em ,

Oscar tem novas regras para aumentar representatividade na categoria Melhor Filme

2020 pode ser resumido em duas questões: pandemia de coronavírus e luta por representatividade. O fator social desse último item é tão importante que o Oscar se comprometeu a aumentar mais a presença de filmes com essa característica nos indicados à Melhor Filme.

As novas regras valem a partir de 2022 e se tornarão definitivas para o prêmio de 2024.

Por meio da nota emitida, o presidente e o CEO da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, David Rubin e Dawn Hudson, falaram sobre a importância da inclusão no Oscar.

O espaço deve ser ampliado para refletir a diversidade da população global, tanto na produção de filmes, quanto nas audiências que se conectam a eles. A Academia quer desempenhar um papel vital ao ajudar a tornar isso uma realidade. Acreditamos que esses padrões de inclusão sejam o catalisador de uma mudança duradoura e essencial na nossa indústria.

Veja as novas regras abaixo, que foram divididas em padrões pela Academia.

Padrão A: Representatividade de temas e narrativas na tela (para conseguir, o filme precisa apresentar 1 dos 3 critérios abaixo)

  • A.1: Pelo menos um dos atores principais ou coadjuvantes com destaque deve ser de uma etnia ou grupo racial pouco representado. Exemplos: asiático, latino/hispânico, negro, nativo-americano, norte-africano, nativo havaiano, outros grupos.
  • A.2: Pelo menos 30% de todo o elenco em papéis secundários ou menores devem pertencer a dois grupos pouco representados. Exemplos: mulheres, grupos raciais ou étnicos, LGBTQI+, pessoas com deficiência física ou cognitiva.
  • A.3: A história principal, o tema ou a narrativa deve ser centrada em um grupo pouco representado. Exemplos: mulheres, grupos raciais ou étnicos, LGBTQI+, pessoas com deficiência física ou cognitiva.

Padrão B: Liderança criativa e equipe do projeto (para conseguir, o filme precisa apresentar 1 dos 3 critérios abaixo)

  • B.1: Pelo menos dois membros da liderança criativa e chefes de departamento – diretor de elenco, diretor de fotografia, compositor, figurinista, diretor, editor, cabeleireiro, maquiador, produtor, designer de produção, decorador de set, editor de som, supervisor de efeitos visuais, roteirista – devem pertencer a um grupo pouco representado. Exemplos: mulheres, LGBTQI+, pessoas com deficiência física ou cognitiva. Pelo menos um membro deve ser de uma etnia ou grupo racial pouco representado. Exemplos: asiático, latino/hispânico, negro, nativo-americano, norte-africano, nativo havaiano, outros grupos.
  • B.2: Pelo menos seis membros da equipe (com exceção de Produtor Associado) devem pertencer a um grupo pouco representado. Exemplos: asiático, latino/hispânico, negro, nativo-americano, norte-africano, nativo havaiano, outros grupos.
  • B.3: Pelo menos 30% de toda a equipe técnica deve pertencer a um grupo pouco representado. Exemplos: mulheres, LGBTQI+, pessoas com deficiência física ou cognitiva.

Padrão C: Acesso à Indústria e oportunidades (os dois critérios são necessários)

  • C.1: O produtor ou distribuidor do filme deve financiar aprendizado/estágio remunerado para pessoas de grupos pouco representados; assim como a maior parte de departamentos de grandes estúdios (desenvolvimento/pré-produção, produção presencial, pós-produção, música, efeitos visuais, aquisições, administração, distribuição, marketing e publicidade); já no caso de estúdios pequenos e independentes, pelo menos dois aprendizes/estagiários assalariados devem pertencer a grupos pouco representados em pelo menos um dos departamentos. Exemplos: mulheres, grupos raciais ou étnicos, LGBTQI+, pessoas com deficiência física ou cognitiva.
  • C.2: A empresa responsável pela produção, distribuição e financiamento do filme deve oferecer oportunidades de emprego ou capacitação para pessoas de grupos pouco representados. Exemplos: mulheres, grupos raciais ou étnicos, LGBTQI+, pessoas com deficiência física ou cognitiva.

Padrão D: Desenvolvimento da audiência (necessário cumprir o critério abaixo)

  • O estúdio ou empresa responsável pelo filme deve ter executivos sênior de grupos pouco representados em suas equipes de marketing, publicidade e distribuição. Exemplos: mulheres, grupos raciais ou étnicos, LGBTQI+, pessoas com deficiência física ou cognitiva.

O Oscar 2021 ainda não contará com as regras acima. Ele ocorre em 25 de abril de 2021.

O que você achou desta publicação?

Avatar

Publicado por Matheus Fragata

Editor-geral do Bastidores, formado em Cinema seguindo o sonho de me tornar Diretor de Fotografia. Sou apaixonado por filmes desde que nasci, além de ser fã inveterado do cinema silencioso e do grande mestre Hitchcock. Acredito no cinema contemporâneo, tenho fé em remakes e reboots, aposto em David Fincher e me divirto com as bobagens hollywoodianas.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Loading…

0

Comente!

Lançamento de Assassin’s Creed Valhalla é adiantado para 10 de novembro

Remake de Scarface será muito violento, afirma diretor