Contém spoilers de Pantera Negra.

A cena do meio dos créditos de Pantera Negra mostra o rei T’Challa nas Nações Unidas, deixando claro que Wakanda irá começar a compartilhar sua tecnologia e recursos com o restante do mundo – nesse ponto, uma das pessoas no local pergunta ao personagem o que um país de terceiro mundo pode oferecer. T’Challa, então esboça um sorriso, mostrando que Wakanda irá mostrar sua verdadeira face.

Em entrevista para o Entertainment Tonight, o diretor do filme, Ryan Coogler, disse:

“Quando as pessoas dizem ‘esse é um filme político’, bem, sim. Pantera Negra é um político. É o primeiro filme do UCM sobre um político, portanto deveria ser o filme mais político. Se esse personagem precisa fazer um comunicado, que tipo de coisa ele falaria?”

Sobre T’Challa falar sobre construir barreiras, Coogler confirma que foi inspirado em fatos.

“Esse é um proverbio africano que minha esposa achou enquanto estávamos trabalhando nisso [no filme]. Escrevemos isso quando Obama era presidente”.

Coogler acrescentou que espera que os espectadores vejam essa cena e desejem que T’Challa fosse uma pessa real.

Já a segunda cena mostra Shuri em busca de Bucky em Wakanda.

“Obviamente cria um elo [com Vingadores: Guerra Infinita] mas o estúdio não nos forçou ou disse o que a cena pós-créditos deveria ser. Foi algo que estávamos interessados. Para nós foi divertido porque acho que a audiência, se eles estão familiarizados com o UCM, sabe que Bucky está em Wakanda.”

Coogler, então, finalizou dizendo que a obra não é sobre Bucky e que acharam que seria legal para os fãs verem o personagem que amam no fim do filme.

Pantera Negra já está em exibição nos cinemas brasileiros. Acesse nossa crítica do filme, aqui.