uma história obscura. Antes de tornar-se o que atualmente é, foi um lugar sinistro, no qual várias pessoas sofreram antes de serem mortas. E como se não bastasse, alguns dos incríveis monumentos contribuem para a macabra atmosfera.

Os cofres da cidade e os arrepiantes subterrâneos da cidade dos mortos podem ser um prato difícil de encarar, mas Grefriars Kirkyard é famoso por ser o lugar mais assombrado em Edimburgo. De acordo com uma matéria assinada por Ellen Lloyd, muitos nem ao menos pensam em se aproximar do local devido à secular reputação.

O termo kirk significa igreja, então o cemitério, na verdade, é um jardim pertence a uma congregação religiosa – o que não deixa as coisas nem um pouco mais amenas. Localizado no meio de Old Town, apenas alguns minutos de distância da Ponte George IV, Greyfriars leva o nome como homenagem aos freis franciscanos, cuja ordem chegou a Canterbury da Itália ainda no século XIII. Os membros do grupo se espalharam pelo Reino Unido, dividindo-se em duas facções diferentes, uma conhecida como os Conventuais (freis que moravam nas cidades) e os Observantes (vivendo de maneira mais isolada, nos campos). Aqueles vieram a ficar conhecidos como Greyfriars.

O jardim foi fundado em 1561.

Além das macabras narrativas espalhadas desde os primórdios da construção, o cemitério abriga alguns cidadãos conhecidos, como James Hutton, Robert Adam, Mary ErskineHenry Mackenzie. Entretanto, talvez seu residente mais famoso seja o skye terrier Bobby, que permaneceu 14 anos vigiando a cova de seu mestre. Ambos foram enterrados juntos e a história foi imortalizada pelos estúdios Walt Disney em 1961.

Entre inúmeras rebeliões e prisões que ocorreram nos séculos seguintes, a morbidez do cemitério vive até hoje. Pessoas que visitaram-no afirmam que tiveram sensações estranhas e que viram fantasmas rondando as lápides, incluindo a de George MacKenzie, responsável pela perseguição de inúmeros freis Conventuais durante a reforma protestante e a contrarreforma. Alguns até juram que foram atacados fisicamente pelo poltergeist.

Comente!