Obs: Lista feita em colaboração com Matheus Fragata

É sempre bom vir um filme como Carros 3 para nos relembrar desses fantásticos filmes feitos por esse grande estúdio que só vieram marcar gerações atrás de gerações.

Mas infelizmente não são todos perfeitos, então nos coube aqui ranquear todas as animações já produzidas pela Pixar até hoje, do pior ao melhor!

Que a nostalgia comece! 

18. Carros 2 (2010) 

Se o primeiro já dava um ar de desnecessário, embora mediano, Carros 2 chega como um engodo inchado de exageros visuais estapafúrdios e sem um pingo de profundidade. Dou crédito por John Lassester tentar criar um verdadeiro filme de ação e espionagem com seus personagens carros, mas o que raio isso tudo tem haver com a história de auto-descobrimento do primeiro filme?! A Pixar só não é perfeita por causa desse pequeno deslize aqui

17. Valente (2012) 

Quando a Pixar tentou adentrar no mundo de fantasia e aventura das princesas Disney com boas tentativas, mas uma história um tanto medíocre e fraca, embora bem intencionada. Mas em um mundo medieval e de fantasia cheio de ricas possibilidades com uma interessante protagonista, o foco se torna numa rainha virando uma ursa…

16. O Bom Dinossauro (2015) 

LONGE de se igualar entre os grandes feitos do estúdio ou sequer parte do leque de inteligentíssimas e originais idéias que a Pixar concebeu ao longo dos anos, mas O Bom Dinossauro consegue ser bem acima da “média” dentre os fracos projetos realizados pelo estúdio. E se sucede nisso com um bom nível de maturidade em sua familiar e genérica história e nos presenteia com um DESLUMBRE quase foto-realista em seu rico visual de animação.

15. Carros 3 (2017) 

Carros 3 é um filme estranho. Nem mesmo um filme para crianças e tampouco uma obra para adultos. Há mensagens muito valiosas nessa obra, mas há problemas de abstração que raramente aparecem nas obras animadas da Pixar. Ao menos, vemos Relâmpago McQueen mostrando seus lados mais humanos em uma aventura que relembra diversos filmes Rocky. Uma pena que as escolhas do final, mesmo que coerentes, sejam decepcionantes para diversos fãs de longa data da franquia.

14. Universidade Monstros (2013) 

Longe de ser um mero engodo de fazer dinheiro fácil com uma história prequela desnecessária, o que não deixa de ser verdade. Mas o filme de Dan Scanlon consegue ser tão leal à essência emocional dramática que fez seu filme original tão grande, e consegue expandir seus personagens em novas vertentes e camadas, embora siga percursos um tanto familiares.

13. Carros (2006) 

Talvez longe de ser o elo mais fraco dos estúdios como muitos o colocam. O que talvez falte em profundidade em Carros, se expanda em criatividade na criação de seu universo de fábula com automóveis falantes. E como John Lasseter cria no meio disso uma história tão íntima sobre a valorização de antigos e puros valores, em um ambiente que leva o road-movie ao pé da letra com os carros sendo os protagonistas, conseguindo assim conquistar apatia em carismáticos personagens, mesmo com seus pequenos problemas e genérica história.

procurando dory

12. Procurando Dory (2015) 

O puro preconceito por continuações de animações talvez afastou os olhares e coração de muitos para as inteligentes temáticas que a continuação de um de seus maiores clássicos traz aqui. Onde Andrew Staton pouco apela para a pura nostalgia e reinventa a familiar história em volta da tão amada Dory que mostra ser uma personagem muito mais complexa e rica do que se imagina. Longe de ser um dos melhores ou até marcante no estande da Pixar, mas sutil, belo e lindo em sua própria maneira.

11. Vida de Inseto (1998) 

Um dos pioneiros da Pixar que infelizmente hoje é apenas visto como uma de suas menores obras. Mas que já possuía em si o grande leque de exuberante estética, clássica fórmula e rica estrutura narrativa que seus filmes só evoluiriam no futuro, e já realizavam aqui uma fábula aventuresca tão inteligente e divertida.

10. Toy Story 2 (1999) 

Quando uma continuação consegue calar a mente e boca dos duvidosos, e entrega uma obra que se iguala, se não supera, seu imbatível antecessor com pura maestria. E o que você faz em uma continuação da história sobre brinquedos falantes? Apenas faça como John Lassester fez aqui e criou uma divertida e dramática jornada existencialista, sutilmente melodramática e madura com seus personagens rumo a aceitarem o fato real de sua existência e o passível esquecimento dela.

9. Wall-E (2008) 

Como se a Pixar pudesse ser acusada de apenas criar meras animações com histórias tão familiares, eis que vemos Wall-E. Um filme que define o ousado e corajoso a cada minuto de sua projeção, optando pouco se utilizar de diálogos em sua meia hora inicial só para mais tarde jogar na cara da sociedade seu mais sujo e frívolo. Em outras palavras, é o filme de ficção científica da Pixar que é tão especial e exuberante quanto se auto define por sua mera e rica existência.

8. Divertida Mente (2015) 

A importância de Divertida mente talvez não se defina tanto em sua grandiosidade no meio de outras obras-primas da Pixar. Mas foi uma obra que veio a devolver a fé e a calar pensamentos ignorantes ao mostrar o quanto eles ainda são mais do que capazes em criar narrativas tão tematicamente ricas e emocionalmente complexas em meio uma história que se pode definir como familiar. Mas que em seu todo, já é um clássico instantâneo!

7. Procurando Nemo (2004) 

O Road-movie existencialista debaixo d’água da Pixar. Ou uma jornada rumo ao encontro do amadurecimento e superação de um pai e um filho. A grandiosidade de Procurando Nemo talvez nem possa se definir por palavras, basta vê-lo por si mesmo, e ouvir de quem já ouviu para ter a noção de quanto marcante é sua divertidíssima, emocionante e poderosa história!

6. Monstros S.A (2001) 

Ouso dizer que este pode ser um dos maiores  (se não o maior) espécimes de originalidade dentro da Pixar. Apenas sua simples de forma de criar um universo de monstros tão idêntico ao nosso e criar um teor de uma hilária comédia buddy-movie, e dentro dela possuir uma mensagem tão inocente e pura. Peter Docter é um dos grandes da Pixar e ele já mostrava aqui o porquê.

5. Toy Story 3 (2010) 

A espera de longínquos dez anos fora uma escolha indireta mas que acaba sendo automaticamente brilhante, por conseguir expandir e continuar sua história transpirando o sentimento de nostalgia tão forte por todos os lados. E fazer com que o novo e antigo público que já conhecem tão bem esses personagens, se divirtam aos montes ao vê-los interagindo de forma tão rica, hilária e dinâmica. Ao mesmo tempo que nos põe para sofrer junto ao seu lado com o desafio de abandono e esquecimento que os sempre assombrou por uma última vez (?!). E no final, conseguir nos fazer sentir cada minuto de nossas infâncias e desses ricos personagens que cresceram junto com seu público.

4. Os Incríveis (2004) 

Um digno filme de animação de super-heróis recheado de ação e construído ricamente em cima de sua clássica mitologia. Mas que mais serve como uma (genial) desculpa para realizar um filme sobre a dinâmica familiar e todos os problemas íntimos e pessoais que nele carrega de forma tão madura. Apenas um dos projetos de ouro que a Pixar já fez e que deixou os fãs famintos para a tão aguardada e vindoura continuação.

3. Ratatouille (2007) 

Este é, na definição mais clichê e cafona possível, um prato delicioso. E não falo isso só pelo fato impressionante do filme se tratar da história de um rato, e que te deixa com uma água na boca e um ronco no estômago ao longo dele todo (só isso já merece os louvores de gênio). Mas pelo simples fato de Brad Bird conseguir construir aqui de forma tão soberbamente bem uma história sobre sonhos impossíveis e o alcance da perfeição na sua forma de arte, com uma aura tão leve quase semblante a um sonho e ser na mesma medida tão engraçado e extremamente profundo. Uma das poucas animações que merecem o status de uma perfeita e bela obra-prima.

2. Toy Story (1995) 

O filme que a tudo iniciou e que para sempre deixou um legado para a história nas inúmeras possibilidades criativas que o mundo da animação para todo o sempre. Mas não só isso! Toy Story é a definição do exímio filme saudosista capaz de encantar ambos crianças e adultos facilmente na mesma medida, e fazer sentir todas as profundas emoções que seus ricos personagens de brinquedos falantes transmitem, junto de seu rico humor. O filme que deu início a essa perfeita trilogia  (até agora pelo menos) da Pixar que te deixa com saudade e orgulho da infância, e o mundo infinito da imaginação.

1. Up – Altas Aventuras (2008) 

O ponto mais alto que a Pixar já chegou. Não só por riscar a borda do Studio Ghibli em sua criação de uma fantasia moderna movida por uma pulsante alma de magia que só animações conseguem invocar. Mas por trazer sua história mais emocionalmente rica em suas camadas e que nos entrelaçam instantaneamente e capaz de nunca soltar e deixar ser esquecido. Assim como os grandes filmes da Pixar nos fizeram sentir por anos até hoje!

Acharam tudo na ordem certa ou completamente errada? Não deixem de comentar!