Os transtornos psiquiátricos já tiveram diversas abordagens feitas pelo cinema, ou mostrando o lado da pessoa internada, ou pela visão do médico ou algum outro funcionário que trabalha no local e até mesmo colocando o hospício como um local assombrado, transformando o edifício no ponto principal da trama. Há muita seriedade quando se trata da história, fazendo com que muitos desses filmes se tornem produções memoráveis. 

» Siga o Bastidores no Facebook , Instagram e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema «

Nise: O Coração da Loucura

A loucura, no cinema nacional, vem se tornando um tema recorrente e não é por menos, o país tem histórias cabulosas em relação a hospícios e muitas produções já tocaram nesse assunto. Nise: O Coração da Loucura é uma delas. Longa trata da vida da doutora Nise (Glória Pires) que discordava do tratamento dado aos internos e se negou a usar eletrochoque e lobotomia como forma de tratamento. Mandada para a ala de terapia ocupacional por não aceitar trabalhar dessa forma, criou uma revolução no local com seus métodos de trabalho. Um filme lindo e sensível e que foi inspirado em um fato verídico. 

Fenômenos Paranormais

Essa dica é para os fãs de filmes de terror. Feito ao estilo do found footage, em que as os próprios personagens filmam tudo o que acontece e assim observamos tudo do ponto de vista deles. Trama traz um grupo de documentaristas que vai passar a noite em um manicômio abandonado, obviamente que tudo começa a dar errado e começam a ser caçados por entidades paranormais que ali residem. A produção foi feita justamente para que parecesse ser de baixo orçamento e assim dar maior tom de realidade para tudo o que está acontecendo. O resultado final é bastante interessante, consegue assustar, fazer pregar os olhos na tv, além de causar medo em muitas cenas. 

Refúgio do Medo 

Da lista é o longa mais fraquinho quanto a narrativa, mas nem por isso não deve deixar de ser assistido, pelo contrário. Primeiro que o elenco ajuda a segurar toda a trama, com Ben Kingsley (Operação Final) e Kate Beckinsale (Anjos da Noite) que tem experiência de sobra para interpretar papéis problemático. Filme é um terror adaptado dos contos de Edgar Allan Poe. A construção do roteiro até que é bem feita, o ar sombrio da trama, típico de produções de Allan Poe também é bem montada, além de ser bem produzido, principalmente o ambiente do hospício em si. Há muitas cenas que mostram as crueldades feitas para se tratar aqueles que eram chamados de loucos, com tratamentos que mais lembravam aparelhos de torturas. 

Contos Proibidos do Marquês de Sade

Uma obra clássica que aborda a vida do escritor libertino Marquês de Sade (Geoffrey Rush). A trama aborda a vida do autor já no sanatório e sua relação com a lavadeira do asilo (Kate Winslet) e nos mostra outros temas, desde a prisão do Marquês de Sade em um manicômio por causa de suas perversões sexuais até o tratamento feito para curar essas práticas, que eram consideradas loucura na época. Vale a pena assistir para quem quiser saber mais a respeito do escritor.

Garota, Interrompida

Angelina Jolie (Sr. e Sra. Smith) foi aclamada pela crítica por sua belíssima interpretação de Lisa Rowe, tanto que recebeu merecidamente seu Oscar de melhor atriz coadjuvante pelo papel de Susanna Kaysen, uma garota que foi diagnosticada com Ordem Incerta de Personalidade, algo que qualquer adolescente poderia ter. Outra produção que mostra a vida dentro de um instituto psiquiátrico, mas aqui há algo a mais ao abordar todo o mundo descoberto dentro do manicômio através do ponto de vista de Lisa.

Tempo de Despertar

Há inúmeras produções que podem te emocionar e uma delas é Tempo de Despertar. Com uma trama humana e inteligente nos apresenta um doutor (Robin Williams) que começa um tratamento teste em um dos pacientes (Robert de Niro), e nisso o longa vai nos guiando através dessa situação. O belo roteiro trabalhado pela diretora Penny Marshall (Quero Ser Grande) é um dos grandes atrativos, bem conduzido e desenvolvendo a trama com bastante agilidade, o trabalho de estruturação dos personagens é fantástico. Difícil chegar ao final sem ter derramado uma lágrima se quer. 

Um Estranho no Ninho

Jack Nicholson (Antes de Partir) em uma de suas melhores interpretações na carreira, interpretando um homem comum que é levado de uma prisão para um sanatório. O motivo para ser levado até o local poderia ser interpretado como qualquer coisa, menos como loucura. Seu personagem era uma pessoa normal, não fazia sentido sua presença em um hospício para curar algo que não tinha. A ideia do filme é justamente debater o que é loucura e o que é normalidade, pois muitos dos casos ali mostrados são comuns e trabalhados de forma errada, alguns nem precisavam tomar remédios ou se submeter a tratamentos como eletrochoque ou lobotomia. 

Bicho de Sete Cabeças

Filmado no antigo hospital psiquiátrico do Juquery, em Franco da Rocha, Bicho de Sete Cabeças está entre os filmes nacionais que fizeram parte da retomada do cinema brasileiro. É inquestionável a qualidade do longa que apresentou Rodrigo Santoro (Os 33) para o cinema. Há duas críticas feitas no longa. A primeira em relação ao combate as drogas e seu tratamento, pois o personagem foi colocado ali por causa de uso de entorpecente e acabou saindo pior do que estava quando foi internado. Uma segunda crítica é em relação aos manicômios brasileiros e seus tratamentos brutais, que mais machucavam do que curavam. 

Ilha do Medo

Martin Scorsese (Os Infiltrados) fez um dos trabalhos mais interessantes de sua carreira em Ilha do Medo. O mais interessante da produção é o final aberto que te deixa cheio de dúvidas do que teria ocorrido com o personagem de Leonardo Di Caprio (Titanic). O plot twist poderia ter sido mais eficaz, o final aberto vem justamente dessa virada do roteiro que deixa tudo sem explicação. O desenvolvimento da trama é uma das belezas desta produção, vai te direcionando para pontos interessantes da investigação e o desenvolvimento não perde tempo com tramas e argumentos irrelevantes. 

Comente!