Como o próprio título diz, Metroid: Samus Returns marca o aguardado retorno da caçadora de recompensa Samus Aran aos videogames. E com isso, vamos olhar para o passado glorioso de uma das maiores franquias da Nintendo e eleger os 7 melhores títulos da série de plataforma e ação, tanto nos games em 2D quanto nos 3D.

Então embarquem na nave de Samus e vamos para a lista!

7- Metroid (1986)

Famicon Disk System, NES, GBA

A estreia da franquia. O primeiro Metroid foi um verdadeiro divisor de águas na época que saiu. Criado pela equipe R&D1 da Nintendo e concebido por Gunpei Yokoi (o pai do Game Boy), o game misturava a exploração de Zelda, plataforma de Super Mario Bros. e o sistema de tiro de jogos como Commando. A liberdade de exploração e a forma como os upgrades eram acumulados ao invés de temporariamente recebidos era algo sem precedentes e um elemento que mudou não só os jogos produzidos pela Nintendo como a indústria inteira.

E é claro, não podemos esquecer da reviravolta final do jogo, mostrando que o jogador estava  o tempo todo controlando uma personagem feminina, algo inovador para a época. Metroid pode não ter envelhecido muito bem em relação aos outro títulos, mas é definitivamente um game a ser reconhecido pela sua importância histórica.

6- Metroid Prime 2: Echoes (2004)

GameCube, Wii

Em um período raro, os anos 2000 foram extremamente prolíficos para a franquia Metroid, que recebeu em menos de 10 anos, 5 títulos espalhados nos consoles e portáteis da Nintendo. E é lógico que após o sucesso estrondoso do primeiro Prime, a Retro continuaria a jornada de Samus em Metroid Prime 2: Echoes

Pegando gancho do final secreto do primeiro game, Samus acaba enfrentando o vilão da série, o Metroid Prime, que se transformou em uma espécie de sósia de Samus. Uma versão corrompida da protagonista, com habilidades mais fortes (imagine algo como o Venom). Recebendo uma mecânica de alternância entre duas realidades, Samus podia viajar nas dimensões para resolver puzzles e sair do planeta inóspito. O jogo acabou sendo um mais do mesmo que pode ter decepcionado alguns fãs, e uma das únicas inclusões, o multiplayer local para até 4 jogadores, não impressionou. Ainda sim, é mais um ótimo título da trilogia Prime.

5- Metroid Fusion (2002)

GBA

Após anos ausentes dos consoles e portáteis, Samus retornou em 2002 com não apenas um título, mas dois! Metroid Fusion saiu simultaneamente ao lançamento do primeiro Metroid Prime. Enquanto o segundo recebeu elogios por inovar e transformar a franquia em algo completamente diferente no mundo 3D, Metroid Fusion foi o exato oposto e na verdade é a sequência direta de Super Metroid, mostrando Samus sendo infectada por um vírus que modifica sua armadura. O objetivo dela se torna encontrar um jeito de se livrar dessa infecção antes que aquilo a controle. As mecânicas clássicas da série foram refinadas aqui, além dos gráficos do jogo serem mais coloridos e vibrantes em relação a época do SNES, mas sem perder o senso de solidão das explorações de Samus.

4- Metroid Prime 3: Corruption (2007)

Wii

Não foi só o peso de entregar uma conclusão digna para a trilogia Metroid que a Retro teve que encarar na produção de Corruption, mas também desenvolver as mecânicas da série para um console com um controle completamente diferente: o Nintendo Wii. Na história, Samus e outros caçadores de recompensa são convocados para eliminarem um vírus chamado “Aurora Units” que vem varrendo sistemas de vários planetas. Enquanto isso, Samus precisa lidar com o vírus Phazon de Metroid Prime, que se instalou em seu corpo e irá lentamente corrompê-la se a caçadora não fizer nada.

Fora os controles de movimento, o game tinha mecânicas bem parecidas com o resto da série. Uma das novidades era a habilidade Corrupt Hypermode, uma versão muito mais forte de Samus que podia ser usada temporariamente para destruir os inimigos. Porém, tal habilidade acabava drenando a energia da personagem. Apesar da confirmação que Metroid Prime voltará para um quarto título no Nintendo Switch, Corruption foi uma ótima conclusão para a época e conseguiu entregar um desfecho para Samus e seu conflito com a ameaça Phazon.

3- Metroid: Zero Mission (2004)

GBA

Após o sucesso de Metroid Fusion, ao invés da equipe R&D1 liberada por Yoshio Sakamoto continuar a história de Samus, eles resolveram recontar a primeira aventura da caçadora de uma forma que novos jogadores pudessem aproveitar a origem da franquia. E assim, Sakamoto e sua equipe acabaram criando um dos melhores remakes já produzidos, mantendo os principais elementos do original mas encorpando o gameplay e a história para uma nova geração de videogames.

Uma das principais novidades foi a adição de uma das partes finais do jogo, onde Samus deve passar por um trecho do jogo sem sua roupa espacial, a deixando vulnerável aos inimigos. Essa fase implementou elementos ainda não experimentados na série, como um gameplay mais furtivo. Metroid: Zero Mission é um daqueles raros casos em que o remake supera a obra original em todos os aspectos. Se você ainda não jogou a primeira aventura de Samus, esse com certeza é a forma correta de se ter tal experiência.

2- Metroid Prime (2002)

GameCube, Wii

Após Metroid pular uma geração inteira de consoles, ser entregue aos cuidados de uma second-party com 4 projetos anteriores cancelados chamada Retro Studios, mudar completamente seu gameplay na transição de 2D para 3D, e ainda sofrer com problemas no desenvolvimento, Metroid Prime se tornou um dos games mais elogiados e importantes da história.

O tratamento que a equipe da Retro Studio deu para a franquia ofereceu uma nova visão da série sem perder os elementos cruciais dos títulos anteriores. A mudança para a perspectiva de terceira para a primeira pessoa na verdade só beneficiou o clima de solidão que Samus vive em suas explorações nos planetas hostis.

O gameplay, além de extremamente polido, era impulsionado por um game design sublime, que oferecia liberdade de exploração e narrativa através do próprio cenário, escaneados com o visor de Samus. Como poucas séries conseguiram alcançar, Metroid Prime ofereceu uma visão nova de uma franquia bem estabelecida sem perder sua essência. Ah, se todos os jogos fossem assim…

1- Super Metroid (1994)

SNES

E apesar de Metroid Prime ter sido extremamente elogiado e muito considerado pelos fãs, nada teria sido feito se não fosse o divisor de águas chamado Super Metroid. A princípio, Super Metroid pega todos os elementos estabelecidos pelos primeiros dois jogos e os expande, tornando o gameplay ainda mais viciante do que já era, com o jogador fazendo backtracking constantemente nas telas para aumentar os poderes de Samus e ganhar novas habilidades para a caçadora, utilizando tais power-ups para prosseguir nas fases.

Mas o que mais fascina em Super Metroid é sua atmosfera densa e complexa. Em uma época onde os jogos ainda eram conhecidos por seus mascotes e visual colorido, Metroid abraça um mundo que parece vivo e ao mesmo tempo desolado. Só nos primeiros minutos do game já sentimos isso com a exploração na colônia espacial, onde Samus encontra cientistas mortos e cenários destruídos pelo seu arqui-inimigo, a alienígena criatura alada Ripley. E como o nome do monstro sugere, é aqui que percebemos como Metroid se inspirou tanto em franquias como Alien, que se sustentam pela atmosfera e criação de um universo rico sem precisar de superexposição. Sem contar no envolvimento que temos com Samus e sua missão envolvendo o bebê Metroid, culminando em uma das lutas finais mais icônicas dos jogos, sendo cinematográfica muito antes das cutscenes de jogos AAA.

Super Metroid é uma obra-prima dos videogames por entregar não só um gameplay excelente e viciante mas uma atmosfera como poucos jogos até hoje conseguiram criar, capturando o jogador em uma aventura espacial do início ao fim.

Concordam com a lista? Quais seus títulos favoritos da franquia Metroid? Comente abaixo!

Comente!