Muito além do que apenas “o pai do Chris”, Terry Crews pode não ser mesmo a grande estrela de destaque ou protagonista de um filme de sucesso, mas se tornou uma presença tão memorável e querida desde um pequeno papel coadjuvante à uma simples aparição em cena. Pode agradecer isso ao seu tamanho de gigante em cena que facilmente lhe traz destaque, ou é exatamente graças ao seu carisma único que já o permitiu ser o durão imponente tanto quanto o gigante de bom coração por diversas vezes e sempre nos conquistar em cada uma delas.

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

E havia de chegar a hora de homenagearmos aqui o ator e os seus melhores trabalhos até hoje, tanto no cinema como na TV e onde deixou sua marca em ambos.

Idiocracia (2006)

Um daqueles pequenos filmes genuinamente hilários que em sua trama bem original de futuro “apocalíptico”, tem algo bem forte e afiado de se dizer sobre o desgaste natural do ecossistema e do domínio capitalista de grandes corporações influenciando a vida de milhares por anos. E no meio de tudo isso, temos a perfeita representação desse universo no Presidente Camacho de Terry Crews, um ex ator pornô e Wrestler, que agora é um pastor que traz a promessa de um futuro melhor, e como de esperado, mastiga todas as cenas em que aparece. Um daqueles pequenos “clássicos” a ser redescobertos.

Os Mercenários (2010)

Quem diria que na série de filmes que nasceu apenas para trazer os velhos astros de ação do passado de volta aos holofotes como Sylvester Stallone, Arnold Schwarzeneger e Bruce Willis; Terry Crews teria um lugar especial à participar aqui com seu Hale Caesar. Sempre conseguindo ser uma presença divertida e especial nos três filmes, mas foi mais aqui no primeiro filme que Terry conseguiu dar um destaque maior ao personagem. Mostrando no clímax do filme um pouco da sua personalidade de matador controlado mas com um parafuso solto, que tem a sua arma e navalha como amantes especiais, e que num belo tiroteio ele varre um corredor inteiro de capangas e ainda solta um: “Se lembrem dessa merda no Natal!”. Como não amar o Terry Crews estrela de filme de ação?!

Brooklyn Nine-Nine (2013 – )

Talvez o trabalho que Terry Crews sempre desejou na sua carreira. Não só pelo fato de ser uma boa série de comédia que até agora em seis temporadas conseguiu manter o nível e aumentar a cada novo episódio seu humor de rolar de rir, como também lhe darem um personagem com o seu mesmo nome (sargento Terry Jeffords) e ter a oportunidade de praticamente interpretar a si mesmo o tempo todo. Um fortão de atitude e extremo profissional, e com um coração molenga para os colegas e novamente um ótimo pai de família. É irresistível não amar essa série e o Terry nela.

Todo Mundo Odeia o Chris (2005 – 2009)

O que pode ser dito mais sobre uma série que desperta o exato oposto do que seu título sugere? Apenas ressaltar que, em meio de sua linha de história que é obviamente o conto autobiográfico da vida Chris Rock, temos a meio disso tudo o Julius de Terry Crews que, em meio à tantos outros hilários, doces e carismáticos personagens que cobriam a série, era “o pai do Chris” que sempre conseguia roubar as atenções e corações do público. Não só por Terry estar mostrando toda sua lábia humorística que sempre foi afiada durante todas as quatro temporadas, como também estar interpretando um genuíno pai de família que ama e preza pelo melhor de cada um da família em meio à tantas risadas e momentos tocantes. E é graças à outros e por Terry que pessoas sempre vão amar Todo Mundo Odeia o Chris.

As Branquelas (2004)

Possivelmente o filme que define todo o tamanho do talento de Terry Crews, e falamos isso com toda sinceridade. Apenas encarem os fatos inquestionáveis, esse já clássico Cult que críticos odeiam e o público ama, o remake indireto de Quanto Mais quente Melhor de Billy Wilder, um filme feito apenas para ser outro trabalho de família entre os irmãos Wayans, eis que Terry Crews com seu Latrell, que poderia apenas ter sido um pequeno papel de tirada cômica sem graça, é o grande ladrão que rouba o filme inteiro para si. Ou acham que o filme e a música “A Thousand Miles” de Vanessa Carlton se tornaram icônicas graças à quem? Ao único e para sempre querido Terry Crews.

 

Menção Honrosa:

A Mais Louca Sexta-Feira em Apuros (2002)

Qual é o segredo para você trazer algo de novo e engraçado para essa trilogia “autobiográfica” já quase desgastada de Ice Cube? Terry Crews como um ex-presidiario chamado Damon obviamente! Não só roubando todas as cenas em que aparece com sua personalidade de fodão temperamental e homossexual enrustido, como também garante um intenso drama assexuado homoafetivo com Katt Williams que termina em um quase estupro, mas que só é estupidamente hilário. E ninguém jamais dançou uma música do Tupac tão bem quanto Terry nesse filme!

Acha que deixamos algum papel icônico de Terry Crews de fora? Não deixe de nos dizer qual!

Comente!