É tanto Twin Peaks junto que até emociona…

Com a chegada da tão antecipada nova temporada, eclodiu-se um grande crescimento de acessos aos streams da trilha sonora no Spotify na playlist criada pelo pessoal da Sacred Bones Records

Nela nota-se que: 

– “Falling”, de Julee Cruise, teve um pico de 108% no Spotify.

“Twin Peaks Theme”cresceu 146%.

“Laura Palmer’s Theme” teve 207%.

E o ótimo disso ainda é que na mesma playlist ainda pode se acompanhar todos os temas clássicos, mais as músicas da nova temporada, e ainda até de outros trabalhos relançados de David Lynch, incluindo a trilha de Eraserhead.

O grande maestro de Twin Peaks, em parceria com o Lynch, é o grande Angelo Badalamenti , americano do Brooklyn. Ambos se conheceram em 1985, nas gravações de Veludo Azul. Lynch queria colocar a estrela do filme, a Isabella Rossellini, pra cantar e Angelo foi convocado como coach vocal. 

A ideia inicial era que a Isabella cantasse “Song to the Siren”, uma balada folk escrita por Tim Buckley em 1970 e reinventada pelos góticos do This Mortal Coil em 1983.

Mas quando viram que não iam conseguir os direitos pra usar a música no filme, a solução foi escrever algo novo do zero. O Badalamenti começou a trabalhar na música, Lynch ficou com a letra. Só que aí eles precisariam de uma cantora com uma voz mais sombria, misteriosa. Assim Angelo lembrou da Julee Cruise, que tinha participado de um workshop que ele produziu um tempo antes. O resultado disso fora “Mysteries of Love”, o icônico momento musical de Veludo Azul

A colaboração deu tão certo que os 3 continuaram fazendo música juntos.

“Falling” foi composta por ambos Lynch e Badalamenti, junto com algumas outras músicas, pro disco de estreia da Julee: “Floating Into the Night”, em 1989. E aí, poucos meses depois, uma versão instrumental dela virou o tema de abertura do novo projeto do Lynch pra TV… Twin Peaks.

“Twin Peaks Theme” que é a mais ouvida do Angelo Badalamenti no Spotify até hoje. 

E Estocolmo, na Suécia, é o lugar que mais se ouve as músicas de Twin Peaks no mundo inteiro.

A influência que a série teve em outros artistas, abrindo caminhos e incentivando descobertas e conexões, também é enorme. O Moby, por exemplo, lançou o primeiro single, “Mobility”, em 1990 mas sua carreira não deslanchou até ele assistir Twin Peaks. Quando ele remixou o b-side de “Mobility”, “Go”, incluindo um sample de “Laura Palmer’s Theme”, a música começou a bombar muito. Em pouco tempo, estava no top 10 da parada inglesa.

Um dos primeiros sucessos do Bastille, em 2013, foi “Laura Palmer” que aliás, tem um monte de músicas no Spotify com esse título, incluindo “Ghost of Laura Palmer”, da banda de doom metal finlandesa Swallow the Sun; “Killing Laura Palmer”, dos suecos do Inkfish; e a “Laura Palmer” das colombianas do Las hermanas.

Descubra mais na playlist: “Music from the Return of Twin Peaks”.

Agora você já sabe o que fazer enquanto espera no intervalo do lançamento dos novos episódios dessa terceira soberba temporada de Twin Peaks.

Leia mais sobre Twin Peaks

Comente!