Vocês lembram daquelas tardes depois da escola, sentado na frente da TV o dia todo jogando o seu videogame, sem nenhuma preocupação e ignorando completamente dos deveres de casa para jogar “só mais uma fase” do jogo? Foi em uma dessas belas tardes ensolaradas que eu tive o prazer de jogar Jackie Chan Stuntmaster, jogo de 2000 desenvolvido pela Radical Entertainment para Playstation 1 e estrelando um dos maiores heróis do cinema de artes marciais (e o meu favorito desde aquela época).

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Para contextualizar meu carinho pelo jogo, o desenho As Aventuras de Jackie Chan passava constantemente na televisão. Seja nas horas da manhã da Tv Globinho quanto nas tardes do Cartoon Network (não dá pra esquecer da épica e hilária abertura). Juntando aquele lado humorado e misturando com as artes marciais de Jackie Chan, o humor físico do ator atraia o público infantil com produtos voltados para crianças. Essa animação acabou recendo um game para o Playstation 2, mas enquanto eu não podia comprá-lo na época, Jackie Chan Stuntmaster foi um ótimo substituto. E possivelmente até melhor que o game da animação.

Não sendo exatamente uma adaptação literal de nenhuma das dezenas de filmes que Jackie estrelou durante sua carreira, o time da Radical criou uma história própria, com a dublagem e captura de movimentos feita pelo próprio Jackie Chan.

Na história, Jackie trabalha com seu tio em um empresa que fornece transporte para cargas em Chinatown, Nova Iorque. Um belo dia, Jackie acaba vendo seu tio ser capturado por uma gangue, que usava o serviço da empresa para contrabandear produtos ilegais. Jackie então parte para salvar seu tio.

A história é contada através de cutscenes pré-renderizadas e o fator que mais se destaca é a caracterização de Jackie no game, que é muito bem feita e consegue passar os diálogos hilários que o ator tem nos filmes. Aquele jeito atrapalhado de dar socos e fugir das situações é adaptado muito bem para o visual cartunesco do game.

E sim, eu sei que o visual não é nada incrível nos dias de hoje, mas você tem que entender que na época os desenvolvedores acabaram criando um estilo visual que combinava muito bem com as limitações técnicas do Playstation 1, usando os gráficos mais isométricos e “quadradões” do console e combinando com uma versão estilizada e diminuta dos personagens, colocando o rosto e as expressões faciais de forma que lembrasse mais um LEGO do que algo realista. Isso acabava dando um charme para o jogo, e claro, eu como criança adorava o estilo cartunesco.

A trilha sonora não era nada mal também, e apresentava uma sonoridade oriental com uma batida eletrônica, combinando com os cenários que retratavam locais predominantemente orientais em uma cidade ocidental moderna. 

E claro, o maior ponto do jogo era justamente controlar Jackie Chan e usar suas incríveis habilidades marciais para chutar bundas de bandidos. Algo que…funcionava em partes, com um sistema beat ‘n up competente mas nada muito incrível. Nele você podia fazer combos e juntar hit points e até usar objetos do cenário para usar contra os bandidos. Quem nunca desejou usar um peixe para esbofetar alguns bandidos, né? E sempre com a filosofia seguida de Jackie de nunca usar armas de fogo ou violência gráfica em seus filmes e produtos, criando produtos de entretenimento acessíveis para todas as idades.

E muito antes de Uncharted, Jackie Chan conseguia ter algumas cenas bem cinematográficas para a época, usando do impressionante sistema de captura de movimento e expressões faciais que o ator utilizou para fazer as cenas. Afinal, não é só porque é em CG que não teve envolvimento real de Jackie.

Você pode conferir o making of que havia dentro do game mostrando um pouco dessa captura no link abaixo:

O game era composto de 5 fases: China Town, Waterfront, Sewer, Roof Top, Facctory e uma fase bônus, com Temple of Shalin. Haviam nelas coletáveis espalhados pelo mapa em forma de uma espécie de talismã, que davam um extra bacana para quem quisesse dar um replay no jogo e completar todas as telas. O jogo juntava os momentos de combate com plataforma.

Jackie Chan Stuntmaster é um daqueles jogos nostálgicos que, se você não jogou na infância pode não ser lá muito impressionante. Mas para aqueles que experimentaram o título na época quando os gráficos de Playstation 1 ainda eram impressionantes para os olhos de uma criança, com certeza vai te dar uma grande nostalgia ao jogar nos dias de hoje. Assim, o jogo vale a pena ser revisitado por sua competente jogabilidade e clima divertido que só o nosso querido Jackie Chan poderia entregar.

Comente!