em , ,

Crítica | I Am Not Okay With This: 1ª Temporada – Um Divertido Coming-of-Age Adolescente

As comédias dramáticas adolescentes ganharam popularidade imensurável entre os anos 1980 e 1990, viralizando com um público mais jovem que se deliciava com retratos interessante (e comumente hilários) da vida juvenil em seus círculos sociais e, mais do que isso, no colégio. É claro que, levando em consideração o teor ficcional das obras, grande parte das narrativas pendia para um lado mais irreverente e impalpável, tudo para que mantivesse sua carga emocional e envolvente explorada ao máximo.

Com a virada do século, outras produções começaram a ser revitalizadas e trazidas para um espaço mais contemporâneo e menos maniqueísta, por assim dizer: a construção estereotípica de certos tipos sociais deu lugar a filmes como Meninas Malvadas, A Mentira e Quase 18, representando uma evolução considerável no jeito de contar esses enredos. Em 2020, chegou a vez da Netflix investir seus esforços na adaptação dos clássicos quadrinhos I Am Not Okay With This, assinados por Charles Forsman (o mesmo criador da bizarra e aclamada graphic novel que deu origem a The End of the F***ing World). Aliás, é perceptível o apreço que a gigante do streaming nutre por tramas que vão além do que imaginamos e que misturam, em um mesmo cenário, os elementos da estética gore, as quebras de expectativas das ácidas rom-coms e uma pitada arrepiante de suspense sobrenatural.

Querido Diário é a frase que sumariza e abre cada um dos breves sete capítulos da primeira temporada – cujo gancho já nos prepara para um próximo ciclo com muito mais amadurecimento e relações conturbadas entre seus personagens. A narradora, encarnada por Sophia Lillis em mais uma fantástica atuação que revela um lado mais recuado e introvertido que o visto em It: A Coisa e afastando-se do comportamento maternal em Maria e João, posta-se na figura da rebelde Sydney Novak, uma jovem de dezessete anos que vive com a mãe e o irmão numa pequena e claustrofóbica casa depois que o pai se suicidou sob misteriosas circunstâncias. O trágico escopo ganha uma nova camada quando Sydney começa a desenvolver poderes estranhos e inexplicáveis, que vem à tona em momentos de grande frustração, raiva ou rancor.

Jonathan Entwistle e Christy Hall, que entram como showrunners da produção, carregam consigo uma vantagem incrível, visto que estão frente a frente com o material original e já trazem elementos de iterações anteriores para repaginá-las a uma nova mídia, adornando uma trama modernizada com resquícios clássicos do suis-generis mencionado no primeiro parágrafo. Desde a presença de uma perspectiva onisciente até o desmembramento em linhas secundárias que, apesar de superficiais, se entrelaçam em uma costura compreensível e que talha um grandioso potencial para o futuro.

Lillis comanda a série com a mesma fluidez já entregue ao público, desenvolvendo sua personalidade traumatizada como respaldo de relações com outros membros de sua contida esfera: apesar de solitária, ela tem um sentimento de afeição gigantesco com Dina (Sofia Bryant), sua melhor amiga e confidente – sentindo-se assustada por perceber que os laços de amizade podem não ser o suficiente. Além disso, a atriz reúne-se com seu colega Wyatt Oleff, que encarna o desinibido Stanley Barber (um nerd independente que descobre da maneira mais chocante possível que sua paixão secreta é dotada de habilidades incríveis. Aliás, é até engraçado observar como Lillis e Oleff trocam de lugar, abandonando as características de seus personagens anteriores e vestindo trajes diferentes do que já havíamos visto.

Se o roteiro já nos chama a atenção por seu cuidado redobrado, é a inebriante e saudosista estética que nos faz mergulhar de cabeça nesse mundo localizado nos entremeios do impossível e do aterrorizante. A equipe criativa não pensa duas vezes antes de imprimir uma versão revitalizada de inúmeros longas-metragens icônicos e atemporais: a paleta de cores oscila das vestimentas impetuosas de Juno até as escolhas pastéis de Wes Anderson para O Grande Hotel Budapeste; O Clube dos Cinco volta com força e relembra seus tempos de glória ao ser inspiração para um episódio inteiro; e, gradativamente, a leve atmosfera transforma-se num sombrio mimetismo de Carrie – A Estranha, culminando em um season finale inesperado.

É necessário lembrar que estamos lidando com uma produção jovem-adulta livre de quaisquer tabus e, por essa razão, algumas fórmulas são engatadas como força-motriz para o desenrolar da trama. Mesmo assim, certas adesões erguem-se como obstáculos para o ritmo da narrativa: a repetição das “explosões” psicóticas de Sydney, a adição de coadjuvantes descartáveis e o didatismo redundante de certas explicações. O resultado final, todavia, é positivo e coerente o bastante para querermos mais (principalmente se encararmos essa iteração inicial como uma apresentação breve do que nos aguarda).

I Am Not Okay With This é recheado de sequências e momentos de tirar o fôlego, mesmo que brinque na zona de conforto e deixe ousadias técnicas e artísticas para um futuro próximo. Movido pela química e pelo charme de seu elenco protagonista, a nova série da Netflix transborda nostalgia e dinamismo em quase todas as suas cenas.

I Am Not Okay With This – 1ª Temporada (Idem, EUA – 2020)

Criado por: Jonathan Entwistle, Christy Hall
Direção: Jonathan Entwistle
Roteiro: Jonathan Entwistle, Christy Hall, Liz Elverenli, Tripper Clancy, Jenna Westover, baseado nos quadrinhos de Charles Forsman
Elenco: Sophia Lillis, Wyatt Oleff, Sofia Bryant, Kathleen Rose Perkins, Richard Ellis, David Theune, Zachary S. Williams, Aidan Wojtak-Hissong
Emissora: Netflix
Episódios: 07
Gênero: Fantasia, Comédia, Terror
Duração: 30 min. aprox.

O que você achou desta publicação?

Avatar

Publicado por Thiago Nolla

Thiago Nolla faz um pouco de tudo: é ator, escritor, dançarino e faz audiovisual por ter uma paixão indescritível pela arte. É um inveterado fã de contos de fadas e histórias de suspense e tem como maiores inspirações a estética expressionista de Fritz Lang e a narrativa dinâmica de Aaron Sorkin. Um de seus maiores sonhos é interpretar o Gênio da Lâmpada de Aladdin no musical da Broadway.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Loading…

0

Comente!

Antonio Banderas é confirmado no elenco de Uncharted

Série de Kéfera na Netflix, Ninguém tá Olhando, é cancelada na 1ª temporada